"Corrupção", "banco", "legionela", "selfie" e "xurdir" entre as candidatas a Palavra do Ano 2014

Também estão na lista "basqueiro", "cibervadiagem", "ébola", "gamificação", "jihadismo". É a sexta vez que a Porto Editora lança esta votação.

Foto

"Banco", "basqueiro", "cibervadiagem", "corrupção", "ébola", "legionela", "gamificação", "jihadismo", "selfie" e "xurdir" são as dez candidatas a Palavra do Ano 2014, no concurso que a Porto Editora promove e cuja votação é aberta a todos os portugueses e feita através da Internet. A palavra vencedora será conhecida em Janeiro de 2015.

As dez palavras que vão a votos este ano foram esta segunda-feira divulgadas pela Porto Editora em comunicado e remetem para a política, a saúde, a guerra, hábitos sociais e estratégias de comunicação, e ainda há espaço para regionalismos. A votação está aberta e é feita através do site Infopédia.pt, decorrendo até "ao último segundo" do dia 31 de Dezembro de 2014.

Nas edições anteriores, as palavras vencedoras foram “bombeiro” (2013), entroikado” (2012), “austeridade” (2011), “vuvuzela” (2010)  e “esmiuçar” (2009).

A escolha das palavras, explicam no comunicado, foi feita “com base em critérios de frequência de uso e de relevância assumida quer através dos meios de comunicação social e das redes sociais, quer da utilização dos dicionários da Porto Editora nas suas versões online e mobile”.

A palavra “banco” foi escolhida por “toda a polémica em torno da situação de uma conhecida instituição bancária, que colocou este vocábulo no centro do nosso quotidiano, levando ao aparecimento de expressões como ‘banco bom’ e ‘banco mau’”.

O vocábulo “basqueiro” foi escolhido porque “surpreendeu a opinião pública quando foi utilizada pelo actual ministro da Economia num debate parlamentar.

A palavra “cibervadiagem” advém de a “utilização de plataformas digitais, como as redes sociais, com fins lúdicos durante o exercício de funções profissionais ser cada vez mais frequente e um fenómeno que começa a ser objecto de análise jurídica”.

Outra das palavras do ano poderá ser “corrupção”, já que, ao longo de 2014, “foram sendo conhecidos vários casos de suspeita de corrupção em vários sectores da sociedade, envolvendo inclusive entidades e personalidades públicas.”

Também esteve muito presente nos média a palavra “ébola”, por causa do surto que atinge maioritariamente a África Ocidental. “Tornou-se uma das preocupações das entidades públicas e das populações durante todo o ano”, referem no comunicado.

A palavra “legionela” também não podia faltar na lista que irá a votos, pois, “recentemente, registou-se no nosso país um inesperado surto de legionela, e o impacto que teve fez com que o uso deste vocábulo se tornasse generalizado”.

Outra das escolhidas é “gamificação”: “cada vez mais e em inúmeros contextos – educação, saúde, política, etc. – se faz uso de técnicas características de videojogos para resolver problemas práticos ou consciencializar ou motivar um público específico para um determinado assunto, uma estratégia que tem o nome de gamificação”.

Segue-se “jihadismo”, já que “o afirmar do jihadismo no Iraque e na Síria, através da utilização dos média e das novas plataformas como formas de propaganda à escala global, colocou este movimento no topo da agenda mediática”.

A palavra “selfie” foi escolhida pela Porto Editora, dado ser “mais do que uma moda, mais do que uma tendência": "as selfies fazem parte do nosso dia-a-dia, com presença constante nas redes sociais”.

E, por fim, a palavra “xurdir”, seleccionada para o concurso com a seguinte explicação: “Talvez pelas circunstâncias socioeconómicas que o país atravessa, ou pela riqueza da língua portuguesa, verificou-se este ano um aumento significativo da utilização desta palavra, que significa ‘lutar pela vida; mourejar’.”