Eslovénia abre fronteira aos refugiados a contar que a Alemanha os receba

Hungria fechou a sua fronteira com a Croácia, empurrando fluxo para oeste. Na Alemanha, candidata da CDU às eleições em Colónia esfaqueada por homem que disse ter agido por "ódio aos estrangeiros".

Foto
Uma família de refugiados à chegada, neste sábado, à Eslovénia Antonio Broni/Reuters

Uma porta fecha-se, uma outra é forçada a abrir-se. Logo depois de a Hungria ter encerrado a sua fronteira com a Croácia, os primeiros refugiados começaram a ser encaminhados para a Eslovénia que, numa questão de horas, os transportou até à Áustria. Ljubljana e Zagreb asseguram que não vão colocar obstáculos a este fluxo, mas só enquanto a Alemanha e a Áustria continuarem a aceitar os milhares que fogem da guerra.

O dia ainda não ia a meio e já 600 – na maioria sírios, iraquianos e afegãos – tinham chegado a Petisovci, o posto fronteiriço entre a Eslovénia e a Croácia que fica mais próximo do território húngaro. Uma grande tenda foi erguida no local para registar os recém-chegados que, depois de revistados e identificados, foram levados de autocarro para a fronteira austríaca, onde poderiam optar por passar a noite num centro de acolhimento ou seguir viagem.

Nas últimas semanas, entre cinco a oito mil pessoas entravam todo os dias na Hungria vindas da Croácia, mas Budapeste decidiu cumprir a ameaça de encerramento depois de a cimeira europeia de quinta-feira ter ignorado a sua proposta de criação de uma força comum para proteger as fronteiras externas da Grécia.

Passava pouco da meia-noite quando as forças de segurança húngaras fecharam as últimas aberturas na vedação de arame farpado erguida em redor de Zakany, zona rural transformada em principal ponto de passagem para milhares de refugiados desde que, há um mês, a Hungria fechou a sua fronteira com a Sérvia. Já neste sábado, o ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, Peter Szijjarto, anunciou que o país decidiu também repor o controlo de documentos na fronteira com a Eslovénia, suspendendo temporariamente os acordos de livre circulação de Schengen.

Fechada definitivamente a rota húngara, a Eslovénia é o país que se segue na caminhada dos refugiados em direcção ao sonho alemão. Em Setembro, a sua primeira reacção foi enviar soldados para a fronteira, só deixando passar 3500 pessoas. Agora, diz ter capacidade para garantir o trânsito de 8000 pessoas por dia, desde que aceitem ser identificadas, e assegura que não encerrará a fronteira enquanto Berlim e Viena mantiverem a sua política de portas abertas.

Para gerir tão grande fluxo, Ljubljana decidiu suspender a circulação de comboios com a Croácia e deu ordens ao Exército para apoiar a polícia na identificação e encaminhamento dos refugiados. Do outro lado da fronteira, também a Áustria fez os seus preparativos, enviando reforços policiais e tendas aquecidas para Spielfeld, principal posto de passagem com a Eslovénia, onde na tarde deste sábado chegaram os primeiros refugiados.

“Estas pessoas estão a arriscar as suas vidas, ninguém pode travar este fluxo… a menos que esteja disposto a disparar”, alertou o ministro do Interior croata, Ranko Ostojic, no mesmo dia em que 12 refugiados, incluindo quatro crianças e um bebé, morreram num naufrágio no mar ao largo da Turquia.  

Berlim não recebeu ainda os 800 mil refugiados que prevê chegarem neste ano, mas a pressão acumula-se em redor da chanceler alemã, Angela Merkel, que neste domingo visita a Turquia para tentar convencer Ancara a aceitar contrapartidas para estancar a fuga de sírios, afegãos e iraquianos em direcção à Europa. Neste sábado, no que poderá ter sido o pior incidente racista desde o início da crise dos refugiados, a candidata apoiada pelo seu partido à câmara de Colónia foi esfaqueada durante uma acção de campanha. Henriette Reker era até agora a responsável pelo acolhimento dos refugiados na cidade e o homem que a atacou, um alemão de 44 anos, desempregado, confessou à polícia ter agido "por ódio aos estrangeiros".