Mário Centeno chega ao Eurogrupo… com cachecol de Portugal

Dia de celebração da vitória no Euro 2016, dia de discutir sanções no Eurogrupo. A Bruxelas, o ministro das Finanças levou as cores de Portugal. Pelo sim, pelo não...

Fotogaleria
Centeno com Wolfgang Schäuble, minsitro alemão das Finanças FRANCOIS LENOIR/Reuters
Fotogaleria
A chegada ao Eurogrupo FRANCOIS LENOIR/Reuters
Fotogaleria
Sapin, ministro francês das Finanças, diz estar contra as sanções a Portugal FRANCOIS LENOIR/Reuters
Fotogaleria
Com Euclid Tsakalotos, ministro grego das Finanças JOHN THYS/AFP
Fotogaleria
Ricardo Mourinho Félix acompanha Mário Centeno na reunião do Eurogrupo JOHN THYS/AFP
Fotogaleria
Com Pier Carlo Padoan, ministro italiano das Finanças FRANCOIS LENOIR/Reuters

É um daqueles dias em que o futebol e a política entram pela mesma porta (literalmente), alimentam metáforas e dão azo a leituras cruzadas.

À mesma hora em que os jogadores da selecção portuguesa percorriam de autocarro as ruas de Lisboa com os adeptos em festa pela capital, em Bruxelas os ministros das Finanças da zona euro preparavam-se para dar início à reunião do Eurogrupo onde o tema das sanções a Portugal (e Espanha) está em cima da mesa, por causa do limite do défice em 2015.

Como sempre, há repórteres de imagem dentro da sala de reuniões do Conselho Europeu, na capital belga, para captar os minutos que antecedem a reunião – o momento em que os ministros, secretários de Estado e os seus assessores entram na sala, se cumprimentam, vão ocupando os seus lugares à mesa, trocam umas palavras de circunstância…

Por todo o país e nas comunidades portuguesas, o dia é de celebração do desporto e da vitória de Portugal no Euro 2016, já se sabe. E no Eurogrupo, enquanto não se sabe se os ministros vão ou não propor sanções ao país pelo incumprimento da meta do défice de 2015, por alguns minutos pelo menos celebrou-se Portugal.

Num dia decisivo em matéria de finanças, Mário Centeno entrou sorridente para a reunião dos ministros da zona euro, acompanhado pelo secretário de Estado Adjunto, do Tesouro e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, e da assessora de imprensa do ministério das Finanças, Rita Tamagnini.

Nada que já não tivesse acontecido antes. Mas, desta vez, o dia é especial, e Centeno fez questão de o marcar. Para celebrar a vitória portuguesa frente à França (ou à espera de algo mais?), Centeno entrou na sala envergando um cachecol da selecção portuguesa por cima do fato e gravata (vermelha, aliás).

O momento – captado pelas câmaras dos serviços oficiais da Comissão Europeia – mostra os apertos de mão, os cumprimentos, os agradecimentos daquele momento inicial em que Centeno e Mourinho Félix (o secretário de Estado que é primo de José Mourinho) foram percorrendo a sala.

Descontracção ao lado do presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijsselbloem; um cumprimento do homólogo espanhol, Luis de Guindos; um aperto de mão de Wolfgang Schäuble, ministro alemão das Finanças; uma conversa animada com o colega grego Euclid Tsakalotos; e um momento de especial confraternização com o ministro francês, Michel Sapin…

Sapin viu no domingo a sua selecção perder em casa. Nesta segunda-feira, horas antes do arranque do Eurogrupo, fez questão de falar sobre Portugal. Não sobre o jogo, mas sobre as finanças públicas: para considerar que o país, por ter feito “esforços monstruosos nestes últimos anos”, não merece ser penalizado.

Sentado à larga mesa do Eurogrupo, que antecede o encontro alargado dos ministros das Finanças da União (na terça-feira), Mário Centeno estava já sem cachecol aos ombros. Era a hora de começar a falar de sanções.