Opinião

Obrigado, troika

Agora que eles se estão a ir embora, agora que tanta gente celebra a “saída limpa”, agora que Paulo Portas já pode festejar o seu novo 1640, agora que se cospe no prato de quem nos salvou da bancarrota em 2011, agora que se “joga pedra na troika” da mesma forma que na canção do Chico Buarque “se jogava pedra na Geni”, agora, nesta altura de suposta libertação, deixem-me agradecer publicamente aos homens e às mulheres que durante os últimos anos permitiram que continuássemos a ter dinheiro para pagar as reformas dos nossos idosos, os salários dos nossos funcionários públicos, a saúde dos nossos doentes e a educação dos nossos filhos. Obrigado, troika.

Agora que se descobriu que, afinal, a espiral recessiva deixou de espiralar, agora que o pó dos arquivos já embala os artigos de jornais com profecias apocalípticas, agora que os partidos da oposição mudam o seu discurso e a saída sem um programa cautelar já não é, afinal, a questão central, agora que os reformados Manuela Ferreira Leite e Bagão Félix se preparam para recuperar algum do seu poder de compra, agora que Pedro Passos Coelho nos voltou a mentir com os dentes todos no espaço de 15 dias, agora que o Governo decidiu sacar mais dinheiro à economia para pagar o velho Estado gargantuesco, agora que se lixou o “lixem-se a eleições”, deixem-me agradecer publicamente aos homens e às mulheres que impediram que o IVA subisse ainda mais, contrariando os desejos do próprio Governo. Obrigado, troika.

Agora que PSD e CDS voltaram a ser amigos dos pensionistas e dos funcionários públicos, agora que o governo até já faz voz grossa à troika e discute com ela, agora que já não há desculpas para não perceber que o neoliberalismo nunca existiu em Portugal, agora que é claro como água – IVA a 23,25%, senhores – que sempre tivemos e sempre teremos partidos estatistas, que procuram sacar o máximo mexendo o menos possível, agora que toda a gente finge não ver o crescimento de uma bolha especulativa com a dívida soberana europeia que ainda nos vai rebentar na cara, agora que o Governo prefere simular que está tudo bué bem e que existe uma infalível explicação para os actuais juros da dívida, deixem-me agradecer publicamente aos homens e às mulheres que sempre procuraram manter alguma lucidez num país cheio de gente moderada mas incapaz de conversar entre si. Obrigado, troika.

Agora que Paulo Portas ofereceu aos membros da troika Os Lusíadas em versão inglesa (edição Oxford Classics), certamente para eles se espantarem com a grandeza de Portugal na hora do adeus, agora que já ninguém quer ir além da troika, agora que se acabou o álibi “do etíope, do alemão e do careca” como justificação para todos os males e sacrifícios, agora que já podemos todos ser pobres e mal-agradecidos à vontade, deixem-me, ao menos, agradecer publicamente a quem andou três anos a tentar pôr juízo na cabeça dos nossos políticos e a tentar obrigá-los a fazer as reformas de que o país necessita. Eu sei que não conseguiram, eu sei que muita coisa foi mal feita, eu sei que o impacto da austeridade no desemprego foi explosivo, mas eu também sei que quando estamos sozinhos e soltos nunca conseguimos arranjar a coragem política para fazer aquilo que se impõe. Obrigado, troika. Quando vocês estão, é mau. Mas quando vocês não estão, ainda consegue ser pior.