Startup sul-coreana cria smartwatch para cegos

Chama-se Dot e transforma textos online em caracteres de Braille. Chega aos EUA e Canadá em Dezembro por menos de 270 euros.

Foto
Dentro de quatro meses, o Dot começa a ser comercializado primeiro nos EUA e no Canadá Dot Incorporation

Chama-se Dot e é uma mistura visual de um Apple Watch e de uma pulseira de leitura de actividade física, o smartwatch, ainda que diferente dos que têm sido lançadas por marcas como a Apple, Motorola ou a Swatch. Neste aparelho não há o clássico ecrã com ícones mas uma superfície com pequenos orifícios por onde surgem pins minúsculos que formam frases em Braille.

Num mercado que continua a apresentar novidades, e que pode chegar a vendas de milhões de unidades, como foi o caso do iWatch da Apple logo no início do lançamento, o Dot pretende preencher um espaço vazio quanto a produtos digitais destinados a pessoas com deficiências visuais.

Se tivermos em conta que só a Bíblia em Braille está disponível em 40 volumes, e que apenas cerca de 1% da literatura foi traduzida para esta linguagem, a leitura para uma pessoa cega pode tornar-se difícil devido ao espaço necessário para ter obras, à limitação da oferta de livros em Braille e ao custo dos mesmos.

Com um valor de mercado inferior a 300 dólares (273 euros) e com chegada prevista ao consumidor em Dezembro, o Dot tem quatro pequenas células, cada uma com seis pins activos, com capacidade para aparecerem quatro caracteres em Braille de uma vez. O relógio pode ser acertado para mudar os caracteres a várias velocidades e tem uma autonomia de dez horas até que a bateria tenha que ser recarregada.

Como a startup Dot Incorporation explicou ao site Tech in Asia, o aparelho é feito com base na tecnologia háptica, ou seja táctil, que providencia feedback ou informação em tempo real através do toque. Através de uma ligação por Bluetooth, o Dot consegue ir buscar texto a aplicações móveis como o iMessage através de comandos de voz. O relógio consegue ler qualquer texto seja de um ebook ou de um site e as palavras aparecem através dos pequenos pins que sobem e descem à velocidade determinada pelo utilizador.

“Até agora, quando recebíamos uma mensagem em iOS da nossa namorada, por exemplo, tínhamos que ouvir a Siri [assistente pessoal da Apple] a ler naquela voz, o que é impessoal”, afirmou ao Tech in Asia o presidente executivo da sul-coreana Dot Incorporation, Eric Ju Yoon Kim, sublinhando que com este relógio inteligente os utilizadores podem ler textos à sua maneira e velocidade. “Não preferias ler por ti próprio e ouvir a voz da tua namorada a dizê-lo na tua cabeça?”, questionou Kim.

O próximo passo da equipa é instalar a mesma tecnologia em espaços públicos, com informação em tempo real, como caixas multibanco, que podem dizer o saldo bancário, estações de comboios para se ter acesso por voz aos horários e preçários, informações inacessíveis a pessoas com limitações visuais.

Dentro de quatro meses, o Dot começa a ser comercializado primeiro nos Estados Unidos e no Canadá e depois noutros países ainda sem data definida. Dez mil unidades serão inicialmente colocadas no mercado em Dezembro.