Quem é a mais jovem realizadora a receber um Urso de Ouro

Leonor Teles surpreendida com o Urso de Ouro para a Melhor Curta em Berlim. De volta a Portugal, tem projecto para um filme passado na sua terra, Vila Franca de Xira.

Fotogaleria
Leonor Teles na conferência de imprensa depois da atribuição do prémio em Berlim AFP / ODD ANDERSEN
Fotogaleria
Balada de um Batráquio
Fotogaleria
Balada de um Batráquio
Fotogaleria
Balada de um Batráquio
Fotogaleria
Balada de um Batráquio

O telefone toca três vezes e Leonor Teles atende. Está em Berlim, onde no sábado à noite recebeu o Urso de Ouro para a Melhor Curta Metragem, e, percebe-se, ainda está a refazer-se da onda que a engoliu desde então. Tem um avião para apanhar dali a vinte minutos, mas, sim, ainda tem tempo para conversar um bocadinho.

“Está tudo a acontecer demasiado rápido”, diz. “Ontem não era ninguém e hoje estou escarrapachada nos jornais”. Tem 23 anos, é a mais jovem realizadora de sempre a receber um Urso de Ouro e as pessoas que acompanharam o 66º Festival de Berlim estavam naturalmente curiosas em relação a esta rapariga, de etnia cigana por parte do pai, que fez um filme sobre sapos de louça e a xenofobia que existe em Portugal contra os ciganos.  

“O que senti ao longo do festival foi que as pessoas gostaram mesmo muito do filme”, conta. “Viam-me na rua e vinham falar comigo, sentia que estava a ser muito bem recebido. Mas o melhor foi ver as pessoas a rirem-se com o filme, a divertirem-se. É bom sentir isso”.

Em Portugal também já tinham dado por ela – enfim, não o grande público, mas aqueles que estavam atentos e que a descobriram em 2013 primeiro na Competição Nacional do IndieLisboa, onde foi distinguido com uma menção honrosa, e depois quando Leonor apresentou a sua primeira curta, Rhoma Acans, no festival de Vila do Conde, onde conquistou o prémio Take One!.

Já aí tinha querido falar de ciganos. “Era uma ideia que eu tinha há muito tempo”. Mas foi quando fez o curso na Escola Superior de Teatro e Cinema, na Amadora (entretanto já fez o mestrado em Audiovisuais e Multimédia da Escola Superior de Comunicação Social), que percebeu “que essas preocupações podiam encontrar conforto na forma de filme”. E que preocupações eram? “Como seria a minha vida se o meu pai não tivesse casado com a minha mãe, uma pessoa de fora da comunidade? Preocupações que tinham a ver com o facto de ser rapariga, de poder estudar.”

Estava no segundo ano da licenciatura quando foi procurar respostas junto de raparigas ciganas no Casal dos Estanques, Vialonga, e, em especial uma, Joaquina, de 15 anos, que já vivera um casamento que não funcionara. Apesar de não ter crescido no meio da comunidade cigana, Leonor manteve o contacto. “O meu pai, que já morreu, era cigano e senti-me sempre ligada porque toda a minha família do lado dele é cigana, a minha avó é cigana e eu não cresci afastada dela.”

A linguagem em Rhoma Acans era a do documentário, com entrevistas às raparigas. Balada de um Batráquio tem uma linguagem de cinema completamente diferente. “Não é uma coisa em que eu tenha pensado muito ou que controle. Aconteceu. Eu sigo o meu instinto”. O que quis fazer na curta, de onze minutos, com que venceu em Berlim, foi passar à acção.

O filme fala do hábito que existe em Portugal de colocar sapos de louça à porta dos estabelecimentos comerciais para manter os ciganos afastados. E começa com uma história tradicional cigana sobre o tempo “antes das pessoas existirem e governarem o mundo”.

Nesse tempo, “todas as coisas vivas podiam mover-se livremente”. Mas um dia houve uma grande festa, onde todos estavam felizes, até que chegou um sapo e todos começaram a fazer troça dele e a dizer-lhe como era horrendo. O animal inchou até explodir e desde esse dia os animais perderem a fala, as flores deixaram de se mover e os peixes passaram a só poder viver na água.

Balada de um Batráquio parte, por outro lado, de uma “frustração” que Leonor sente “em relação ao facto de nos filmes só se abordarem as questões e não se fazer nada em relação a elas”. Desta vez ela quis agir. “O filme baseia-se na ideia, talvez ingénua, de que a acção pode levar a uma mudança de atitude”, diz no texto de apresentação. “Queria fazer um filme enérgico, irónico e irreverente”.

E isso significou ir, com a sua equipa, para a rua, entrar nas lojas e partir os sapos de louça, atirando-os com toda a força para o chão. “Não queria só ilustrar o facto, queria que se fizesse alguma coisa contra isso. Dizer que isto pode ser uma resposta”. A nota que escreve sobre o filme sublinha que quis “surpreender os espectadores com o que eles sabem e o que pensam que sabem”. E conclui que “os sapos são sempre muito difíceis de engolir”.

Porque, em Portugal, “há xenofobia, claro que sim”. “Os ciganos são os últimos na cadeia alimentar. E vai continuar a ser assim, não vai mudar. A verdade é essa”. Mas as suas críticas vão para os dois lados: a comunidade cigana e o resto da sociedade. “Continua a haver muita discriminação. Não há esforço de ambas as partes. Ou melhor, há mas é residual”. E é preciso um esforço grande, defende.

“Os ciganos estão no espaço deles e gostam de estar. Mas isso tem que começar a mudar. Não se pode continuar a usar a desculpa de é cultural e que isso justifica tudo”. Para Leonor Teles “há coisas que não têm justificação, e de ambos os lados”. Coisas como os sapos nas montras “do lado da sociedade”, e do lado dos ciganos os casamentos de raparigas menores de idade, que são impedidas de estudar. “E depois, nos tribunais, os juízes não podem continuar a dizer que é uma questão de cultura”.

E ela, Leonor Teles, de repente catapultada para as primeiras páginas dos jornais por um filme que ela própria descreve como “parvo e tosco”, quer ter um papel numa eventual aproximação entre os ciganos a o resto da sociedade? “Eu não!”, responde, rápida. “Fiz o filme, o que há a fazer é as pessoas irem vê-lo e tirarem dele o que bem entenderem. Não me cabe a mim ter o papel de juiz.”

Está de regresso a Portugal e vai continuar a trabalhar. “Não trabalho só como realizadora, não dá. Tenho feito coisas para a televisão, pequenos anúncios, e trabalho em cinema em projectos de outras pessoas”. Mas tem já num novo projecto pessoal na cabeça, um filme feito na sua terra, Vila Franca de Xira. “Parte de um sítio e de uma personagem e da região do rio Tejo.” Desta vez nada a ver com ciganos. “Esse tema para já está encerrado”.