Torne-se perito

Novo Banco conclui a venda da seguradora Tranquilidade

Empresa passa para as mãos do fundo americano Apollo.

Em Agosto, a ESFG admitiu que o penhor do Novo Banco sobre as acções da Tranquilidade pode ser ilegal
Foto
Venda estava prevista para o final do ano passado Sara Matos

O Novo Banco completou a venda da companhia de seguros Tranquilidade ao fundo de investimento americano Apollo. O negócio fica assim concretizado depois de ter obtido as aprovações necessárias dos reguladores e de um tribunal ter levantado uma providência cautelar para suspender a venda.

O anúncio foi feito nesta quinta-feira, num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários: “O Novo Banco informa que, na sequência da obtenção das devidas aprovações regulatórias e do levantamento da providência cautelar que havia sido decretada pelo Tribunal da Relação de Lisboa, concluiu, na presente data, a venda de acções representativas da totalidade do capital social da Companhia de Seguros Tranquilidade a uma sociedade gerida pelo fundo de investimento Apollo”.

O Novo Banco e o fundo Apollo tinham chegado a acordo para a venda em Setembro, no que foi então descrito pelo banco como a “melhor proposta recebida durante o processo”. Na altura, o banco era ainda presidido por Vitor Bento. O valor da operação não foi comunicado, embora tenha sido amplamente noticiado um montante em torno dos 44 milhões de euros, com o fundo a comprometer-se também a capitalizar a seguradora.

As acções da Tranquilidade tinham sido entregues ao BES (que deu origem ao Novo Banco) como penhor para cobrir um crédito dado ao Espírito Santo Financial Group. O processo com o fundo Apollo deveria ter sido concluído até ao final do ano passado, mas uma providência cautelar, requerida por duas empresas do Grupo Espírito Santo, acabou por adiar a venda. 

Sugerir correcção