Alunos do 10.º ano sem Mandarim por atraso na chegada de professores chineses

O MEC não revela quantas escolas e quantos alunos estão envolvidos no projecto-piloto que vai levar o Mandarim a alunos do ensino secundário. Em Julho, sabia-se que 23 escolas eram candidatas a oferecer a opção.

Ideia do programa é utilizar o estudo da gestão como veículo para aprendizagem da língua portuguesa
Foto
O projecto-piloto do ensino de Mandarim conta com a colaboração do Hanban - Instituto Confúcio da República Popular da China, ao qual cabe indicar os docentes Adriano Miranda

Duas semanas depois do início das aulas, que na maior parte das escolas ocorreu a 21 de Setembro, ainda não chegaram a Portugal todos os professores chineses, pagos pelo Governo da República Popular da China, que vão ensinar Mandarim a, previsivelmente, centenas de alunos do 10.º ano. A notícia foi confirmada ao PÚBLICO pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC), segundo o qual o problema se deve “a um atraso na emissão de documentos chineses necessários para a emissão de visto pelas autoridades portuguesas”.

“Já há aulas a decorrer. Em algumas escolas as aulas iniciam-se na próxima semana devido a uma demora na chegada dos docentes”, respondeu nesta sexta-feira o MEC, através do gabinete de imprensa, depois de questionado pelo PÚBLICO sobre o assunto. Escusou-se, contudo, a indicar quantos professores chineses são esperados e quantos já estão em Portugal; e também a esclarecer se na próxima semana todas as escolas participantes no projecto-piloto terão professores.

O MEC também não revelou informações que o PÚBLICO está a pedir desde Agosto, nomeadamente o número de escolas, de turmas e de alunos envolvidos. 

Neste momento, apenas são públicos os dados de Julho, quando o MEC  revelou que havia 23 escolas interessadas e pré-seleccionadas. O número final ficou dependente do número de alunos matriculados que escolheram aquela disciplina de opção, já que o diploma legal sobre aquela oferta educativa determina que as turmas têm de ter pelo menos 20 estudantes.

O projecto-piloto do ensino de Mandarim conta com a colaboração do Hanban - Instituto Confúcio da República Popular da China (ICRPC), ao qual cabe indicar os docentes. O protocolo que estabeleceu estes e outros termos da cooperação foi celebrado numa altura em que em vários outros países ocidentais havia, já, universidades e autoridades regionais da educação a cancelar acordos com aquele organismo, por considerarem que a sua presença podia “ameaçar a liberdade académica e promover a vigilância de estudantes chineses no estrangeiro”, segundo o resumo feito pela agência Reuters a propósito das razões da decisão.

Responsáveis da Universidade de Estocolmo, uma das que cancelaram protocolos, justificaram que, de uma forma geral, consideram que "ter institutos que são financiados por outros países no seio da universidade é uma prática questionável”.

A decisão da Universidade de Estocolmo seguiu-se a várias críticas nos meios de comunicação social suecos sobre a permanência do Confúcio no seio da instituição, na sequência de incidentes ocorridos numa conferência que decorreu em Portugal, promovida pela Associação Europeia de Estudos Chineses (EACS, na sigla em inglês) em Julho de 2014 e que ficou marcada por um acto aberto de censura por parte de responsáveis chineses, segundo a denúncia então feita pelo presidente da associação, o sueco Roger Greatrex.

Aquela conferência, organizada pelas universidades de Coimbra e do Minho tinha o Hanban como um dos financiadores e contou com a presença da sua presidente e vice-ministra chinesa, Xu Lin, que participou nas sessões promovidas em Braga. Quando aquela se apercebeu, por causa de um anúncio no programa da conferência, que outras das entidades patrocinadoras era a Fundação Chiang Ching-kuo, de Taiwan (a ilha onde se refugiou o antigo governo chinês após a tomada do poder pelo Partido Comunista, em 1949), Xu Lin mandou primeiro retirar todos os exemplares do documento que ainda não tinham sido distribuídos. Depois aceitou que fossem de novo redistribuídos, mas já sem as páginas onde havia referências a Taiwan.

Em Julho, o PÚBLICO questionou o MEC sobre o estabelecimento do protocolo depois do que sucedeu em Braga e numa altura em que as práticas do Hanban no exterior estavam a ser questionadas em vários países. O ministério respondeu que "a implementação do projecto seria acompanhada e monitorizada por um grupo de trabalho” ao qual caberá “elaborar um relatório sobre o seu funcionamento” e que os docentes chineses que irão ensinar Mandarim nas escolas portuguesas serão “acompanhados por um professor em sala de aula para supervisão e orientação do trabalho”.