Aos seis anos já se aprende nas escolas como ser um empresário de sucesso

Acções desenvolvidas pela Junior Achievement Portugal já abrangeram quase 200 mil alunos. Pais contestam.

Mais de 100 mil alunos fizeram este ano ano lectivo exames de Português e Matemática do 4.º ano
Foto
Câmara Municipal de Lisboa recomendou projecto às escolas Nelson Garrido

Mariana Santos foi surpreendida por um folheto que descobriu, há algumas semanas, na mochila do filho de sete anos. “Disse-me que tinha sido levado por uma senhora que ia voltar à escola às quintas-feiras. Era de uma organização de que nunca tinha ouvido falar, a Junior Achievement Portugal. Fui ler e não gostei. Pesquisei um pouco mais e fiquei muito incomodada por estarem nas escolas”, conta ao PÚBLICO.

Na verdade já estão desde o ano lectivo 2005/2006, com acções que abrangeram 195.891 alunos desde o 1.º ciclo à universidade. Só no ano passado estiveram em 452 escolas, informou o assessor de imprensa da Junior Achievement Portugal (JAP), Nuno Comando. O objectivo, esclarece, é o de levar “o empreendedorismo para dentro das salas de aula”. O que é feito sem custos para as escolas, já que todas as despesas são suportadas pelos 42 associados da JAP, acrescenta.

A JAP é a congénere portuguesa  de uma organização internacional, Junior Achievement, desenvolvida a partir de uma associação criada nos Estados Unidos em 1919 e que actualmente desenvolve acções em 122 países. Têm como associados grandes empresas e instituições. A direcção do ramo português é constituída, entre outros, por representantes dos grupos Mello e Jerónimo Martins, das Fundações EDP e PT e da Sonae (proprietária do PÚBLICO).

Nas escolas os seus programas são aplicados por “voluntários oriundos do mundo empresarial”.  Segundo a JAP, estes voluntários acrescentam “valor ao programa, através da partilha das suas experiências, sendo um modelo a seguir pelos alunos”. No ano lectivo passado contara com a colaboração de quase dois mil.

Na JAP entende-se que o empreendedorismo “é a chave de todas as economias, que é uma questão de cultura e coragem, uma atitude de vida, e que pode ser aprendido”. “Ao perceberem o que são as profissões, as finanças, ao desenvolverem ideias, construírem o primeiro plano de negócios, gerirem as suas próprias mini-empresas, os alunos aprendem a tornar-se empreendedores a partir dos 6 anos”, especifica Nuno Comando.

Para Mariana Santos, historiadora de arte,  esta  concepção de empreendedorismo, que fez escola nas últimas décadas, reduz a etimologia da palavra “a actividades que são levadas a cabo com vista à obtenção de lucro, ligando-a assim exclusivamente à ideia de negócio”.  É uma das razões que a levaram a não querer o seu filho nos módulos que a JAP está agora a desenvolver com cinco turmas do 2.º ano de escolaridade do agrupamento de escolas Baixa-Chiado, em Lisboa. Outros quatro pais decidiram o mesmo.

“Não fomos informados previamente, não nos pediram autorização, o que deveria ter sido feito dado o conteúdo gravíssimo deste programa, onde a sociedade é apresentada como sendo exclusivamente regida por relações económicas e que exclui tudo o que sejam  relações de solidariedade e de afecto”, justifica Mariana Santos, acrescentando que tudo isto “vai contra o que tenta ensinar ao filho” e também contra “os valores da escola pública”.

O seu protesto já foi subscrito por mais uma dezena de pais. “Não queremos que a escola pública obrigue os nossos filhos a serem empreendedores competitivos obcecados pelo sucesso”, proclamam numa carta aberta enviada à comunicação social, onde contestam  o que consideram ser “um programa altamente estruturado  de formatação ideológica”.

O director do agrupamento Baixa-Chiado, João Paulo Leonardo, manifesta-se “algo surpreendido” com a reacção destes pais. “É um projecto que tem estado em escolas de todo o país e em que não vejo nenhum dos objectivos que são contestados por estes pais, pelo menos no que respeita aos programas dirigidos aos mais novos”, disse ao PÚBLICO. Não é a primeira experiência com a JAP: há alguns anos atrás, estiveram na escola básica e secundária Passos Manuel, sede do agrupamento, com programas dirigidos ao 3.º ciclo. Este ano lectivo regressaram por indicação da Câmara Municipal de Lisboa (CM), que recomendou a sua implementação, esclarece o director, que justifica também a opção pelo facto de o projecto educativo do agrupamento “contemplar a ligação à vida activa e o empreendedorismo”.

O PÚBLICO tentou, sem êxito, obter esclarecimentos da CML sobre esta recomendação.

Inicialmente estava previsto que houvesse também acções no 1.º ano, mas o agrupamento Baixa-Chiado optou por abrir só os módulos destinados ao segundo ano de escolaridade, que têm como tema “a comunidade”. São cinco módulos de 45 minutos que são dados nas horas normais de aulas e que integram a parte do currículo que pode ser decidida pela escola.

O programa destinado ao 2.º ano pretende orientar “o aluno numa descoberta da comunidade, dos negócios que operam no seio desta, de como o governo trabalha no sentido de desenvolver serviços para o bem – estar dos seus cidadãos e como estes têm responsabilidade no bem-estar da comunidade”. Numa das actividades implementadas os alunos “simulam individualmente e em grupo estratégias de produção de donuts”; noutra “falam de dinheiro e da sua importância na comunidade”. No final, os alunos devem ser capazes de “comparar métodos de produção unitária e linha de montagem” e de “identificar circunstâncias em que o dinheiro é trocado por bens e serviços”, entre outros objectivos de aprendizagem.

Nuno Comando, da JAP, esclarece que os programas implementados nas escolas “são transversais à rede” internacional da associação. “São desenvolvidos por grupos de trabalho ligados às temáticas trabalhadas em cada um dos programas e depois traduzidos e adaptados à realidade local de cada congénere”, precisa. 

Da família à empresa, um mundo de negócios

Existem seis programas de base, cujos temas são os seguintes: “A Família” (1.º ano de escolaridade),” A Comunidade” (2.º ano), “Europa e Eu” (5.º e 6.º ano), “É o meu Negócio” (7.º e 8.º ano), “Economia para o Sucesso” (9.º ano); “ A Empresa” (10.º ao 12.º ano).

Aos seis anos, os alunos deverão reconhecer por exemplo, “como os membros de uma família dependem de várias empresas para satisfazer as suas necessidades e desejos”. E descobrir  num mapa onde é que os membros da família os poderão satisfazer. Entre os 10 e os 12 anos já deverão avaliar “as etapas de valor acrescentado para a produção de um determinado produto e discutir as vantagens de escolher um país em vez de outro para a produção.

No 3.º ciclo os alunos são incentivados “ a usar o pensamento crítico para aprender algumas competências empreendedoras que suportem atitudes positivas, enquanto exploram as suas aspirações de carreira”. E chegados ao secundário podem ter acesso ao “ programa bandeira da Junior Achievement”: “A Empresa”.  No seu âmbito os alunos criam uma mini-empresa e depois, ao longo de um ano lectivo, “reúne, capital através da venda de títulos de participação, criam um produto ou serviço, colocam-no no mercado e, por último, liquidam a operação e pagam os dividendos aos titulares”.

 Neste processo, explica a JAP no seu site, os alunos estarão a desenvolver, “em cada uma das etapas do ciclo empresarial, uma competência empreendedora fundamental para o seu futuro”.