Há um buzz à volta do Porto

Empresários e habitantes estão a mobilizar os investimentos para receber a vaga de turistas e todos esperam que o destino não passe de moda.

O Porto foi eleito European Best Destination 2014 ficando à frente de capitais como Viena, Budapeste, Madrid e até Berlim.

É uma sexta-feira de Agosto e os 83 anos de Lurdes Oliveira já quase estranham aquela calmaria súbita, a meio da tarde. Atrás do balcão da Adega Gandarela, em plena Rua da Bainharia, no coração do bairro histórico da Sé, no Porto, Lurdes tem agora uns momentos para descansar. Mas não para se sentar. Já não está habituada. Quando não está a servir velhos clientes (normalmente moradores) ou novos turistas (“eu gosto de os ver entrar, sobretudo quando trazem os filhos. Acho que nunca vi tantos turistas com filhos como agora”, diz ela), gosta de ver o que se passa na rua. E passa-se sempre tanta coisa, e tanta gente! Por exemplo, há uns minutos tinha estado a apreciar o grupo de “novos cozinheiros” — “são para aí uns 16” — que vão trabalhar no restaurante O Cantinho do Avillez que abre por estes dias a escassos metros da Gandarela, na Rua Mouzinho da Silveira. É “tudo gente muito simpática”, que se senta pela escadaria abaixo nos intervalos da formação.

Lurdes foi de Celorico de Basto, no distrito de Braga, para a Foz do Douro, quando tinha 19 anos para ir trabalhar, isto é, “servir na casa de uns senhores ricos”. Até que conheceu o marido, mudou-se para a Sé e, de repente, já lá vão 50 anos. Lurdes não mudou o seu negócio: continua a vender cervejas e vinho e café e alguns (poucos) petiscos, mantém como tradição a caixa de gorjetas que só abre no Natal para distribuir pelos netos e atrás do balcão da Adega Gandarela continua a ter visão privilegiada sobre as muitas mudanças que estão a acontecer no bairro da Sé. As mesmas mudanças que se fazem sentir por toda a cidade.

O Porto está nas bocas do mundo e nas páginas de jornais (o New York Times escreveu um roteiro para 36 horas na cidade “que já não precisa de viver à sombra do seu vinho”) e de revistas, como a Luxury Travel Magazine que se deleitou com hotéis como o Yeatman (que tem um spa premiado internacionalmente) ou a Pousada do Palácio do Freixo. O buzz que a cidade tem merecido nos blogues de turismo e nas redes sociais ajudam à festa, assim como as constantes menções da cidade por nela estarem os melhores hostels do mundo (uma eleição da Hostelworld, onde aparecem o Tattva Design Hostel e o  Gallery Hostel) ou um dos hostel mais cool da Europa, o Rivoli Cinema Hostel, como elegeu o motor de busca Trivago. Mas não são só os operadores a ser nomeados e a ganhar eleições: a cidade do Porto foi eleita este ano European Best Destination 2014, uma competição promovida pela European Consumers Choice, uma organização sem fins lucrativos de consumidores e especialistas, com sede em Bruxelas, que avalia produtos e serviços, além de realizar rankings turísticos. O Porto “derrotou” outras 19 cidades nomeadas, entre elas capitais como Viena, Budapeste, Madrid e até Berlim. 

Todo este buzz mediático parece ter correspondência no aumento do número de visitantes. O Departamento de Turismo da Câmara Municipal do Porto (CMP) anda, desde 2011, a fazer inquéritos aos turistas atendidos nos postos de turismo da autarquia e está a registar os acréscimos: em 2013 foram quase 280 mil, mais que o número de habitantes do Porto recenseados pelo Instituto Nacional de Estatística em 2011, e que representa um aumento de 26% face a 2010. O número de acessos ao Portal de Turismo cresceu ainda mais: 51%.

A principal motivação da deslocação dos turistas ao Porto são o gozo de férias e lazer, seguindo-se, nas preferências dos inquiridos pela CMP, as visitas de fim-de-semana e a visita a familiares e amigos. “Maioritariamente alojam-se em hostels e nos hotéis de 4 estrelas. A estadia média no destino é entre dois a três dias”, esclarecem os serviços de turismo da autarquia. 

PÚBLICO -

Conhecer a cidade numa Vespa

Lurdes continua a ter muitas casas vazias na vizinhança: “Foi tanta gente embora daqui! Mas alguns ainda bem que foram, não fazem falta” — numa referência aos problemas de tráfico e consumo de estupefacientes que durante anos trouxeram má fama ao bairro. Mas, à vista desarmada, também vai constatando as mudanças: se o bairro da Sé foi ao longo dos anos perdendo muitos moradores mas está agora a ganhar novos habitantes. Temporários, ainda assim. “Andam para aí, por todo o lado, a recuperar as casas para os turistas, e ainda bem”, continua Lurdes. “E diz que são casas bem bonitas!”, graceja.

A começar pelo prédio ao lado, um edifício do século XIX que alberga hoje oito apartamentos turísticos do projecto Mouzinho 134, listados no site de alojamento temporário Airbnb. A popularidade deste tipo de alojamentos é crescente e, hoje em dia, só no Airbnb, há mais de um milhar de anúncios na cidade do Porto. 

“Os apartamentos estão sempre cheios”, garante Júlio Cortez, o vizinho da frente, que tem uma parceria com o proprietário dos apartamentos Mouzinho 134. Cortez é um ex-trabalhador de uma multinacional e morador no concelho da Maia, mas há ano e meio desloca-se diariamente à Rua da Bainharia para abrir as portas da OportoShare, uma empresa de animação turística que oferece visitas guiadas pelo Porto numa Vespa. “Oferecemos um serviço diferenciado, levamos os turistas onde mais ninguém leva e a conhecer um Porto que não seria possível de outra maneira”, explica à Revista 2. Há também empresas que oferecem passeios de segways, de tuk tuks, a pé, de carro, de carrinha e de bicicleta, com visitas às tascas e aos lados sombrios da cidade, e até organizações de cariz solidário, que arrancaram sem-abrigo à rua para os transformar em guias turísticos. 

As receitas de sucesso de outras cidades são replicadas no Porto e há sempre quem procure diferenciar-se, reinventando conceitos. Chama-se “segmentação e marketing”. Por isso, Cortez bem pode dizer que mais ninguém oferece o que ele vende: “Passeios de Vespa em Portugal, como as que circulam em Roma, Barcelona e Paris, só mesmo as minhas, no Porto.” Diz ainda que “o Porto está a explodir” e que, hoje em dia, já tem argumentos para calar os amigos que há dois anos lhe chamaram “maluco” por querer abrir um estabelecimento comercial numa rua escura do Bairro da Sé, em pleno morro da Pena Ventosa. “Eu tinha razão. Ainda não estou a ganhar dinheiro, nem tal seria possível com o investimento que fizemos. Mas deixe-se estar aqui à porta, e vê os turistas a passar. Estamos na passagem entre a Sé e a Ribeira, dois locais turísticos imperdíveis. Os que entram nesta porta e fazem a visita connosco saem daqui nossos amigos. Não há que enganar.” No portal TripAdvisor, uma autêntica bíblia onde os viajantes vão ler e deixar críticas e avaliações aos serviços experimentados, a empresa de Júlio Cortez aparece em oitavo lugar numa lista que já conta com mais de 70 empresas de animação turística. 

PÚBLICO -

Repetir receitas de sucesso

Seguimos até à Praça da Ribeira, um dos maiores expoentes turísticos do Porto — não há visitante à cidade que dispense um vislumbre daquela paisagem que corre mundo, antes em cartões-postal, hoje em partilhas no Facebook e no Instagram. Não há lugar nas esplanadas, as margens do Douro parecem uma feira, o corrupio dos barcos é uma constante. Um frenesim a que Carlos Silva, morador no Bairro da Lada há já 20 anos, quase permanece indiferente. Encontramo-lo nas traseiras dos Arcos da Ribeira — que, para ele, são a entrada principal — a afinar as bicicletas com um dos filhos. Diz que, se soubesse o que sabe hoje, nunca aceitaria comprar o T2 com vista para o Douro que lhe foi destinado pelo Comissariado para a Renovação Urbana da Área de Ribeira/Barredo (CRUARB) quando a casa onde vivia, na Sé, estava demasiado degradada. Ainda lhe faltam quatro anos de rendas para poder considerar a casa sua, mas já diz que a vendia de bom grado, se a Câmara a quisesse comprar de volta. “Que faça aqui um hostel para os turistas. Não dizem que é o que está a dar? Pois que façam aqui mais um, que eu vou todo contente para um sítio mais sossegado que isto.”

Carlos não pode levar o carro para perto de casa, por causa da decisão de cortar o trânsito também para moradores. Mas não é a falta de estacionamento que o chateia. Nem sequer o facto de ninguém ter pensado nas crianças — “não há aqui nada para fazerem, nem um parque infantil”. Da janela de Carlos Silva avistámos duas crianças aparentemente escandinavas deliciadas a ver crianças locais a mergulhar no rio, repetindo gestos celebrizados em Aniki Bobó, obra-prima de Manoel de Oliveira. E percebia-se o temor dos pais — não fossem elas achar que podiam fazer o mesmo. O que mais incomoda Carlos Silva é, no entanto, a falta de sossego. “Quando vim morar para aqui, no rés-do-chão já havia comércio. Mas era uma geladaria e uma tabacaria, não havia barulho à noite. Agora só há restaurantes e cafés e bares. À segunda-feira, ninguém dorme. É a noite do balde. Eu nunca fiz isso, mas a minha vizinha, que se levanta às cinco da manhã para ir trabalhar, bem lhes atira com baldes de água de cá de cima.” “A culpa não é dos turistas, que são muito bem-vindos”, diz. A “culpa” é de quem dá licença “a tudo e a todos”, e de agora “serem esplanadas em cima de esplanadas”. Ou, então, do facto de “ninguém cumprir regras”.

“Cafés e restaurantes, bares e esplanadas. Esta mania do português de repetir receitas de sucesso… vai pela rua fora e só vê disso. Só esses é que devem estar a ganhar, e bem, com o aumento do turismo”, critica António Cardoso, proprietário da Ourivesaria Coutinho, fundada em 1859 na Rua das Flores, o que a transforma na mais antiga do Porto. Cardoso já morou na Rua das Flores, na mesma casa onde viveram pai e avô. “Era sempre assim, no tempo em que o Porto vivia da vida no Douro. As lojas em baixo, as casas dos comerciantes em cima. Abriu o Porto de Leixões e tudo mudou”, argumenta. A casa onde morava foi perdendo condições, o prédio ao lado teve um incêndio. Um arquitecto comprou o prédio há três anos, no gaveto da Rua das Flores com a Rua dos Caldeireiros e construiu estúdios para alugar a turistas. É à custa destes investimentos que se vai fazendo a reabilitação urbana. Já os apartamentos na Rua das Flores, acusa Cardoso, onde a Sociedade de Reabilitação Urbana fez uma intervenção pioneira, foram construídos para ricos: “Eram demasiado caros.”

Vítor Costa ainda tem um quarto e uma cozinha por cima da Pérola da Índia, a mercearia fina que o avô abriu na Rua das Flores, em 1934. Mas já não faz dela residência permanente. “Dá jeito para fazer uma refeição rápida, para alguém da equipa tirar uns momentos de repouso, e pouco mais. A casa parece grande, mas os andares são estreitinhos, como a loja”, explica. Não é só por ser pequena e estreita que a mercearia/garrafeira parece estar sempre lotada. Vítor Costa confirma que não tem tido mãos a medir. “Agora o turismo é o ano todo. E hoje em dia toda a gente bebe uma garrafa de vinho ou quer uma lata de conservas. Sejam as famílias brasileiras, que trazem muito poder de compra, sejam os jovens que viajam nas companhias low cost e têm pouco dinheiro na carteira e pouco espaço nas malas”, sorri.

António Cardoso lembra-se de ver Vítor Costa ao colo do avô, e fica contente por a vida lhe estar a correr bem, apesar de achar que, genericamente, o comércio tradicional ganha pouco com os turistas. “Vamos é lá ver se não é uma moda que, como todas as modas, acaba por passar”, questiona. 

PÚBLICO -
Paulo Pimenta

Joaquim Ribeiro, dirigente da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), recusa esse cenário e acredita que a tendência vai perdurar. “A construção do destino ‘Porto e Norte de Portugal’ tem sido um trabalho pensado e construído pelos vários agentes, públicos ou privados”, argumenta, acrescentando que o que permite afirmar um destino é o conjunto de ofertas e serviços de que dispõe, necessariamente “em número e em qualidade suficiente”. “Sabemos que a oferta de alojamento no Porto triplicou nos últimos dez anos e também sabemos que o crescimento de turistas ainda não é o triplo, mas também é verdade que a oferta de há dez anos não cobria todos os segmentos e era insuficiente, agora penso que estamos ajustados entre a oferta e a procura”, considera.

Para Pedro Quelhas Brito, responsável pela Pós-Graduação em Gestão do Turismo e Hotelaria da Porto Business School, a grande fragilidade do turismo ainda está na rentabilidade: “Comparando com outros destinos, a taxa de ocupação é inferior e os preços são menores. No entanto, a exploração de actividades a jusante — promover negócios que contribuam para o turista explorar e divertir-se no território — poderá ser benéfico para reduzir esta fragilidade. Porque o turismo é mais do que o alojamento e a restauração”, alerta. E porque todos os habitantes gostariam de poder dele beneficiar. Tal como já o fazem Lurdes, Vítor e Júlio e como também quer fazer António. Já Carlos, esse, só quer um lugar onde consiga descansar.