Estas uvas têm marca registada

Foto
Miguel Manso

Ricardo Costa tem o discurso preparado. As uvas do Vale da Rosa são bem conhecidas dos portugueses e a herdade de Ferreira do Alentejo onde são produzidas já recebeu inúmeras visitas de políticos. É um caso de sucesso na produção agrícola mas, mais do que isso, uma marca registada. “Oferecemos qualidade, consistência, sabor único. Tornamos o produto desejado, com uma roupagem. Somos uma empresa agrícola mas mais do que isso somos um importante dinamizador da economia local. Com 250 hectares damos emprego a 400 pessoas por mês, e no maior pico, este ano, tivemos 900 a trabalhar nas estufas”, conta.

Quase ninguém compra fruta pela marca, ou pelo produtor, mas as uvas do Vale da Rosa souberam posicionar-se no mercado e usar habilmente as técnicas de venda habitualmente associadas aos produtos de grande consumo para ficar na mente do consumidor. A produção anual ronda as seis mil toneladas, 35% exportadas para a Europa, Angola e China. O Brasil será o mercado a estrear em 2016, depois de desbloqueados os obstáculos fitossanitários. “Para exportamos a nossa visão, temos de estar na moda, ter as melhores práticas agro-ambientais e de responsabilidade social. O cliente brasileiro quer conhecer as nossas uvas, faz autorias exigentes”, continua Ricardo Costa. “Vendemos marca e lutamos muito para manter viva”, acrescenta.

O PÚBLICO viajou a convite da Portugal Fresh