Mário Soares quer governo derrubado; Freitas pede novo partido

Congresso sobre o 25 de Abril serve de palco a duras críticas ao Governo de Passos Coelho.

Foi com críticas - umas mais duras, outras comedidas – ao actual Governo que boa parte dos oradores de um congresso sobre o 25 de Abril respondeu à pergunta “E agora [como está o país 40 anos depois]?”. Mário Soares quer que o Governo seja “derrubado”, o fundador do CDS-PP defende que falta um novo partido ao centro e Pacheco Pereira visa que se está a criar uma sociedade “não democrática e autoritária”.

A sessão de abertura do congresso A Revolução de Abril, organizado pelo Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, que se realiza entre esta segunda-feira e quarta-feira, juntou Mário Soares, Diogo Freitas do Amaral, Fernando Rosas, José Pacheco Pereira e Aniceto Afonso para falarem sobre o significado e o balanço da revolução.

À questão 'e agora?', Mário Soares retorquiu: “Agora é preciso derrubar este Governo, a resposta é muito simples. Estou a falar muitíssimo a sério. Não há mais nada a fazer. [O Governo] está a destruir o país, está a destruir as pessoas. Põe as mais válidas fora porque são demasiado inteligentes e eles não gostam de gente inteligente."

O fundador do PS e antigo Presidente da República insistiu: "É evidente que este Governo está a destruir Portugal e cada vez vai destruir mais. Já não temos SNS, Estado social, direitos do Homem. Eles fingem que são democratas mas querem um 25 de Abril a fingir.” E acrescentou, citando um manifestante das forças de segurança na última concentração frente ao Parlamento: “‘Hoje foi assim, a bem, da próxima vez vai a mal’. Eu achei que essa era uma bela ideia.”

“É indispensável acabar com este regime o mais depressa possível", defendeu Soares que diz ser "um crime" o que o Executivo de Pedro Passos Coelho tem feito com Portugal. "Aqueles que fazem e comprometem o futuro têm que ser julgados um dia, mais tarde ou mais cedo."

As eleições de Maio serão essenciais. Mário Soares considera “evidente” que vai acontecer [uma ruptura] "através das europeias ou depois disso. Mas vai acontecer porque este país está a ser liquidado aos poucos. Eles se tivessem vergonha tinham saído espontaneamente, assim vão ter que sair à força."

José Pacheco Pereira considerou que "a sociedade que hoje se está a criar é não democrática e autoritária” e até quase falou em uníssono com o historiador Fernando Rosas ao criticar os mitos que o actual Governo instalou na sociedade que servem para justificar a austeridade, como o de que os reformados recebem acima do que descontaram.

O fundador do CDS-PP, Diogo Freitas do Amaral veio lançar um repto. As europeias de Maio serão, disse, uma “sondagem em tamanho real” sobre o que os portugueses querem para o país e a partir daí deve-se “começar a construir uma nova solução que saia vencedora nas legislativas de 2015”.

Essa “nova solução” depende, porém, da resposta a uma de três perguntas/necessidades: ou a esquerda se une para o PS conseguir governar em maioria, ou o PS recicla a sua direcção e a sua estrutura interna, ou o PSD muda de líder.

"Há ou não há, à esquerda do PS um ou dois partidos que se decidam a fazer uma coligação com o PS para que este não fique mais uma vez minoritário e incapaz de governar?. Em segundo lugar: o PS está satisfeito com a sua actual direcção ou percebe que com ela não terá maioria absoluta e é capaz de alterar por dentro o estado de coisas? Terceiro: o PSD vai continuar a aplaudir o Júlio César que dele tomou conta ou encontra um Brutus capaz não de o assassinar mas de o substituir para as eleições de 2015?"

Se nada disso acontecer e se as eleições europeias de Maio não trouxerem uma alternativa, “então o povo português vai ter que ser capaz de criar um novo partido que ajude a refazer o sistema partidário português”.

Freitas recusa voltar à política activa por não ter "idade nem saúde para isso" e diz que fundar esse partido é uma tarefa para os mais jovens - mas se for entre o PS e o PSD terá o seu apoio. "Não sou um político no activo, não me compete a mim pôr no terreno nenhuma solução prática. (...) Mas isso tem que ser feito por quem está activo na política, não é pelos reformados e pensionistas de pernas cortadas."

Freitas foi especialmente crítico com a sua família política e defendeu que os actuais PSD e o CDS-PP esqueceram a social-democracia e a democracia-cristã da sua génese. “É preciso construir uma solução alternativa a esta governação, com pessoas de direita, do centro, da esquerda, mas com uma mentalidade de democracia e de justiça social que desapareceu do discurso e dos objectivos deste Governo. A política deste governo é desumana, vê as pessoas como descartáveis.”

O fundador do CDS-PP afirmou que o Executivo anda "numa política de mentira". "Temos que passar para uma política de verdade, temos de passar do autoritarismo para a democracia, temos que passar da defesa da oligarquia e dos mitos para a defesa das classes médias e dos mais pobres."

Freitas diz mesmo que em vez de caminhar para ser um país europeu e progredir à europeia, Portugal está a ser levado para o lado de países como Marrocos, Argélia e Tunísia. "Porque é para lá que nos estão a levar – com todo o respeito por esses países – mas em termos de desenvolvimento económico, nós fizemos metade do caminho que nos separava da Europa e agora estamos a voltar para trás. E qualquer dia estamos a atravessar o canal de Gibraltar até ao norte de África."