Nova onda de demissões nos trabalhistas engrossa motim anti-Corbyn

Ala crítica do líder trabalhista britânico soma apoios em ritmo acelerado. Mesmo os aliados de Corbyn já se preparam para uma eleição interna.

Foto
Bancada parlamentar trabalhista vota na noite desta segunda-feira uma moção de censura contra Corbyn. Neil Hall/Reuters

A liderança de Jeremy Corbyn no Partido Trabalhista estava em hemorragia aberta na manhã desta segunda-feira, à medida que pequenos e grandes nomes no seu governo-sombra anunciavam a demissão, dizendo, um atrás do outro, nas redes sociais, que Corbyn é incapaz de unir o partido e constituir uma alternativa credível aos conservadores, num momento em que o país pode avançar em breve para eleições antecipadas.

Metade do governo-sombra já se tinha demitido antes da hora do almoço. Dezasseis dos 30 deputados que ainda na semana passada integravam a formação principal da oposição anunciaram que se afastariam de Corbyn, que já substituiu muitos deles. E estes são apenas os nomes maiores da bancada trabalhista. No todo do grupo parlamentar, já 36 deputados apresentaram a sua demissão do governo-sombra.

O motim anti-Corbyn engrossava a uma velocidade tal nesta segunda-feira que parecia estar prestes a chegar ao número-chave dos 50 deputados necessários para desencadear uma eleição interna que possa afastar Corbyn. O líder trabalhista assegurou nos dias que antecederam as primeiras demissões no seu governo-sombra que pretendia candidatar-se de novo em caso de eleição interna. “Estou aqui”, afirmou no sábado.

A par das demissões — esta segunda-feira afastaram-se grandes figuras como Angela Eagle, ministra-sombra da Economia, e Owen Smith, ministro-sombra do Trabalho e Pensões — Corbyn enfrenta ainda uma moção de censura no seu grupo parlamentar, que será votada secretamente esta noite e não é vinculativa. De acordo com a BBC, mesmo figuras próximas a Corbyn estão já a preparar-se para uma eleição interna.    

Corbyn nunca conseguiu o apoio consensual do seu próprio partido, sobretudo das alas dos moderados e aliados do ex-líder Ed Milliband, que viram no rescaldo do voto britânico pela saída da União Europeia uma oportunidade para questionar a liderança trabalhista. Apesar disto, o chefe dos trabalhistas continua a ser uma figura adorada das bases partidárias e dos sindicatos, que têm muito a dizer numa eventual corrida pela liderança.