Empresário chinês compra banco de investimento do Banif

A Oitante, o veículo que ficou com os activos mais problemáticos do Banif, vai vender a instituição à Bison Capital. O valor não foi revelado.

O aumento de capital do Banif totalizará 800 milhões de euros
Foto
Oitante estava a tentar alienar o BBI desde Abril Catarina Oliveira Alves

A Oitante anunciou esta quinta-feira que vendeu o Banif - Banco de Investimento (BBI) à Bison Capital. Sem revelar o montante do negócio, a sociedade criada para agrupar os activos que o Santander não quis quando comprou o Banif garantiu que a nova dona do banco se comprometeu a injectar 10 milhões de euros no BBI, no primeiro a contar da data da concretização deste negócio.

"A Oitante seleccionou a proposta apresentada pela Bison Capital Financial Holdings (Hong Kong) Limited, por ser aquela que apresentava as condições mais favoráveis à maximização da venda do BBI, incluindo a oferta de um valor de compra superior ao valor contabilístico dos capitais próprios do BBI", anunciou a sociedade.

Em Janeiro, o Banif - Banco de Investimento (BBI), que já tinha passado para a sociedade-veículo Oitante no âmbito da resolução do Banif (anunciada a 20 de Dezembro), realizou um aumento de capital de 29,4 milhões de euros, ficando com um capital próprio de 114,4 milhões de euros.

A instituição, que estava à venda desde Abril, despertou o interesse do empresário chinês Peixin, com quem foi celebrado um contrato de compra e venda de acções na semana passada. A conclusão da transacção ainda está pendente das autorizações regulatórias.

Se o negócio se concretizar, Peixin Xu, empresário chinês que, segundo a Bloomberg, é também investigador na Universidade de Pequim, passará a deter 100% do Banco de Investimento do antigo Banif. De acordo com a Bloomberg, Peixin Xu fez carreira no sector das tecnologias de informação e tem vários investimentos nesta área, bem como na área dos media.

Na sequência da resolução do Banif, parte dos activos do banco passaram para o Santander Totta por 150 milhões de euros, mas os activos que o banco não quis, como a Açoreana Seguros, recentemente comprada pela Tranquilidade, e o BBI, entre outros, foram transferidos para a Oitante.

Já as posições dos accionistas e obrigacionistas subordinados do Banif, assim como as operações do banco em Cabo Verde e no Brasil, ficaram reunidas no Banif SA, o “banco mau”, que no futuro se prevê que seja liquidado.

Ainda esta semana ficou a saber-se que o banco brasileiro BTG Pactual desistiu da compra do Banif Brasil, alegando falta de condições para a transacção.

Há cerca de um mês, o banco tinha confirmado que estava em conversações para compra da operação brasileira do Banif, chegando a apresentar uma proposta não vinculativa. Contudo, na quarta-feira, veio anunciar que a operação ficou sem efeito pela "não verificação de condições precedentes contidas na proposta".