Franceses lideram compras de imobiliário, superando ingleses e chineses

Investidores estrangeiros representaram 20% do número de transacções registadas no primeiro trimestre.

Foto
Lisboa é uma das zonas com mais procura por parte dos estrangeiros Miguel Manso

No primeiro trimestre, os franceses superaram pela primeira vez os ingleses e os chineses na compra de imobiliário em Portugal, consolidando a tendência de crescimento que já se verificava desde o ano passado. De acordo com dados preliminares da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), divulgados esta quinta-feira, o investimento estrangeiro terá representado 20% das transacções efectuadas.

O peso total do investimento estrangeiro na compra de imóveis caiu ligeiramente face aos 23% verificados em 2014 e aos 22% em 2015. Contudo, este recuo é explicado pelo aumento das transacções totais, com forte crescimento do mercado interno. No total de 2014, as transacções de alojamentos familiares ascenderam a 84.815, valor que subiu 27,4% em 2015, para 107.302.

Com base nos valores já registados no primeiro trimestre, que superaram as estimativas do sector, o número de transacções para o conjunto do ano deverá registar “um crescimento entre 30 e 40%”, antecipa Luís Lima, presidente da APEMIP, em declarações ao PÚBLICO.

O número de transacções entre Janeiro e Março terá ascendido a 25 mil, com as compras dos investidores estrangeiros a somarem mais de cinco mil. Nestas operações estão incluídas as aquisições de imóveis realizadas no âmbito das Autorizações de Residência para Actividade de Investimento (ARI), mais conhecidas por vistos gold.

No primeiro trimestre, as compras dos franceses representam 26% do total, conquistando pela primeira vez a liderança das aquisições realizadas por estrangeiros. As vantagens associadas ao regime fiscal dos residentes temporários, muito aproveitada pelos franceses, explicam uma parte da aposta em Portugal.

Os ingleses, que historicamente lideravam as compras de casas em Portugal, representarão actualmente 18% e os chineses 13%, muito por força das ARI.

Em quarto lugar estão os investidores brasileiros, com 8%. Nos últimos dois anos, o investimento brasileiro tem crescido, tendência a que não é alheia a crise económica e a instabilidade política que se vive naquele país.

A registar uma tendência crescente estão ainda os investidores belgas (5%) e suíços (4%). Juntamente com os franceses, estas três nacionalidades representam 35% do número de transacções verificadas. O montante investido não foi disponibilizado.

Lisboa, Porto e a região do Algarve continuam a ser as zonas mais procuradas pelos investidores estrangeiros, refere a APEMIP, que destaca que os ingleses continuam muito concentrados na região algarvia e os chineses na região de Lisboa. "Já o investimento francês tem uma distribuição territorial mais heterogénea, ainda que se concentre sobretudo em Lisboa, no Porto e no Algarve", adianta Luís Lima.

O presidente da associação sublinha que o aumento do investimento estrangeiro "é fruto de um trabalho de promoção do imobiliário português que tem vindo a ser feito desde 2013, ano em que foi assinado um protocolo de parceria com o Syndicat National des Professionnels de l'Immobilier. Desta sexta-feira a domingo, o sector imobiliário nacional volta a estar representado no Salão do Imobiliário e do Turismo Português em Paris.