O Sunami e a Terramota ensinam-nos o que fazer perante um sismo

O jogo online Treme-Treme foi desenvolvido por investigadores do Instituto Superior Técnico.

Os bonecos Sunami e Terramota do jogo Treme-Treme
Foto
Os bonecos Sunami e Terramota do jogo Treme-Treme DR

Destinado a crianças entre os sete e os nove anos, o jogo online Treme-Treme também relembra aos adultos conceitos de risco sísmico e o que fazer que fazer antes, durante e depois de um tremor de terra. A iniciativa para criar o jogo – que já está disponível em www.treme-treme.pt e é gratuito – partiu de uma equipa de investigadores do Instituto Superior Técnico (IST), em Lisboa.

O Treme-Treme resulta da participação do IST num projecto de investigação científica da Comissão Europeia, que terminou em 2013 – o Estratégias de Prevenção de Desastres Urbanos usando Fontes de Macrossismos e Falhas (UPStrat-MAFA, na sigla em inglês), desenvolvido por cientistas de Portugal, Espanha, Itália e Islândia, com o objectivo de analisar o risco sísmico em zonas mais vulneráveis para aplicar estratégias de prevenção.

“Em Portugal, é grande a escassez de ferramentas pedagógicas para a educação sobre o risco sísmico. Os simulacros nas escolas são quase todos por motivo de incêndio, ficando os sismos esquecidos”, explica ao PÚBLICO Mónica Amaral Ferreira, professora e investigadora do IST envolvida no projecto. “Para além disso, a maior parte dos professores e educadores não está preparada para explicar ou descrever medidas de protecção de bens e pessoas antes, durante e após um sismo.”

Além de lúdico, o Treme-Treme explica de forma simples o que fazer em situação de sismo, nos diferentes contextos do dia-a-dia. “O Sunami e a Terramota vão ensinar-te o que fazer, antes, durante e depois de um terramoto. Vais construir um kit de emergência, e aprender quais os locais seguros e perigosos nas nossas casas, escola ou trabalho”, lê-se no site do jogo, disponível em três línguas (português, inglês e italiano) e para os sistemas operativos Windows e Mac OS X. Em breve também terá uma versão para Android e incluirá o fenómeno dos tsunamis.

“Aprender brincando” é o conceito defendido pelos investigadores que criaram o jogo, com a participação da empresa de design Flaidisaine: “Aprende-se melhor fazendo, estando-se envolvido no processo de reflexão e nas actividades propostas. Geralmente, recordamos 20% do que ouvimos, 40% do que vemos e 80% do que fazemos”, refere Mónica Amaral Ferreira.

Acessível a toda a gente desde 1 de Junho, Dia da Criança, o Treme-Treme já tinha sido antes posto à prova. Durante 2014, foi testado por alunos do Colégio do Amor de Deus, em Cascais, e da Escola de Ensino Básico do 1º Ciclo e Jardim de Infância de Setúbal. “Foi muito positivo! As crianças gostaram, aprenderam e deram sugestões”, conta-se no “site” do Treme-Treme.

Esta iniciativa também coincide, em 2015, com os 260 anos do terramoto de Lisboa, que atingiu uma magnitude de 8,7, sendo um dos maiores sismos de que há memória, e foi seguido por um tsunami. Terão morrido cerca de 10.000 pessoas em Lisboa, o que significou 4% dos então 250 mil habitantes da capital. O Algarve, a Área Metropolitana de Lisboa (que engloba 18 municípios da Grande Lisboa e da Península de Setúbal) e a costa até à Nazaré são as zonas de Portugal continental com maior risco sísmico e de tsunamis.

“A sobrevivência a um grande terramoto depende muito da preparação prévia da população, exigindo o conhecimento sobre como actuar antes, durante e após o início do abalo”, sublinha-se, por sua vez, num comunicado do IST.

Texto editado por Teresa Firmino

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações