Presidência considerou "conveniente" marcar abertura do ano judicial para depois de eleições

Nova data será anunciada em breve.

Foto
No protesto, Cavaco Silva foi acusado de ser "cúmplice deste Governo” Foto: Enric Vives-Rubio/arquivo

O esclarecimento enviado à Lusa sublinha que a reforma do sistema judiciário determinou que o ano judicial tenha início a 1 de Setembro e que “a cerimónia de abertura solene do ano judicial não tem uma data estabelecida por lei”.

“Cabendo ao Presidente da República marcar a data da abertura solene e perante a proximidade da campanha para as eleições da Assembleia da República, foi considerado conveniente marcar a cerimónia para uma data imediatamente subsequente à realização do ato eleitoral. Essa data será anunciada em breve”, refere a nota.

Este esclarecimento de Belém surge depois de o chefe de gabinete do presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), o juiz desembargador Luís Lameiras, ter dito à Lusa que a cerimónia de abertura do ano judicial, que estaria prevista para dia 16, tinha sido adiada para "data a designar" por motivos de agenda do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

"Por motivos de agenda do Presidente da República, a cerimónia de abertura do ano judicial, prevista para o próximo dia 16 de Setembro, irá ser transferida para uma nova data, a designar", referiu a fonte do STJ.