Verão termina com total de área ardida abaixo da média dos últimos dez anos

Desde o início do ano foram registados 15.505 incêndios. Valores são superiores a 2014, mas Autoridade Nacional de Protecção Civil destaca a "severidade meteorológica" de 2015.

Foto
Desde a meia-noite que deflagraram 26 incêndios, um continua em curso Adriano Miranda

José Manuel Moura, que falava durante uma conferência de imprensa de balanço da fase Charlie do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais, que começou a 1 de Julho e que terminou a 30 de Setembro, informou que desde o início do ano foram registados 15.505 incêndios, quando em 2014 tinham sido 6646. Já a média dos últimos dez anos ficou-se nos 18.322. Quanto a área ardida, em 2015 as chamas consumiram quase 61 mil hectares, quando no ano passado o valor tinha ficado em 19.521. A média dos últimos dez anos é de 96.705 hectares.

“O número de ignições é de 16% abaixo da média do decénio e 79% das ignições têm uma área ardida inferior a um hectare”, reforçou o responsável, apelidando de “intelectualmente desonestas” as comparações apenas com 2014, já que aquele foi “o melhor ano de sempre desde que há registo de incêndios”. O comandante Operacional Nacional da ANPC destacou, também, que 56% dos incêndios aconteceram durante a fase Charlie, a mais crítica para o dispositivo de combate a incêndios e que ocupa os meses de Julho, Agosto e Setembro.

Destes incêndios, 23% aconteceram em Agosto, mas só cinco deles tiveram uma duração superior a 24 horas e quase todos aconteceram entre 7 e 10 de Agosto: Terras de Bouro, Vila Nova de Cerveira, Monção, Gouveia e Sabugal. José Manuel Moura insistiu que também a área ardida registada até 30 de Setembro ficou “36% abaixo da média do decénio”. “Temos um decréscimo muito significativo. Só Beja, Guarda e Viana do Castelo registaram valores de área ardida acima da média do decénio”, acrescentou.

Quanto a número de incêndios, Castelo Branco, Portalegre, Santarém e Setúbal tiveram valores ligeiramente superiores ao normal. Mesmo assim, dos dez concelhos com mais fogos, há seis que fazem parte do distrito do Porto (Penafiel, Paredes, Gondomar, Amarante, Felgueiras e Vila Nova de Gaia). Os outros ficam em Montalegre (Vila Real), Cinfães (Viseu), Arcos de Valdevez (Viana do Castelo) e Guimarães (Braga).

O responsável da ANPC reforçou, depois, que os resultados foram registados quando “Julho e Agosto tiveram uma severidade meteorológica muito significativa, sendo certo que Setembro veio aligeirar a severidade”, sublinhando também a existência de duas ondas de calor em Junho e de uma onda de calor em Julho. José Manuel Moura reiterou que as condições registadas foram piores das sentidas em anos críticos, como 2005, 2010 e 2013.

“Cerca de 74% do território estava em situação de seca meteorológica severa ou extrema no final de Agosto (…) Em termos de severidade meteorológica este é o pior ano dos últimos 16 anos”, afirmou o comandante operacional. O índice de severidade, porém, só pede a secura – um dos ingredientes necessários para os incêndios. Neste ano foram poucas as vezes que se juntaram temperaturas altas com humidade baixa e ventos de leste fortes.

Num balanço total, quase 60% dos incêndios e 70% da área ardida foram registados durante o Verão, isto apesar de a fase Charlie ter contado com menos 28% de incêndios e menos 50% de área ardida do que a média dos últimos dez anos. Pelo contrário, na fase Alfa foram registados mais 6% de incêndios e mais 48% de área ardida e na fase Bravo o número de fogos subiu 11% e a área ardida 66%. Perante estes valores, José Manuel Moura atribui os “bons resultados” registados ao trabalho do dispositivo no terreno. O comandante lembrou que em 2014 tinham redesenhado o combate a incêndios e considerou que a verdadeira prova foi feita este ano.

Questionado sobre as alterações feitas, o responsável da ANPC explicou que conseguiram reduzir o tempo de resposta da primeira intervenção e que também anteciparam a utilização de meios aéreos de 90 minutos para menos de 30 minutos, depois de terem percebido que nos incêndios de maiores dimensões essa janela de tempo era fulcral.