O rapaz que sabia de mais

Francisco Tuna de Andrade ganhou todas as Olimpíadas Portuguesas de Matemática em que participou. Foram cinco medalhas de ouro consecutivas. Mas não pôde usar todo o seu conhecimento para responder ao exame nacional de Matemática.

À entrada do exame de Matemática do ensino secundário havia alunos com vários receios: os que não se dão bem com geometria, outros com pouco à vontade com probabilidades e ainda aqueles que têm dificuldades em compreender trigonometria. A apreensão de Francisco Tuna de Andrade era diferente de todas estas: tinha medo de saber demasiado.

Os critérios de correcção da prova nacional impedem-no de utilizar teoremas matemáticos mais avançados do que aqueles que constam do programa do 12.º ano da disciplina. Depois de, nos últimos cinco anos, ter ganho sempre as Olimpíadas Portuguesas de Matemática, este estudante de Matosinhos não pôde utilizar no exame o conhecimento que lhe deu esses triunfos.

“Às vezes, sinto-me como se estivesse a dar um passo atrás”, conta Francisco. Tem 17 anos e venceu todas as Olimpíadas de Matemática a que concorreu, desde os 12. Nestes cinco anos, aprendeu muito sobre a disciplina, não só no seu treino individual, como na preparação específica que tem recebido para as provas internacionais, ao abrigo do projecto Delfos, do Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra. Juntamente com outros alunos com bons resultados nas competições nacionais, vai com frequência a Coimbra para as sessões de preparação para as provas internacionais, onde são introduzidos os temas e conteúdos frequentes e preparadas as melhores formas de responder aos problemas.

Francisco tem, por isso, conhecimentos sobre várias matérias que, à partida, só devia aprender na universidade. “Eu fui habituado a resolver os problemas de uma certa maneira e agora tive de os resolver de outro modo”, explica. Além disso, as competições também lhe dão a possibilidade de recorrer à criatividade para resolver os problemas: “Desde que esteja matematicamente correcto, temos liberdade total”. Nos exames, está confinado a critérios mais apertados, alinhados com o programa da disciplina. O seu principal receio antes do exame nacional desta terça-feira era mesmo adaptar os conhecimentos às regras definidas.

Pelo contrário, a matéria da prova não lhe causava grandes problemas. É aluno de 20 valores a Matemática e, durante o ano lectivo, “não é costume estudar para a disciplina”. “Às vezes vejo uma coisa ou outra na véspera do teste, mas é bastante mais fácil do que a Matemática das Olimpíadas”, diz ao PÚBLICO. Mas a falta de estudo não significa falta de trabalho. Pelo contrário. Francisco Tuna de Andrade defende que, como em outra qualquer competição, o segredo para se ser um craque dos números são os treinos frequentes.

Futebol e jogos de computador

 

Francisco tem os hobbies comuns para a idade. Gosta de futebol, em especial de ver os jogos do FC Porto, pratica desporto e joga computador. Mas nos seus tempos livres também há muitas horas dedicadas à Matemática. “Trabalho todos os dias, talvez três ou quatro horas por dia”. Diariamente, procura online problemas a cuja resolução se dedica, sobretudo exemplos de anteriores edições das Olimpíadas Internacionais. “É extremamente trabalhoso”, confessa, “mas é como em tudo na vida, se queremos alcançar algo, temos que trabalhar”.

A “preparação mais intensa” para a disciplina é o único motivo que o faz sentir-se um aluno diferente dos restantes colegas da turma da escola de Padrão da Légua, em Matosinhos. No mais, Francisco Tuna de Andrade não considera ser um aluno especial. Na escola pública onde anda até há outro estudante com bons resultados nas Olimpíadas nacionais – Bruno Carvalho, que foi medalha de bronze na mesma categoria (10.º ao 12.º anos) na última prova, realizada em Março. Mas não tem apoio especial dos professores e a escola tem problemas comuns a outros estabelecimento de ensino nacionais – há cinco anos começaram a preparar-se obras de renovação, mas depois da mudança de governo não chegaram a avançar, por exemplo.

Francisco também não acredita que a explicação para os seus bons resultados nas Olimpíadas de Matemática estejam na família, ainda que o pai seja engenheiro electrotécnico e a mãe professora da disciplina. “Tenho um irmão mais novo que não gosta muito de Matemática”, contrapõe. Mas foi a mãe quem, pela primeira vez, lhe apresentou as Olimpíadas.

Estávamos em 2011, Francisco estudava no 8.º ano e sempre tinha tido boas notas a Matemática. “Fiquei com curiosidade, fui à net ver como eram os problemas e chamaram-me a atenção”. A partir daí, foi “treinando e esforçando cada vez mais”. Os resultados apareceram de imediato. Logo no primeiro ano, venceu a medalha de Ouro na prova. E repetiu o triunfo nos quatro anos consecutivos. “De cada vez que vencia, o objectivo de ganhar ficava mais forte. E fui estudando e trabalhando para isso”, explica.

Olimpíadas, o principal foco

 

Francisco Andrade não é o primeiro português a conseguir cinco medalhas de ouro consecutivas na Olimpíadas da Matemática. Em 2013, Miguel Santos, na altura estudante da Escola Secundária de Alcanena, também já tinha conseguido o mesmo feito. Resultados como estes mostram que “quem tem gosto pela Matemática é persistente, não desiste e cada vez gosta mais, porque cada vez sabe mais Matemática”, explica Joana Teles, vogal da direcção da Sociedade Portuguesa da Matemática responsável pelas Olimpíadas, para quem, exemplos como os de Francisco ou de Miguel podem ser mobilizadores para outros jovens. “Os portugueses não têm nenhum problema com a Matemática. Com estudo, trabalho e com uma grande dedicação tudo se consegue”, defende, acrescentando que, em Portugal, “há muitos alunos com especial talento para a Matemática”. Se forem descobertos muito jovens, têm tempo para desenvolver este talento”.

Apesar do papel central que a Matemática tem tido na sua vida, Francisco Andrade ainda está “um pouco em dúvida” sobre o curso superior a que vai candidatar-se nas próximas semanas. “Se enveredar pela área da Matemática, será a um nível mais teórico. Estou mais inclinado para Engenharia Informática. Gosto bastante de programação”, expõe.

Depois dos exames nacionais, Francisco terá pela frente duas provas internacionais. No próximo mês, disputam-se, na Tailândia, as Olimpíadas Internacionais e, em Novembro, este estudante também deverá representar Portugal na prova Ibero-Americana, marcada para Porto Rico. Nas provas internacionais, Francisco Andrade tem tido um percurso em ascensão, ainda que o próprio o considere apenas “mais ou menos” positivo. Em 2012, ganhou uma menção honrosa. Nos dois anos seguintes, ganhou a medalha de bronze.

É nessas competições internacionais que se apercebe da diferença de preparação entre os estudantes portugueses e os dos Estados Unidos e de alguns países asiáticos, como a Coreia do Sul ou o Japão. “Eles são intensamente preparados para estas Olimpíadas e podem escolher que disciplinas querem mais cedo. Para mim, o principal foco que tenho agora é a escola, as matérias da escola e de facto estudar para a escola. O principal foco deles são as Olimpíadas, é a Matemática”.