Pedro Marques fala em recorde de aprovação de candidaturas no Portugal 2020

No último concurso para investimentos de inovação produtiva houve 1200 empresas a apresentar candidaturas.

Foto
Houve 1200 empresas a submeter candidaturas para apoios à inovação produtiva Paulo Pimenta

O último concurso lançado no âmbito do Portugal2020 para a selecção de projectos de inovação “foi o maior desde sempre em propostas de investimento apresentado”. Segundo o ministro do Planeamento e das Infra-Estruturas, Pedro Marques, que esteve numa audição no Parlamento, no concurso que encerrou a 7 de Abril para selecção de investimentos de Inovação Produtiva houve 1200 empresas a submeter candidaturas. Estas candidaturas propõem um investimento de 2,1 mil milhões de euros e com os quais se prevê criar quase 14 mil postos de trabalho e 2,5 mil milhões de exportações. 

“Nunca tínhamos tido tanta procura ao sistema de incentivos de inovação. As empresas já compreenderam a dinâmica positiva dos pagamentos que agora está instalada e responderam com intenções de investimento”, afirmou o ministro. 

Este concurso terminado em Abril acabou mesmo por ser o concurso com maior dimensão de investimento desde sempre, cum uma dimensão que multiplica 1,5 vezes o valor do investimento médio por concurso registado no ciclo anterior, o QREN, referiu ao PÚBLICO uma fonte do gabinete do ministro. “A aceleração dos pagamentos induzida pelo Plano 100 e pela continuidade dos seus efeitos e, em paralelo, o desbloqueamento de decisões sobre novos incentivos nos últimos meses, fez com que o Portugal 2020 se afirmasse no terreno, ganhando credibilidade e confiança junto dos investidores privados”, referiu a mesma fonte.

No início do mês também já havia sido batido outro recorde, mas agora de candidaturas aprovadas.  Foi no âmbito de um concurso para inovação empresarial e empreendedorismo, que terminou com 444 projectos aprovados (sobretudo de pequenas e médias empresas) e que vão resultar num investimento total induzido de quase mil milhões de euros (a realizar essencialmente até ao final de 2016). Os incentivos a dar pelos fundos públicos ascendem aos 513 milhões de euros, com o objectivo de criar cerca de 5500 postos de trabalho e permitir um aumento das exportações das empresas envolvidas de cerca de 60%.

No sistema de apoios às empresas, contabilizou o gabinete do ministro, encontram-se aprovados 4807 projectos com um investimento elegível de 2,6 mil milhões de euros e um incentivo de 1,4 mil milhões de euros.

Durante a audição com os deputados, Pedro Marques referiu-se também à normalização dos pagamentos do Feder, pagando 19 milhões de euros que estavam em falta. E contabilizou em 250 milhões de euros os pagamentos que já efectuou às empresas no âmbito do Portugal 2020.  Recordando os 104 milhões de euros atingidos com a concretização do Plano 100 (em que o Governo se propôs a conseguir esse montante nos primeiros cem dias de governação), e o objectivo de atingir os 450 milhões de euros em pagamentos às empresas até ao final deste ano, Pedro Marques mostrou-se satisfeito com o ritmo que está a ser incutido ao programa. “Já conseguimos fazer pagamentos de 150 milhões para 1400 projectos. Estes resultados vão permitir-nos cumprir a meta dos 450 milhões este ano”, afirmou o ministro. Com Luísa Pinto