Vitorino e Durão vão discutir Grécia, terrorismo e Médio Oriente em Bilderberg

O clube reúne-se entre os dias 11 e 14 na Áustria. Será a despedida de Balsemão como membro do conselho director, que escolheu Barroso para seu sucessor.

Foto
Barroso espera que não se cai na "tentação de ceder ao populismo" por causa dos resultados em Itália JOHN THYS/AFP

O Clube de Bilderberg reúne-se em Telfs-Buchen, na Áustria, já esta semana, entre os dias 11 e 14. De acordo com a organização, está prevista a presença de cerca de 140 participantes de 22 países. A lista de tópicos para discussão desta 63ª conferência divulgada esta segunda-feira pela organização inclui também a estratégia europeia, a globalização, as ameaças das armas químicas, a situação política no Irão, a inteligência artificial, e o quadro político no Reino Unido.

Em Telfs-Buchen, rodeados de grande aparato policial estarão líderes políticos, académicos reputados, representantes de organizações internacionais, gestores de multinacionais das áreas da banca e finança, indústria, media, aviação, tecnologia, entre outros.

Esta será a última conferência em que Balsemão participa como membro do steering committee, o conselho director que organiza os encontros anuais. Ao fim de 32 anos, Francisco Pinto Balsemão vai deixar o restrito clube de Bilderberg e escolheu Durão Barroso para lhe suceder, como o PÚBLICO noticiou. O ex-presidente da Comissão Europeia é um dos portugueses com mais presenças em encontros de Bilderberg. A passagem de testemunho deverá decorrer no final desta reunião anual.

“Achei que era a altura de dar lugar a outro português”, justificou Balsemão ao PÚBLICO sem querer entrar em pormenores. O patrão da Impresa poderá continuar a ser convidado para participar em conferências anuais daquele clube restrito.

Por seu lado, Durão Barroso já conhece bem a mecânica de Bildernerg: foi convidado em 2003 e 2005 e manteve uma ligação como consultor. Esta será a sua terceira participação formal - há dez anos que ninguém repete o convite.

Para António Vitorino esta também será a terceira participação nas reuniões de Bilderberg. O socialista estreou-se em 1996, quando era vice-primeiro-ministro e ministro da Defesa de Guterres, na reunião que decorreu em Toronto (Canadá). E voltou em 2004, quando já era comissário europeu da Justiça e Assuntos Internos, acompanhando José Sócrates e Pedro Santana Lopes (este último subiu a primeiro-ministro semanas depois, o penúltimo seria eleito chefe de Governo no ano seguinte).

“A conferência é um fórum de discussão informal de questões importantes que o mundo enfrenta. Os encontros decorrem sob a regra de Chatham House, segundo a qual os participantes podem usar a informação que ali receberam” mas não podem revelar a identidade da sua fonte, realça a organização.