Ratos domésticos chegaram à Madeira 400 anos antes dos portugueses

Estudo espanhol sugere que os primeiros humanos podem ter chegado à Madeira no século XI, quatro séculos antes da sua descoberta pelos portugueses. Terão os vikings sido os primeiros a visitar a ilha?

Ponta de São Lourenço, na Madeira, o local onde os ossos de ratos domésticos antigos foram encontrados
Fotogaleria
Ponta de São Lourenço, na Madeira, o local onde os ossos de ratos domésticos antigos foram encontrados Rui Gaudêncio
Ossos dos ratos
Fotogaleria
Ossos dos ratos CSIC

Os humanos podem ter chegado ao arquipélago da Madeira quatro séculos antes da ocupação portuguesa da ilha, iniciada no fim do primeiro quartel do século XV – segundo um estudo espanhol, noticiado esta terça-feira pela agência Lusa, e que datou ossos antigos de ratos domésticos descobertos na Ponta de São Lourenço, na ilha da Madeira.

O estudo, liderado pelo Centro Superior de Investigações Científicas (CSIC) espanhol, indica que a datação por radiocarbono de ossos do rato doméstico (Mus musculus) encontrados na Ponta de São Lourenço sugere que estes animais chegaram à ilha ainda antes de 1036. Os ratos teriam sido levados a bordo de um navio, segundo o estudo publicado na revista britânica Proceedings of the Royal Society B.

Até agora, as investigações sugeriam que a chegada dos humanos à Macaronésia (as ilhas dos Açores, da Madeira, Canárias e Cabo Verde) teria ocorrido em dois períodos sucessivos: uma chegada limitada às Canárias, há dois milénios; e outra chegada a partir do século XIV, com a colonização de todos as ilhas macaronésias. No caso da ilha da Madeira, essa chegada ter-se-á dado em 1420, ano da sua descoberta (ou redescoberta) por Tristão Vaz Teixeira e João Gonçalves Zarco, que no ano anterior já teriam chegado à ilha de Porto Santo. A colonização da ilha da Madeira começou a partir de 1425.

Agora, a equipa do CSIC, composta por cientistas alemães e espanhóis, analisou ossos antigos de ratos domésticos encontradas na Ponta de São Lourenço, descobertos em 2010 e 2011. Ainda que não tenha sido possível datar os primeiros ossos descobertos, porque a amostra era pequena de mais, nos segundos ossos os resultados da datação indicaram que os ratos morreram num período compreendido entre o ano 903 d.C. e o ano 1036 d.C., sendo assim o testemunho mais antigo da presença de ratos domésticos na ilha.

Estes resultados, lê-se no artigo científico, “sugerem que os humanos podem ter chegado à Madeira antes de 1036 d.C., o que é cerca de quatro séculos antes de Portugal ter tomado oficialmente posse da ilha”.

Além da datação, dados genéticos também apontam no mesmo sentido, em particular o ADN das mitocôndrias, as chamadas “baterias das células” e cujo material genético é transmitido apenas pela mãe. “O ADN mitocondrial das actuais populações de ratos domésticos da Madeira tem mais semelhanças com o das [populações de ratos domésticos] da Escandinávia e do Norte da Alemanha, mas não com o das de Portugal”, refere um comunicado de imprensa do CSIC.

Se se juntar esta informação genética com a datação por radiocarbono da segunda amostra de ossos antigos do rato doméstico, uma hipótese parece ganhar força: “A segunda amostra analisada permite pensar que foram os vikings que levaram o rato doméstico para a ilha. No entanto, esta conclusão deve ser confirmada com novos estudos morfológicos e genéticos dos fósseis da Ponta de São Lourenço, já que até agora não há referências históricas de viagens de vikings para a Macaronésia”, explica um dos autores do estudo citado no comunicado de imprensa, Josep Antoni Alcover, do Instituto Mediterrâneo de Estudos Avançados, pertencente ao CSIC e à Universidade das Ilhas Baleares.

A hipótese dos vikings

Ora, o período compreendido entre os anos 903 e 1036 está dentro da Era Viking, entre os séculos VIII e XI, e há relatos de que os vikings levavam ratos domésticos para os sítios onde iam, refere ainda o artigo científico. “Todos estes dados sugerem, mas não provam, uma relação entre as viagens dos vikings e a presença de Mus na Madeira”, lê-se.

Seja como for, pensa-se que a chegada dos ratos domésticos à Madeira teve impactos ecológicos importantes, senão mesmo catastróficos. Uma vez estabelecidos na ilha, começaram a reproduzir-se e a atingir grande densidade, principalmente na ausência de ratazanas, que limitariam o seu número.

“A sua actividade predadora ter-se-ia centrado em ovos e crias de aves pequenas e de tamanho médio, como as codornizes e galinhas-de-água”, refere o comunicado, acrescentando que o registo fóssil do Holoceno, época geológica iniciada há cerca de 11 mil anos e que se estende até à actualidade, indica que pelo menos dois terços das aves nativas (endémicas) da ilha se extinguiram. Ou seja, os efeitos dos humanos na ilha começaram a fazer-se sentir muito antes da sua própria instalação, no século XV.

“A introdução dos ratos resultou provavelmente numa catástrofe ecológica, com a extinção de aves endémicas e a modificação da ecologia da ilha 400 anos antes do que se pensava até agora”, sublinha Josep Antoni Alcover.

Em contrapartida, os ratos tornaram-se mais uma fonte de alimento para as corujas – e estas, no equilíbrio sempre periclitante da natureza, passaram a prosperar quando os ratos domésticos assentaram arraiais na Madeira.