Pelo menos 129 mortos na noite em que o terror voltou a Paris

Vários ataques coordenados na capital francesa no maior atentado da última década na Europa. Só na histórica sala de concertos Le Bataclan há cerca de 100 mortos confirmados. Todos os oito atacantes foram mortos. França fecha fronteiras e declara o estado de emergência.

Fotogaleria
AFP PHOTO / DAMIEN MEYER
Fotogaleria
AFP PHOTO / DOMINIQUE FAGET
Fotogaleria
AFP PHOTO / KENZO TRIBOUILLARD
Fotogaleria
AFP PHOTO / KENZO TRIBOUILLARD
Fotogaleria
REUTERS / Christian Hartmann
Fotogaleria
REUTERS / Christian Hartmann
Fotogaleria
AFP PHOTO / KENZO TRIBOUILLARD
Fotogaleria
REUTERS / Christian Hartmann
Fotogaleria
AFP PHOTO / FRANCK FIFE
Fotogaleria
REUTERS / Christian Hartmann
Fotogaleria
AFP PHOTO / FRANCK FIFE
Fotogaleria
REUTERS / Christian Hartmann
Fotogaleria
AFP PHOTO /KENZO TRIBOUILLARD
Fotogaleria
REUTERS / Christian Hartmann
Fotogaleria
AFP PHOTO / DOMINIQUE FAGET
Fotogaleria
AFP PHOTO / FRANCK FIFE
Fotogaleria
AFP PHOTO/ JIM WATSON
Fotogaleria
REUTERS / Carlo Allegri
Fotogaleria
REUTERS/Kevin Lamarque
Fotogaleria
REUTERS/Philippe Wojazer
Fotogaleria
REUTERS/Christian Hartmann
Fotogaleria
AFP/MIGUEL MEDINA
Fotogaleria
AFP/FRANCK FIFE TOPSHOTS
Fotogaleria
AFP/FRANCOIS GUILLOT
Fotogaleria
AFP/CHRISTELLE ALIX
Fotogaleria
AFP/FLORIAN DAVID

Pelo menos 129 pessoas morreram esta sexta-feira na sequência de uma série de atentados lançados em Paris, à porta de cafés, restaurantes e no Le Bataclan, conhecida sala de espectáculos da capital francesa onde no momento do ataque decorria um concerto e onde várias centenas de pessoas foram feitas reféns.

Depois do assalto policial ao Bataclan, lançado perto das 23h30, fontes policiais avançaram com o número de cerca de entre os 70 e os 100 mortos só nesse local, onde três atacantes se terão feito explodir depois de dispararem contra a multidão. Ao todo foram mortos oito terroristas envolvidos nos vários ataques e a polícia procura agora eventuais cúmplices que possam ter ajudado nos atentados.

A Presidência francesa decretou o estado de emergência, reinstaurou o controlo das fronteiras e anunciou a mobilização de 1500 soldados para a região de Paris. Por seu lado, a polícia aconselhou os habitantes da capital a não saírem à rua, enquanto muitas pessoas disponibilizavam as suas casas para receber os que andavam na rua e não tinham forma de regressar aos locais onde habitam.

Hollande: “Seremos implacáveis”
O Presidente François Hollande dirigiu-se ao início da madrugada para o Bataclan, onde declarou: “Seremos implacáveis neste combate.”

Os ataques, que terão decorrido em simultâneo, exibiram o mesmo padrão: um ou mais homens, de cara destapada, saíram de viaturas que pararam à porta do restaurante “Le Belle Equipe”, na Rue de Charonne (próximo do canal Saint Martin), no 11.º bairro; do restaurante “Petit Cambodge” e bar “Le Carillon”; e junto à conhecida sala de espectáculos Le Bataclan, no Boulevard Voltaire, no 10.º bairro, e abriram fogo.

Testemunhas citadas pelos jornais franceses davam conta da aleatoriedade e violência dos atentados, que atingiram pelo menos seis pontos distintos da capital francesa, dizendo que os atiradores disparavam para o ar ou varriam o espaço com tiros de metralhadora. Nalguns casos a barragem de fogo durou cinco minutos. Na sala de espectáculos, mais de uma centena de pessoas que assistiam a um concerto da banda rock norte-americana Eagles of Death Metal foram feitas refém.

PÚBLICO -
Foto

Ao mesmo tempo, num dos sectores do Stade de France, onde decorria um jogo de preparação entre as selecções nacionais de futebol de França e da Alemanha, foram ouvidas três explosões 25 minutos depois do início da partida, que provocaram três mortos — um deles seria o bombista. A confirmar-se esta informação, será a primeira vez que acontece um atentado suicida em França. François Hollande, que assistia ao jogo, foi imediatamente transportado do local, que sob intensa vigilância policial foi mais tarde evacuado sem mais incidentes.

Além dos cerca de 129 mortos, as autoridades estimam em perto de 200 o total de feridos, 99 dos quais permaneciam em estado grave às primeiras horas da madrugada deste sábado.

Ataques por reivindicar
Hollande reuniu um gabinete de crise no Ministério do Interior e juntou todo o Governo num Conselho de Ministros extraordinário, cancelando uma viagem à Turquia para o G20 e convocando uma reunião do Conselho de Defesa para sábado de manhã. Numa curta declaração, ainda antes de se deslocar ao Bataclan, o Presidente pediu calma à população de Paris e garantiu que foram accionados todos os meios para garantir a segurança.

Descrevendo a situação como “um horror”, o Presidente voltou a pedir aos franceses “compaixão, solidariedade e união”. “Face ao terror, a França deve ser forte e deve ser grande. Estes terroristas querem assustar-nos, mas vamos enfrentar o medo e mostrar que a nação sabe defender-se”, afirmou.

Os ataques, que aconteceram em simultâneo, não foram reivindicados — e as autoridades francesas não fizeram qualquer declaração durante a noite sobre a sua possível autoria. A cidade de Paris foi palco de violentos ataques em Janeiro, quando militantes islamistas atingiram o jornal satírico Charlie Hebdo, e um supermercado judaico, fazendo 17 mortos. De então para cá, já se registaram outros incidentes, o mais recente dos quais a 21 de Agosto a bordo do comboio rápido Thalys, que viajava entre Bruxelas e Paris.

Os relatos de testemunhas nos jornais franceses sugeriam uma ligação islamista para os atentados desta sexta-feira, dizendo que os atiradores gritaram “Allah akbar” (Deus é grande, em árabe) enquanto disparavam. Nas zonas dos ataques, vários moradores abriram as portas das suas casas para abrigar turistas e clientes de restaurantes e bares que ficaram perdidos nas ruas, depois de a circulação dos transportes públicos ter sido suspensa, e ofereceram apoio ao pessoal de emergência e forças de polícia.

O cenário no movimentado centro de Paris era “apocalíptico” para uma sexta-feira à noite, descreviam os jornais. Perante as luzes das ambulâncias e carros da polícia, tentava fazer-se a triagem dos feridos na rua, e dar assistência a centenas de pessoas em choque.

“Começámos a ouvir o barulho de tiros, era um ruído interminável, como se fosse fogo-de-artifício”, contou Pierre Montfort, um morador vizinho do bar “Le Carillon”, à AFP. “Havia sangue por todo o lado. Vi muita gente deitada ensanguentada, não sei se estavam feridos, se estavam mortos”, descreveu um dos clientes do restaurante “Petit Cambojan” em frente.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, manifestou a sua solidariedade com a França e, tal como o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse sentir-se “profundamente chocada com as imagens que chegam de Paris”. Pelo seu lado, o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que “o ataque em Paris é um ataque contra toda a humanidade e os nossos valores universais”. Numa breve declaração na Casa Branca, Obama disse que os EUA estavam preparados para auxiliar as autoridades francesas “no que for preciso para levar os terroristas à justiça”.