Opinião

A memória afectuosa de Deus

A verdadeira vida e a morte dependem dos afectos. Fora deles, há apenas estatística.

1. A nós, os velhos, roubam-nos tudo: roubam-nos o passado e o futuro, a memória e a possibilidade de renovar o cartão de cidadão.

 É breve e para poucos a sobrevivência na memória afectuosa dos familiares e amigos. Chegamos tarde em relação ao passado e demasiado cedo em relação às maravilhosas promessas da ciência e da técnica.

Por outro lado, a louca persistência das guerras e os absurdos que as provocam, impondo a lei de matar, ser morto ou fugir, geram cepticismo acerca da possibilidade global de humanização da história [1].

A verdadeira vida e a morte dependem dos afectos. Fora deles, há apenas estatística.

Os mais idosos vão sofrendo a desertificação das relações de familiares e amigos. Mário Brochado Coelho, a propósito da morte de Nuno Teotónio Pereira e do desaparecimento de outros companheiros, manifestou aos amigos, de modo comovente, que embora tudo seja natural, ficamos com o sentimento de uma grande orfandade.

Há outras pessoas que alimentam o desejo de um Deus de memória afectuosa, transfiguradora e universal, para si e para os outros, um coração que as acolha.

2. Em relação ao Nuno Teotónio Pereira, muitas coisas foram ditas e escritas, quer sobre a sua sólida e premiada obra arquitectónica, quer sobre a sua evolução política e religiosa: de uma família monárquica e salazarista para militante da transformação da Igreja na linha de João XXIII e do Vaticano II, da luta contra guerra colonial, das metamorfoses políticas radicais até à entrada no PS.

Cada uma dessas fases e faces deixou imagens diferentes naqueles que com ele conviveram. No entanto, o próprio se explicou longamente sobre os tempos e acontecimentos que viveu. Quem voltar a ler as suas crónicas no Público[2], a última entrevista a José Pedro Castanheira, publicada no Expresso [3] e o testemunho ditado para o Encontro do ISTA e do NAM [4], pode formar uma opinião mais abrangente, não apenas acerca dele, como da sua primeira mulher, a extraordinária Maria Natália Duarte Silva.

É conhecido que ambos, nos anos 60, me associaram à criação do Direito à Informação, à Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos, à Iniciativa dos Terceiros Sábados e ao trabalho de encontrar esconderijos para clandestinos.

O Nuno ajudou-me também a encontrar, em Portugal, a pista das pessoas precursoras do Vaticano II, algumas das quais marcaram a sua mudança de rumo e as expressões militantes do seu profundo catolicismo.

Tentei, quando ainda não havia quase nada estudado a esse respeito, apresentar um esboço nas Artes de ser católico português [5]. Desde a Voz de Santo António (1895-1910) até D. António Ferreira Gomes, passando pelos irmãos Alves Correia (Manuel e Joaquim), pelo Movimento e edições Metanoia, dos anos 40-50, pelo Padre Abel Varzim e pela aceleração dos anos 50, em vários ramos da Acção Católica, podem-se encontrar tentativas, obras e correntes que foram reconhecidas no Vaticano II e abafadas pela hierarquia portuguesa, com raras excepções.

3. Ao reler o seu itinerário espiritual, deparei com uma crónica do Público, de 1995, onde reflecte sobre a Igreja Católica e o Partido Comunista, seus problemas actuais e seu futuro [6]. (…) “O Bem da Igreja”, que tantas vezes ouvi invocar contra a liberdade das pessoas e contra os preceitos evangélicos e o “Bem do Partido”, que espezinhou direitos humanos, têm de ser banidos numa e noutra instituição.

“ (…) Pode ser que seja necessário passarem uma ou duas gerações para que isto aconteça: são acontecimentos para o próximo século. Mas talvez suceda que a mensagem evangélica, por um lado, e a crença numa sociedade mais justa e solidária, por outro, sejam dois fachos que não se apaguem na marcha da Humanidade e que poderão até ser convergentes, com surpresa para muitos. (…) É preciso que qualquer coisa renasça ou nasça de novo para nos devolver a esperança”.

O texto do Papa Francisco, sobre a “Igreja de saída”, que transcrevi no passado domingo e apresentei no funeral de Nuno Teotónio Pereira, parece-me o começo de realização desta esperança.

José Pedro Castanheira, na última entrevista, perguntou-lhe: deixou de ser crente? “A certa altura, sim, muito por causa do episódio da morte da minha mulher. Não foi imediato, mas ficou sempre uma ferida. Depois meti-me na política e acabei por chegar à conclusão que o sobrenatural não me dizia nada. Mas, olhando para toda a minha vida e para a minha formação, acho que sou católico, ainda que não praticante. Sou crente”.

Santa coerência.

[1] Cf. António Lobo Antunes, Para a semana estou cá, in Visão, 21. Janeiro. 2016, p. 8-9.

[2] Nuno Teotónio Pereira, Tempos, Lugares, Pessoas, Público, 1996. As crónicas vão de 20.6.1993 a 21.11.1995.

[3] Fevereiro de 2015 e republicada a 20 de Janeiro 2016 em on-line.

[4] ISTA (Instituto S. Tomás de Aquino) e NAM (Movimento “Não Apaguem a Memória”), Cadernos ISTA, nº 28 – 2014, p. 59-60.

[5] Frei Bento Domingues, O.P., Artes de ser católico português, in A Religião dos Portugueses, Figueirinhas, Porto/Lisboa 1988, pp. 81-122.

[6] Nuno Teotónio Pereira, Tempos, Lugares, Pessoas, Público, 1996, pp.80-82