Rússia quer códigos-fonte da Apple e SAP por suspeitas de espionagem

Proposta de Moscovo surge após revelações de Snowden e de casos de espionagem pela NSA.

A proposta surge quando os EUA e a UE discutem o agravamento das sanções à Rússia pela sua actuação na Ucrânia
Fotogaleria
A proposta surge quando os EUA e a UE discutem o agravamento das sanções à Rússia pela sua actuação na Ucrânia MIKHAIL KLIMENTYEV/AFP
A Rússia não é o único país que está a desafiar empresas de tecnologia a serem mais transparentes
Fotogaleria
A Rússia não é o único país que está a desafiar empresas de tecnologia a serem mais transparentes MIKHAIL KLIMENTYEV/AFP

A Rússia propôs que a Apple e a SAP permitam o acesso aos seus códigos-fonte para o governo de Moscovo se assegurar que os produtos das duas empresas amplamente usados no país não são ferramentas para espiar instituições do Estado.

A proposta feita a duas das principais companhias de tecnologia do mundo, para que revelem alguns de seus mais sensíveis segredos de negócio, surge quando os Estados Unidos e a União Europeia (UE) discutem o agravamento das sanções contra a Rússia pela sua actuação na Ucrânia. Moscovo reagiu com acusações aos Estados Unidos de agirem de forma “destrutiva” e com “vistas curtas” e à UE de ter uma política “ditada por Washington”.

Até aqui, as sanções norte-americanas visam particularmente os sectores da banca e da defesa. A União Europeia decidiu limitar o acesso dos bancos estatais russos aos seus mercados de capitais, suspender os negócios de armamento e a venda de tecnologia petrolífera.

A proposta de Moscovo foi já apresentada pelo ministro russo das Comunicações, Nikolai Nikiforov, que na semana passada se encontrou com o director-geral da Apple na Rússia, Peter Engrob Nielsen, e o director-gerente da SAP no país, Vyacheslav Orekhov, disse o ministério num comunicado, citado pela Reuters.

O ministério adiantou que a proposta pretende assegurar os direitos de consumidores e utilizadores empresariais à privacidade dos seus dados pessoais, bem como os interesses estatais de segurança.

Qualquer decisão russa para forçar a Apple e a SAP a divulgar o funcionamento interno de seus softwares pode representar uma grande ameaça à sua viabilidade, caso percam o controlo sobre os seus próprios do códigos-fonte.

“As revelações de Edward Snowden em 2013 e as declarações públicas dos serviços de segurança dos EUA sobre o reforço da vigilância sobre a Rússia em 2014 levantaram uma série de questões de confiança quanto ao software e hardware estrangeiros”, explicou o ministro Nikolai Nikiforov.

A Rússia não é o único país que está a desafiar empresas de tecnologia a serem mais transparentes quanto às suas políticas de privacidade. Governos de países como a Alemanha, Brasil, China ou Índia estão atentas a esta questão após a denúncia de espionagem por parte da agência de segurança norte-americana NSA.

Sugerir correcção