O novo Lloyd Cole electrónico, Vashti Bunyan e muito teatro na rentrée do Maria Matos

Destaques de Setembro e Outubro incluem uma extensa retrospectiva do Projecto Teatral e a visita dos Rimini Protokoll.

Foto
Uma das mais singulares experiências artísticas nacionais, o Projecto Teatral estará em retrospectiva de 22 de Outubro a 23 de Dezembro DR

Há meses que se sabia que o novo Lloyd Cole electrónico, com concertos marcados em Braga e Lisboa, será um dos destaques da rentrée: facto inédito, o músico dos Commotions atira-se para os palcos sem guitarra e apresenta-se a 16 de Setembro no GNRation com dois músicos dos Mão Morta, Miguel Pedro e António Rafael, e seis dias depois no Teatro Maria Matos, com André Gonçalves, Nuno Moita e Luís Desirat, convidados a comporem a "nuvem electrónica" de que quer fazer rodear-se nesta nova encarnação, acompanhando o lançamento de 1D, o seu affair com sintetizadores modulares. Mas já há mais novidades sobre os meses de Setembro e Outubro no Maria Matos, que incluirão o regresso dos Rimini Protokoll e uma retrospectiva do Projecto Teatral.

Depois de um Verão Quente para o euro e para a União Europeia, o teatro municipal lisboeta fará a sua própria reflexão sobre uma das questões mais fracturantes do momento com o ciclo Europa Improvável. É aí que o colectivo alemão Rimini Protokoll se encaixará, com um espectáculo ao domicílio, Europa em Casa, que se apresentará de 2 a 18 de Outubro em 34 casas e/ou apartamentos de Lisboa – o processo, que se repete de cidade europeia em cidade europeia, pretende criar uma espécie de rede invisível ligando os cidadãos do continente e os seus espaços domésticos, para além do fracasso dos mecanismos de integração institucionais. Ainda neste ciclo, a artista croata Vlatka Horvat reunirá, em 15th Extraordinary Congress (10 de Outubro), sete mulheres nascidas na Jugoslávia socialista e actualmente residentes em Portugal que, juntas, tentarão compor uma história colectiva de um país que já não existe; também o espanhol Pablo Fidalgo Lareo trará a Lisboa dois espectáculos sobre um dos fenómenos mais marcantes do século XX europeu, a Guerra Civil de Espanha: Haverás de ir à guerra que começa hoje (7 a 10 de Outubro) Estado Selvagem (11 de Outubro). Ainda no teatro, haverá nenhuma entrada entremextensa retrospectiva (14 peças, de 22 de Outubro a 23 de Dezembro) do Projecto Teatral, uma das mais singulares (e inclassificáveis) experiências artísticas nacionais; e a nova criação da Truta, o clássico Uma Mulher Sem Importância, de Oscar Wilde, em encenação de Joaquim Horta (10 a 19 de Setembro).

Na música, e além do novo Lloyd Cole electrónico, o Maria Matos agendou para o Outono a despedida de uma das últimas gurus da folk, Vashti Bunyan, que a 30 de Outubro mostrará em Lisboa o seu último disco de sempre, Heartleap, e o Motion Trio de Rodrigo Amado dispõe-se a escrever mais um capítulo da história da música improvisada portuguesa com o convidado que se segue a Peter Evans, o pianista e compositor norte-americano Matthew Shipp (1 de Outubro).