Ho99o9: uma última revelação na despedida do Milhões de Festa

O festival encerrou este domingo com um concerto tumultuoso. Mais uma surpresa de um festival que aproxima músicos e público, que revela e inspira. Na edição 2016, destacaram-se Islam Chipsy & EEK, Sons of Kemet, The Heads e Goat.

Fotogaleria
Foi assim no último dia de festival Milhões de Festa, domingo Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Furtado (Legendary Tigerman) Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Dan Deacon Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Dan Deacon Paulo Pimenta
Fotogaleria
Evil Blizzard Paulo Pimenta
Fotogaleria
El Guincho Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Evil Blizzard Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Ho99o9 Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Ho99o9 Paulo Pimenta
Fotogaleria
Ho99o9 Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Estão ali, entre o público, mas afastados do turbilhão frente ao palco. Estão a ver os Oozing Wound e aquele thrash apunkalhado do trio de Chicago, riffalhada em velocidade supersónica sem solos à vista, cabelos rodando como pás de moinho, gente aos saltos e gente acometida de acessos de air-guitar e air-drum, ou seja, tocando guitarras e baterias imaginárias. Eles: um com uma t-shirt rasgada dos Suicidal Tendencies, outro com o blusão sem mangas em cujas costas se lê Ho99o9, ou seja, Horror, ou seja, o duo, acompanhado de baterista, que protagonizará horas depois o momento mais extremo do Milhões de Festa. Hip hop e hardcore e performance agressiva e zangada, olhos nos olhos com o público – literalmente, que eles descerão do palco para lançarem o seu esgar e os seus gritos no rosto de quem vê.

No último dia de festival, domingo, e fazendo jus à sua identidade feita de diversidade musical sem fronteiras, andávamos num momento de coração cheio de sentimentos bonitos e vontade de os partilhar e, no momento a seguir, éramos sobressaltados pela visão de que nem tudo no mundo são sentimentos bonitos e sorrisos cúmplices. Os mascarados Evil Blizzard, os primeiros no Palco Milhões, ao início da noite, até podem ser mistura curiosa dos dois estados de espírito, mas depois deles e depois dos Part Chimp o Milhões entrou em modo montanha-russa. Que bem soube.

Ao longo de três dias, guardámos na memória o afrojazz dos Sons of Kemet, o voodoo rock globalizado dos Goat e o dancehall saturado de The Bug, acompanhado pelas rimas bem medidas de Miss Red – aconteceu na sexta. No sábado, houve o afrobeat via São Paulo dos Bixiga 70, felicíssimos por verem uma multidão a dançar à sua frente, houve a intensidade do psicadelismo minimal dos ingleses The Heads, daqueles históricos de culto que o Milhões de Festa tanto preza, e houve, principalmente, uns superlativos Islam Chipsy & EEK, vindos do Cairo para iluminar a madrugada com sintetizador e duas baterias que, pelos três em palco, pelos outros todos na plateia, poderiam ter tocado música até que o sol voltasse a brilhar.

Ao longo destes dias, vimos durante a tarde hip hop galego transformado em performance punk, cortesia dos Malandrómeda, levámos uma descarga eléctrica daquelas com os Quelle Dead Gazelle e com os Riding Pânico e sentimos boa brisa pop, muito primaveril, apesar de o calor ser de pico de Verão, com os Extraperlo onde encontramos os músicos que acompanham El Guincho em concerto. Aconteceu no Palco Taina, este ano trazido para o interior do recinto principal do festival, no Parque Fluvial de Barcelos – perdeu-se o jardim varanda com vista para Barcelinhos dos anos anteriores, ganhou-se uma maior concentração de público (manteve-se a necessária sombra).

Com cerca de três mil espectadores por dia, o Milhões é um festival de proximidade, de encontros e partilhas. É um festival que inspira pela abertura ao novo e à descoberta, pela forma como se esbatem distâncias entre o público e os músicos que com ele convivem na piscina, nos caminhos do recinto ou nas ruas da cidade. Quem vem a Barcelos ao Milhões quer voltar, e volta, no ano seguinte. E é provável que vários tenham entretanto formado bandas ou começado a agenciar concertos, que tenham editado fanzines ou gravado podcasts: que tenham utilizado o espírito do festival como motivador para criar algo.

Tudo aquilo já era sensação que tínhamos antes de domingo, o último dia do Milhões de Festa 2016. Tudo isso já se tornara claro no decorrer dos dias anteriores, entre os concertos e as batalhas com bolas insufláveis na piscina, entre as conversas à mesa farta, ou não estivéssemos no Minho, nos restaurantes da cidade. Domingo, porém, ainda guardava histórias de que se fará a história desta edição do festival.

PÚBLICO -
Foto
Aquilo ali ao fundo não é um gajo de pé engessado e muletas a ser levado em ombros pela multidão? Era mesmo. Paulo Pimenta

À tarde dançaram-se os Love, Jon Spencer Blues Explosion ou Cypress Hill na piscina que encerrou festividades com um DJ set de Legendary Tigerman. À noite, como já escrevemos, vivemos uma montanha-russa. El Guincho, nascido nas Canárias, disse-se muito feliz por estar de regresso a casa e recordou que na sua anterior passagem pelo Milhões, em 2010, a Espanha era campeã europeia. “Agora são vocês os campeões. O ciclo completa-se.” Um “síííí” à Ronaldo colectivo como resposta e a festa pode continuar. Festa de Verão, em modo tropical digital. Tudo sol e boa vida nas canções de El Guincho. Tem um novo álbum, HiperAsia, tem muito autotune a modular a voz, mas é quando regressa a Bombay, a sua canção assinatura, que se solta a dança colectiva, e é quando toca a sua “canção hino” do Milhões, mesmo no final, que se forma a linha de conga das linhas de conga do festival – várias delas cruzando a plateia em modo deliciosamente caótico.

Saímos da festa tropical de El Guincho directamente para o headbanging dos Oozing Wound e ainda o pescoço abanava ligeiramente quando aterrámos novamente no Palco Milhões. Deparámo-nos com todo um outro cenário. Balões voando pelo ar, um concurso de dança que, ao fim de dez segundos, se transforma em pista de dança caótica, uma baterista enérgica e um mestre-de-cerimónias que canta também ele com voz de autotune e que lidera este arraial moderno com um electropop de marca pessoalíssima inventado em Portland (há house e electro ali dentro, há sintetizadores new wave e ambiente de rave toda ela hedonismo).

Em palco, Dan Deacon. “Learning to relax”, disse ele. É o título de uma das suas canções, mas aquilo que suscita é um exercício de relaxamento bastante diferente do que estamos habituados. Aquilo ali ao fundo não é um gajo de pé engessado e muletas a ser levado em ombros pela multidão? Era mesmo. E o que seguiu a toda esta descontração? Convoque-se o Coronel Kurtz de Apocalypse Now. Ouçamo-lo: “The horror.” “Ho99o9”, corrigiremos nós a partir das 2h30 da madrugada.

São um duo formado por TheOGM e Eaddy, nascido em Newark e que entretanto se mudou para Los Angeles – mas a sua proveniência e o lar que habitam é outro: o lado negro da psique humana, os escombros da civilização maquilhados pela arquitectura impecável das cidades. São banda de hip hop e são banda de punk hardcore. São isso e não são nada disso exactamente – habitam o mesmo universo tumultuoso, neurótico e autodestrutivo de uns Death Grips. Têm com eles um baterista que não dá descanso a pratos e peles, têm uma pequena caixa de sons ligados a uma torre de amplificadores. Tocam com túnicas de feiticeiro alienígena, com unhas postiças gigantes, com grotescos dentes falsos – e lanterna a brilhar na cabeça para toque sinistro. Hão-de acabar em tronco nu e de calções por demasiado calor e demasiada agitação. “We don’t take no shit”, dirão algures. E é verdade. Descerão até ao público e cantarão entre ele, enquanto o caos se desenrola em seu redor. O passo compassado de um hip hop convulsivo, batida seca envolta em ruído, dá lugar a impossível aceleração hardcore e assim sucessivamente. Não há descanso, não há qualquer refúgio à vista. Não é bonito o que se vê daqui, mas é uma experiência avassaladora. Um reflexo perturbador, amplificado, do negrume que nos envolve na vida de todos os dias.

Depois deles, chegaria Nidia Minaj e os Dj Yeah para que o festival se despedisse com boa ginga. A grande surpresa do último dia, porém, já tinha sido revelada. Escreve-se ho99o9. Lê-se horror. Mais uma revelação em Barcelos. Obrigado, Milhões.