Turismo continua em alta e cresce mais de 10% até Junho

Número de hóspedes subiu 10,8% no primeiro semestre. Na época alta, Algarve está com lotação quase esgotada.

Foto
Paulo Pimenta

O número de hóspedes que escolheram estabelecimento hoteleiros portugueses para se alojar cresceu 10,3% no mês de Junho, divulgou o Instituto Nacional de Estatística (INE). No mesmo período, o número de dormidas cresceu 9,6%, fixando-se nos 5,5 milhões. As taxas de crescimento que podem ser consultadas no boletim de actividade turística elaborado pelo INE são ainda mais expressivas se for analisado o conjunto dos primeiros seis meses do ano, em que o aumento dos hóspedes se fixou em 10,8% e as dormidas subiram 11,2%.

Estes indicadores permitem ao presidente do Turismo de Portugal apontar o crescimento “muito positivo” do sector. Citado pela Lusa, Luís Araújo antecipa o reforço destes números na época alta, nomeadamente nos proveitos e rendimento por quarto. “Com base nos dados que temos até Maio estamos a falar de crescimentos de dois dígitos: 10,4% de aumento nos hóspedes, 11,3% nas dormidas e 14,5% do revpar (rendimento médio por quarto disponível), que é um dado importantíssimo para nós”, afirmou. O presidente do Turismo de Portugal diz acreditar que estas subidas se vão, até, “acentuar um bocadinho mais” já que “na época alta, a partir de Maio/Junho, se começam a aumentar tarifas, principalmente nas áreas mais turísticas como o Algarve, Madeira, Lisboa e Porto”.

“Estes são indicadores muito positivos, não só porque estamos a atrair mais turistas, mas principalmente melhores turistas, porque a evolução dos proveitos e do revpar significa que estamos a conseguir ganhar mais para a economia do país, como se pretende”, afirmou, convicto que se perspectiva “um verão muito bom”.

Contactado pelo PÚBLICO, o presidente da Associação de Hotéis e Estabelecimentos de Turismo do Algarve (AHETA), Elidérico Viegas, confirma que os números são bons e que o mês de Agosto continua a ser a altura de excelência da região. “As taxas de ocupação rondam os 95%, mais 2% do que o ano passado”, afirma, referindo que não há nenhuma alteração naqueles que continuam a ser os principais mercados emissores de turistas para a região do Algarve. “Estamos com subidas em todos os mercados, mas os mais relevantes continuam a ser o mercado britânico, o alemão, o holandês e o irlandês. No mês de Agosto, como é hábito, é o mercado nacional quem representa a principal fatia, com uma quota de quase 40%”, informou.

De acordo com os dados divulgados pelo INE, as dormidas de turistas portugueses subiram 7,3%, invertendo a tendência de quebra do mês anterior (-1,3%), enquanto as dos visitantes estrangeiros subiram 10,5%, "desacelerando ligeiramente" face ao mês anterior (+11,7% em Maio). O tempo médio de estadia também decresceu ligeiramente (-0,7%), fixando-se em Junho nas 2,91 noites.

Em termos geográficos, a procura do mercado interno aumentou em todas as regiões, com maior impacto no Norte (15,1%), Região Autónoma dos Açores (14,1%) e Alentejo (14%). Lisboa e Algarve são as que apresentam menores crescimentos de dormidas (4,8% e 8,9%, respectivamente), mas deve assinalar-se que estas são as regiões onde, historicamente, há maior procura:  39,5% do total das dormidas são efectuadas no Algarve, como referiu o presidente da AHETA, e 21,7% em Lisboa.

Relativamente às receitas, o INE contabilizou os proveitos totais do sector em 294,2 milhões de euros e os de aposento em 212 milhões de euros, o que corresponde a acréscimos de 15,2% e 15,5%, respectivamente. Os proveitos aumentaram em todas as regiões, nomeadamente nos Açores e no Norte. "Os resultados expressivos dos proveitos poderão, em parte, ter beneficiado da situação de instabilidade de países concorrentes, com consequente aumento da procura de alguns mercados, motivando a implementação de estratégias comerciais de aumento de preços", explica o INE.