Avaliação dos testes de Inglês de Cambridge vai ser obrigatória para docentes

No ano passado, o regime era de voluntariado. Este ano a obrigatoriedade vai ficar estipulada por decreto. Protocolo com Cambridge vai ser revisto.

Só três professores entre 45 mil candidatos conseguiram vínculo ao ministério
Foto
Só três professores entre 45 mil candidatos conseguiram vínculo ao ministério Nelson Garrido

Se, no ano passado, a avaliação dos exames de inglês de Cambridge foi feita em regime de voluntariado, este ano vai ser obrigatória. O presidente do IAVE – Instituto de Avaliação Educativa, Hélder Sousa, adiantou que essa obrigatoriedade, bem como as contrapartidas para os docentes, serão definidas por despacho.

No ano passado, a falta de professores avaliadores atrasou a saída dos resultados dos exames. “Em relação aos avaliadores, o que vai mudar é tornar obrigatório aquilo que do meu ponto de vista deveria ter sido uma assunção plena dos professores”, diz Hélder Sousa. E acrescenta: “Desta vez, vamos fazer com que a classificação seja executada exactamente nos mesmos moldes em que é executada para qualquer exame nacional, ou seja, através de despacho, todas as tarefas inerentes à classificação passam a ser obrigatórias.”

Este responsável admite que a medida poderá causar contestação, mas está confiante que acabará por ser aceite: “A percepção que tenho é que, como em tudo na vida, como em tudo o que implica mudança, há um impacto inicial que gera muito ruído e, depois, esse ruído vai tendencialmente diminuindo”, nota Hélder Sousa. “Com a falta de classificadores no ano passado, houve uma sobrecarga brutal sobre aqueles que efectivamente acabaram por dar a cara pelo projecto”, recorda.

O protocolo que foi estabelecido com Cambridge também vai ser revisto. A ideia inicial era aplicar, durante três anos, o teste Key for Schools, o que foi feito no ano passado. Mas já no ano passado foi anunciado que este ano o teste iria ser o Preliminary, um nível mais exigente. “Como percebemos que não se podia ficar a marcar passo, vamos renovar o protocolo”, explica o responsável do IAVE. O protocolo, novamente de três anos, substituirá o anterior, uma vez que “o sistema” e o próprio IAVE não têm capacidade logística para garantir a realização dos dois testes ao mesmo tempo.

Não está afastada a hipótese de, no terceiro ano, se fazer um teste ainda mais avançado, o First Certificate for Schools, no final do ensino secundário. “Se as coisas correrem positivamente, penso que há condições e que o país tinha muito a ganhar com isso”, defende o presidente do IAVE, que está também a desenvolver um estudo sobre o impacto financeiro para Portugal de haver uma parte da população com esta certificação internacional. “No México, há um projecto que também está muito vocacionado para o [ensino] secundário. Eles fizeram um estudo económico, prospectivo, chegando à conclusão de que, a partir de um determinado limiar de população estudantil com um nível de certificação, tal poderia ter um impacto até 2,7% de aumento do Produto Interno Bruto, no sector dos serviços.” Hélder Sousa acrescenta: “Do ponto de vista dos negócios, eles estimavam grosso modo que, se 40% da população estudantil do ensino secundário, quando ingressasse no mercado de trabalho, levasse na carteira um First Certificate, isso teria um impacto a curto prazo na economia desta ordem de grandeza.”

Em cima da mesa está também a possibilidade de reproduzir o modelo para o espanhol. Já houve contactos com o Instituto Cervantes. Embora não vendo como concretizar o projecto “no curto prazo”, isto é, dentro de um ano ou dois, Hélder Sousa acredita que possa vir a ser uma realidade, “se houver vontade das partes”.

Quanto ao exame que se aproxima, o presidente do IAVE está optimista, mesmo tendo em conta que os resultados do ano passado não foram os melhores e que o teste este ano vai ser mais difícil. Admitindo que os resultados possam “vir a ser ligeiramente piores”, Hélder Sousa espera que “essa quebra não seja significativa”. “Se porventura se mantiverem, isso significa que, de facto, estamos no bom caminho.”