Karl Ove Knausgård, Irvine Welsh e Svetlana Alexievich em Paraty

O escritor norueguês, autor de A Minha Luta é um dos convidados da FLIP ao lado da Nobel de 2015 e do autor de Trainspotting. E de Ricardo Araújo Pereira.

Foto
Karl Ove Knausgård, o autor da saga A Minha Luta

“Fazer mais com menos”. Foi assim que Mauro Munhoz definiu a programação da próxima Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP) na conferência de imprensa que se realizou ao princípio da tarde no Museu do Futebol, em São Paulo, no Brasil, e foi transmitida em directo pelo Twitter.

O director-presidente da Associação Casa Azul, que organiza o evento, falava acompanhado de Belita Cermelli, representante da Flipinha, e do curador Paulo Werneck, que considerou “uma honra participar da festa literária pela terceira vez".

Festa essa onde a bielorrussa Svetlana Alexievich, prémio Nobel da Literatura de 2015, marcará presença inédita como autora recém-premiada. E onde o norueguês, autor da saga A Minha Luta, virá falar sobre a sua prosa memorialística depois de ter cancelado a participação numa das edições anteriores.

Pela FLIP passará também a premiada escritora britânica Helen Macdonald (de A de Açor) numa mesa intitulada O falcão e a fénix. Com a escritora e ensaísta brasileira Maria Esther Maciel, Helen falará de luto e da representação de animais na literatura.

Também o conhecido agente literário norte-americano Bill Clegg, que se lançou como autor com o livro de memórias Retrato de um Viciado Quando Jovem (sobre a sua dependência de crack) e recentemente publicou o primeiro romance (Você Já Teve uma Família, na edição brasileira da Companhia das Letras), vai juntar-se ao escocês Irvine Welsh, o autor de Trainspotting. Estarão juntos na mesa Na Pior em Nova York e Edimburgo, uma mesa “repleta de contracultura”, como frisou Paulo Werneck.

Outra das novidades da programação desta edição, que se realiza de 29 de Junho a 3 de Julho, é uma sessão de cinema e um sarau com autores selecionados entre todos os que já passaram pelas edições anteriores. No ano em que o convidado português da FLIP é o humorista Ricardo Araújo Pereira, que editará um ensaio inédito sobre o riso no Brasil (só depois sairá em Portugal), a autora homenageada é Ana Cristina Cesar (1952-83), da geração de poetas marginais da década de 1970.  

“Na edição da poesia, no lugar do show teremos um sarau na abertura”, explicou Mauro Munhoz. Por isso a sessão inaugural daquele que é o mais importante evento literário brasileiro contará com o poeta Armando Freitas Filho, que foi amigo da carioca Ana Cristina Cesar e que é o curador da sua obra literária; ao seu lado estará o cineasta Walter Carvalho, que acaba de realizar um documentário sobre ele, Manter a linha da cordilheira sem o desmaio da planície. Segue-se o tal sarau, que mostrará o legado desta escritora. “Foi uma observadora atenta de documentários de escritores, algo que ela inclusive estudou”, disse o curador Paulo Werneck.

Outra das amigas e estudiosas da obra de Ana Cristina Cesar é a professora Heloisa Buarque de Hollanda, que vai estar na FLIP ao lado do escritor norte-americano Benjamin Moser, o biógrafo de Clarice Lispector, para falarem da relação entre as duas.

Na FLIP, já havia revelado o jornal O Globo, vai ser lançada também a fotobiografia Inconfissões, organizada por Eucanaã Ferraz a partir do acervo de documentos e fotos da escritora que se suicidou aos 31 anos, em 1983, e que está à guarda do Instituto Moreira Salles. Em Portugal Ana Cristina Cesar (Ana C.) foi publicada pelas Quasi Edições. E em 2013, no Brasil, a Companhia das Letras reeditou a sua obra completa no volume Poética.

A sessão de encerramento da festa, a 3 de Julho, intitulada Luvas de Pelica, contará com o poeta e investigador universitário Sérgio Alcides e com a escritora Vilma Arêas, que falarão da actualidade de Ana C. e farão o balanço crítico da sua obra.

O português Ricardo Araújo Pereira subirá ao palco na sessão anterior, às 12h desse domingo, com a escritora, argumentista e cronista da Folha de São Paulo Tati Bernardi, autora do livro Depois a Louca Sou Eu, e cuja inspiração desde criança é Woody Allen. Partilham a mesa intitulada Mixórdia de Temáticas.

Mas pelas 23 mesas literárias passarão 39 autores que debaterão temas que vão de poesia, humor, sexo, ciência, arquitectura, jornalismo, até à guerra da Síria ou à crise dos refugiados.

o poeta sírio Abud Said, o historiador britânico Kenneth Maxwell, o escritor holandês Arthur Japin e o escritor brasileiro João Paulo Cuenca (Descobri que Estava Morto) estão entre os convidados.

Os bilhetes serão postos à venda de 3 a 28 de Junho pela Internet, por telefone e nos pontos de venda da Tickets for fun. A partir desse dia só podem ser adquiridos nas bilheteiras em Paraty.

PROGRAMA COMPLETO

Quarta-Feira, 29 de Junho

Sessão de abertura ’Em Tecnicolor’, 19h

Armando Freitas Filho e Walter Carvalho

Manter a linha da cordilheira sem o desmaio da planície, 19h45

Walter Carvalho

Sarau, 21h45

Autores selecionados entre todas as programações da FLIP

Quinta-Feira, 30 de junho

Mesa 1 – A teus pés, 10h

Annita Costa Malufe

Laura Liuzzi

Marília Garcia

Mesa 2 – Cidades refletidas, 12h

Francesco Careri

Lúcia Leitão

Mesa 3 - Os olhos da rua, 15h

Caco Barcellos

Misha Glenny

Mesa 4 – Histórias naturais, 17h15

Álvaro Enrigue

Marcílio França Castro

Mesa 5 – Matéria cinzenta, 19h30

Henry Marsh

Suzana Herculano-Houzel

Mesa 6 – Na pior em Nova York e Edimburgo, 21h30

Bill Clegg

Irvine Welsh

Sexta-feira, 1 de Julho

Mesa 7 – Breviário do Brasil, 10h

Benjamin Moser

Kenneth Maxwell

Mesa 8 – A história da minha morte, 12h

João Paulo Cuenca

Valeria Luiselli

Mesa 9 – O show do eu, 15h

Christian Dunker

Paula Sibilia

Mesa 10 – Encontro com

Karl Ove Knausgård, 17h15

Mesa 11 – A confirmar, 19h30

Mesa 12 – Sexografias, 21h30

Gabriela Wiener

Juliana Frank

Sábado, 2 de Julho

Mesa 13 – Encontro com

Leonardo Froés, 10h

Mesa 14 – De Clarice a Ana C, 12h

Benjamin Moser

Heloisa Buarque de Hollanda

Mesa 15 – Encontro da arte com a ciência, 15h

Arthur Japin

Guto Lacaz

Mesa 16 – Encontro com

Svetlana Alexievitch, 17h15

Mesa 17 – O falcão e a fênix, 19h30

Helen Macdonald

Maria Esther Maciel

Mesa 18 – O palco é a página, 21h30

Kate Tempest

Ramon Nunes Mello

Domingo, 3 de Julho

Mesa 19 – Síria mon amour, 10h

Abud Said

Patrícia Campos Mello

Mesa 20 – Mixórdia de temáticas, 12h

Ricardo Araújo Pereira

Tati Bernardi

Mesa 21 – Sessão de encerramento: Luvas de pelica, 14h

Sérgio Alcides

Vilma Arêas

Mesa 22 – Livro de cabeceira, 16h