Morreu o actor Camilo de Oliveira, "o cómico popular"

Tinha 91 anos. Era uma das grandes figuras da comédia em Portugal.

Fotogaleria
Em acção na SIC DR
Fotogaleria
Em acção na SIC DR

Foi uma das grandes figuras da comédia em Portugal. O actor Camilo de Oliveira morreu no sábado à noite, aos 91 anos, informou à Lusa fonte da família, acrescentando que o velório decorrerá na capela da Basílica da Estrela a partir das 17h30 desta terça-feira. O funeral seguirá na manhã seguinte para o cemitério do Alto de São João, depois de uma missa com início às 10h.

Segundo a SIC, canal em que passou uma parte importante da sua carreira, o actor  estava internado nos cuidados paliativos há algum tempo. Lutava contra dois cancros, um na próstata e outro nos intestinos.

O actor Vítor de Sousa, que trabalhou com Camilo nos programas televisivos Sába Dá Bádu e depois em Camilo, o Presidente, descreve-o ao PÚBLICO como um "perfeccionista e um apaixonado pelo teatro", que conseguiu "uma coisa que poucos actores conseguem: um reconhecimento do público de tal forma grande que as pessoas iam ao teatro sem saber que peça era, apenas porque tinha o selo de garantia do nome do Camilo". Nome que, aliás, valia também por si só na televisão, como se vê pelo facto de os títulos escolhidos para os seus programas terem sempre uma coisa em comum: o nome Camilo. 

Diz ter tido o privilégio de acompanhar, primeiro como espectador e depois como colega, essa "carreira extraordinária" de alguém que "nem sempre tinha um feitio muito fácil", mas que era "de uma exigência muito grande" e de uma "enorme entrega e profissionalismo". Além de ser "um Don Juan, que gostava de estar rodeado de lindas mulheres". 

José Raposo conta que contracenou com Camilo na peça Coronel em Dois Actos, no Teatro Sá da Bandeira, no Porto e depois como convidado em todas as séries que ele fez na televisão. "Era um comediante nato, um daqueles actores que são personalidades, têm um carisma especial. São actores que se sentam ao colo do público — e fazem-no naturalmente. O Camilo era assim." Na peça, José Raposo saía de cena antes da entrada de Camilo e muitas vezes este perguntava-lhe como estava o público nessa noite. Se Raposo lhe respondia que estava "menos eufórico do que ontem", Camilo dizia "Ai, é? Já vais ver" e quando entrava no palco "havia logo uma reacção, muitas palmas" para o receber.

Raposo destaca igualmente o facto de ele "ter conseguido manter uma popularidade grande ao longo de várias décadas", o que, afirma, ficou a dever-se muito ao sucesso que conseguiu na televisão. "Para ele foi um recomeço. Os mais velhos já o conheciam, mas os mais novos descobriram nessa altura que havia ali um génio da comédia. Um fenómeno como o Camilo não passa de moda."

Também a actriz Maria do Céu Guerra o recordou, em declarações à TVI, como "um cómico popular que tinha um rigor, uma limpeza, uma ingenuidade, até", e para quem "a piada nunca era grosseira mas era sugestiva numa certa malandrice". Destaca o facto de ser "um actor que fazia maravilhosamente televisão" e que manteve uma "coerência e longevidade" raras. No Facebook, o humorista Herman José escreveu: "Não imagino vida mais completa: profissionalismo exemplar, amores totais, carácter, verticalidade e alguns inimigos de estimação pelas razões certas. Se fosse uma peça, a vida do Camilo de Oliveira estaria ao nível do melhor Arthur Miller."

Marcelo Rebelo de Sousa usou a página de Internet da Presidência para escrever uma mensagem: "Ainda há poucas semanas tive oportunidade de recordar histórias antigas, no hospital onde o actor estava internado. Porque a vida de Camilo de Oliveira é uma vida de histórias: mais de seis décadas de teatro, de Buarcos ao Parque Mayer, programas de televisão marcantes como Sába Dá Bádu e as sucessivas séries de Camilo (o nome próprio bastava para identificá-lo)".

Numa entrevista dada em Abril ao site da Agência de Informação Regional do Norte, Camilo explicava que já não aceitava fazer teatro ou televisão porque "não daria o mesmo rendimento" e "o público não me aceitaria tanto". Reconhecia, nessa conversa, que "dirigir uma companhia [de teatro] é muito complicado, criam-se muitas inimizades". Mas sublinhava que "só há cinco coisas que interessam a um actor: público, público, público, público e público". 

Natural da Figueira da Foz, Camilo era um homem do palco literalmente desde que nascera, a 23 de Julho de 1924. O parto aconteceu nos camarins do teatro do Grupo Caras Direitas, em Buarcos, que pertencia à avó e onde a mãe representava uma peça na qual fazia de Inês de Castro (o pai de Camilo era D. Pedro). Foi depois com cinco anos que pisou o palco numa peça e começou a carreira de actor aos 15, ainda na companhia itinerante da família. Mais tarde trocou a Figueira da Foz por Lisboa e estreou-se no teatro de revista em 1951 com Lisboa é Coisa Boa

Nas décadas seguintes fez parte de diversas companhias e actuou em vários palcos, dos teatros ABC e Variedades, no Parque Mayer, em Lisboa, ao extinto Monumental, também na capital, passando pelo Sá da Bandeira, no Porto, entre outros. 

Abaixo as Saias (1958), Ó Pá, Não Fiques Calado (1963), Alto Lá Com Elas (1970), As Coisas Que Um Padre Faz (1976), Aldeia da Roupa Suja (1978), Há Mas São Verdes (1983), Isto É Que Vai Uma Crise (1992), Camilo & Filhas (1996) e O Meu Rapaz é Rapariga (2008) foram alguns dos seus sucessos.

Já era muito conhecido como actor de revista, mas a televisão tornou-o ainda mais popular. Entre 1995 e 2009 foi protagonista em sete séries de comédia, nas quais a sua personagem se confundia com ele próprio, sendo sempre apenas "Camilo". A SIC apresentou Camilo & Filho, em 95, As Aventuras de Camilo, dois anos depois, Camilo na Prisão, em 98, A Loja de Camilo, no ano seguinte. Em 2002 foi na RTP1 que surgiu Camilo, o Pendura, mas em 2005 e 2006 regressou à SIC com Camilo em Sarilhos e Camilo, o Presidente, em 2009/2010. 

Com a actriz Ivone Silva protagonizou, em 1981, um dos pares de maior sucesso da televisão, “Os Agostinhos”, no programa Sába Dá Bádu, de autoria de César Oliveira e Melo Pereira, distinguido internacionalmente com uma menção honrosa no Festival Rosa de Ouro de Montreux, na Suíça. Outra das figuras que criou no mesmo programa, e que se tornou muito popular, foi o “Padre Pimentinha”.

A partir de 2012, o actor, que era casado com a actriz Paula Marcelo e que tinha dois filhos de casamentos anteriores, aparece mais esporadicamente em programas televisivos e inicia uma luta contra o cancro, que o obriga a retirar-se. Durante a sua longa carreira, que inclui 47 revistas à portuguesa, contracenou com grandes nomes do teatro como Beatriz Costa, Raul Solnado, Vasco Santana e Ribeirinho. Em 2015, com 90 anos, afasta-se definitivamente dos palcos e dos ecrãs.

Notícia actualizada às 15h52 de segunda-feira acrescentando data e hora do velório e do funeral.