Colecção Miró vai ficar no Porto, resta saber onde e como

António Costa anunciou instalação definitiva dos quadros do pintor catalão na cidade. Rui Moreira espera pela inauguração da exposição em Serralves para falar sobre este dossier.

Foto
A colecção quando esteve exposta na Christie's REUTERS/Suzanne Plunkett

O anúncio feito esta terça-feira pelo primeiro-ministro, em Lisboa, de que a Colecção Miró vai ficar permanentemente instalada na cidade do Porto depois da exposição em Serralves foi recebido como boa notícia para a cidade. Mas há ainda muitas questões em aberto, desde o local onde as obras vão ser instaladas, até aos custos e responsabilidade pela manutenção e gestão do acervo.

António Costa fez a declaração no decorrer da inauguração da III Cimeira do Turismo Português, no Museu do Oriente, a assinalar o dia mundial daquele sector económico. E justificou a decisão do Governo relativamente ao conjunto de 85 obras do importante artista catalão (1893-1983) – que na próxima sexta-feira vai finalmente ser mostrada ao público na Casa de Serralves – pela prioridade que deve ser dada ao investimento na oferta cultural. Com os Mirós em exposição permanente, o Porto vai “reforçar a sua atractividade”. Deste modo, a cidade terá “um novo pólo de atractividade que ajude a consolidar e a reforçar a que tem tido ao longo dos anos”, acrescentou o primeiro-ministro.

O PÚBLICO procurou saber junto do Ministério da Cultura (MC) qual será, depois de Serralves, o destino da colecção no Porto, e que relação manterá a tutela com ela e com a autarquia liderada por Rui Moreira no que toca a custos de instalação, manutenção e gestão deste acervo, mas o gabinete de Luís Filipe Castro Mendes fez saber apenas que “é ainda prematuro falar sobre este assunto”. 

Também Rui Moreira declinou tecer algum comentário à decisão agora anunciada, reservando a sua posição para o momento da inauguração oficial em Serralves da exposição Joan Miró: Materialidade e metamorfose, na próxima sexta-feira.

Por esclarecer ficaram, assim, perguntas relativas ao modelo de funcionamento a aplicar quando a colecção passar a estar exposta a título permanente, a uma eventual partilha de receitas e à possibilidade de o MC vir a decidir, ainda, vender algumas das 85 obras do pintor catalão que pertenceram ao extinto BPN.

Para já, a bola parece estar no campo do presidente da Câmara do Porto, que tem agora de decidir onde irá sediar e mostrar a colecção na cidade, e como. Rui Moreira recebeu com agrado, ainda antes do Verão, a notícia de que o Governo gostaria de ver a colecção instalada no Porto, e terá trabalhado já em vários cenários possíveis para sua sede.

“Se o Estado português quiser colocar os Mirós no Porto, estamos disponíveis e interessados nisso, e não faltarão espaços, nem imaginação para os encontrar e adaptar a esse fim”, disse o autarca em Julho, respondendo ao repto então lançado pelo ministro da Cultura para que os Mirós fossem acolhidos na cidade, depois de uma entrevista ao PÚBLICO.

Ainda esta segunda-feira, o autarca recebeu na Câmara do Porto uma delegação do Bloco de Esquerda, que, à saída do encontro, manifestou o seu empenho político em garantir que as obras do artista catalão fiquem expostas em permanência na cidade. “É este o trabalho que estamos a fazer: contribuir para que os Mirós possam ficar no Porto e para que se encontre uma solução na cidade para os expor em permanência”, disse então o deputado José Soeiro, citado pela Lusa.

Também nessa altura Rui Moreira não quis pronunciar-se publicamente. E a questão, que o autarca já tinha levantado em Julho, sobre se o MC está a pensar num museu nacional no Porto ou num museu municipal parece continuar sobre a mesa.

Ouvida pelo PÚBLICO, a deputada Gabriela Canavilhas lembrou que o anúncio agora feito por António Costa veio apenas ratificar o que o Governo já tinha anunciado na Assembleia da República. “Este anúncio vem reforçar a preocupação do Governo de estabelecer sinergias com o poder local e fazer uma distribuição mais justa do património”, diz a ex-ministra da Cultura, realçando também a importância que os Mirós terão para o reforço da cidade do Porto como “grande centro de atracção turística”.

Pró e contra a decisão

Quem agora se congratulou com o anúncio do Governo foi João Fernandes, director-adjunto do Museu Nacional-Centro de Arte Rainha Sofia, em Madrid. “São extraordinárias notícias para o Porto, mas também para Portugal e para o património do país. Todos nós vamos ficar mais ricos”, disse o ex-director artístico do Museu de Serralves.

Se, há algum tempo atrás, João Fernandes achava que a colecção “herdada” pelo Estado português era algo “desigual”, mesmo se continha “obras muito relevantes de um artista fundamental do século XX”, o curador e crítico de arte admite ter mudado a sua opinião depois de ouvir a posição de Robert Lubar Messeri, o comissário da exposição que está a ser instalada em Serralves. “Messeri disse que a colecção funciona como um todo. Como respeito muito o seu trabalho, aceito que ele tem razão”, diz Fernandes. “Agora há que trabalhar e procurar que a colecção seja apresentada em boas condições”, acrescenta.

Posição bem diferente tem Nuno Vassalo Silva, director adjunto do Museu Gulbenkian. “É uma decisão lamentável, a ceder ao imediato, e que só demonstra como em Portugal é difícil implementar um programa de cultura, porque a tentação mais imediata é seguir os caminhos mais fáceis e atractivos”, acha o ex-director geral do Património Cultural nomeado no tempo do Governo PSD/PP.

“Se expor a colecção em Serralves é uma boa ideia”, decidir que ela fique depois na cidade manifesta “uma visão provinciana”, acrescenta Vassalo e Silva, descrendo que ela faça “desviar os turistas que vão a Barcelona, a Madrid ou a Nova Iorque” ver os Mirós.

A confirmar-se a instalação da Colecção Miró no Porto, resta agora saber em que lugar. Em declaração ao PÚBLICO no passado fim-de-semana, o arquitecto Álvaro Siza – que é o responsável pela montagem da exposição dos quadros na Casa onde habitou o Conde de Vizela – disse que “os Mirós ficam bem não importa onde”. Mas acha bem que a colecção fique na cidade. “Se os Mirós ficarem cá, para mim é melhor – e para os habitantes do Porto em geral –, porque posso ir vê-los com mais facilidade”, diz o arquitecto.

Vários lugares

Sobre o sítio em que as obras devem ser instaladas, têm sido avançadas várias possibilidades. O primeiro que Siza refere é o Palacete Viscondes de Balsemão, na Praça de Carlos Alberto, que, além de espaço, “tem a vantagem de pertencer à câmara”, lembra.

O Cinema Batalha, a Casa Tait, a Casa do Infante, espaços da Santa Casa da Misericórdia, o Palacete Pinto Leite, entretanto já vendido pela autarquia, e o Matadouro – para o qual foi já também apresentado um ambicioso projecto de transformação num centro polivalente de artes e património – são alguns dos lugares que foram sendo aventados para sede da colecção.

Sem abrir o jogo sobre a solução que prefere, Rui Moreira sempre defendeu que encontrar o espaço não será um problema. E o previsível encontro do autarca com o primeiro-ministro e o ministro da Cultura na próxima sexta-feira, na inauguração da exposição Joan Miró: Materialidade e metamorfose, em Serralves, irá certamente criar a oportunidade para se perceber melhor que soluções políticas e de gestão vão ser encontradas para a situação.

De resto, também Serralves – onde a apresentação da Colecção Miró foi de algum modo imposta pelo anterior ministro da Cultura, João Soares – parece estar à espera de mais informação para se pronunciar sobre o futuro dos Mirós no Porto.

E se a fundação considera que a obra de Miró diz respeito a um período cronológico que é anterior à da abrangência da Colecção de Serralves, que se inicia “circa 1968”, há quem não veja nisso um impedimento. “Os projectos dos museus também são flexíveis, mas caberá sempre a Serralves responder a essa questão”, diz João Fernandes. Mas, mais importante do que resolver “o dilema” do lugar – que pode muito bem “ser criado de raiz”, admite o curador e crítico –, é assegurar que a Colecção Miró seja “apresentada em boas condições materiais de exposição e de interpretação”.

Questionada sobre o lugar em que a Colecção Miró poderá vir a ser instalada, Gabriela Canavilhas acha que essa é uma decisão que caberá sobretudo à Câmara do Porto, mas adianta que vê como melhor solução encontrar-se “uma tipologia museológica” diferente daquelas que hoje existem na cidade.

Com Ana Rute Silva e Lucinda Canelas