Rui Moreira aproveitou O Ataque aos Milionários para fazer a defesa do pai

Apresentação do livro de Pedro Jorge Castro no Porto ficou marcada pelo testemunho do presidente da câmara sobre a detenção do pai, em 1975, com algumas declarações inesperadas.

Foto
Manuel Roberto

Já foi reportagem na Sábado, tese de mestrado e agora é um livro. Publicado no mês passado, O Ataque aos Milionários, o livro do jornalista Pedro Jorge Castro sobre "o cerco" aos Espírito Santo, Mello e Champalimaud, entre outras famílias, em 1975, foi apresentado nesta terça-feira no Porto, com declarações emotivas e inesperadas, por um convidado que é filho de um dos protagonistas destas histórias: o presidente da câmara, Rui Moreira, recordou o processo do pai, o homónimo fundador da Molaflex.

“Não se tratou de ajustar contas com o passado, mas de deitar contas à história”, disse o autarca no final da sessão ao PÚBLICO, já depois de ter ouvido Pedro Jorge Castro dizer que só pela oportunidade de ouvir a história de Rui Moreira, já tinha merecido a pena fazer aquele livro.

Ao contrário do que se possa pensar, com este intróito, O Ataque aos Milionários não é panfletário: não é uma defesa dos empresários detidos arbitrariamente no pós-11 de Março, com mandados de captura em branco ou sem papéis, nem um libelo acusatório aos “fachos” cúmplices da ditadura. “Prevaleceu o jornalista”, resume Pedro Jorge Castro, que, em vez de investir nos adjectivos, apostou na entrevista de 47 pessoas ligadas aos factos e na investigação de duas dezenas e meia de arquivos, onde encontrou alguns documentos inéditos. Foi o caso da lista com os 305 nomes de administradores de bancos que deveriam ser impedidos de sair do país e ver as contas congeladas. O que deita por terra a ideia de que O Ataque aos Milionários foi uma acção espontânea, decidida a quente, durante o Governo de Vasco Gonçalves, em resposta a uma contra-revolução. Alguns dos visados já tinham dossiers completos a seu respeito, às vezes instruídos a partir de denúncias de credibilidade muito discutível.

O livro também inclui episódios cómicos, ou não estivesse em causa o PREC. Como as cartas de Otelo a pedir desculpa a alguns dos detidos, por estes recebidas quando já haviam sido presos uma segunda vez…

Pedro Jorge Castro já publicou Salazar e os Milionários, em 2009, sobre a correspondência e relações em geral entre os grandes capitalistas e o antigo Presidente do Conselho. Este Ataque aos Milionários inclui personagens novas, que não faziam parte do clube dos grandes capitães de indústria do Estado Novo.

“O meu pai era rico, mas não milionário”, contou Rui Moreira, garantindo que no negócio do transporte marítimo o pai até foi prejudicado pelo Estado Novo. Contou que o pai foi avisado por um conhecido comunista, cujo nome ontem não revelou, de que ia ser preso mal chegasse do estrangeiro, onde se encontrava de viagem, e mesmo assim regressou.

Foi preso em 1975 por Eurico Corvacho, comandante da Região Militar do Norte, e civis armados. Depois, ao longo de meses, foi submetido a interrogatórios de 16 horas, metido em celas com detidos de delito comum e torturado, com simulações de fuzilamento de outras pessoas. Ter comprado um aparelho de rádio para usar no porto de Viana do Castelo na actividade empresarial foi interpretado como aquisição de material para operações subversivas do Exército de Libertação de Portugal. Andou entre Custóias e Caxias, sem acusação e sem que a família soubesse dele. Esteve em isolamento e ganhou problemas de saúde na prisão de que nunca recuperou, contou Rui Moreira.

Então com 18 anos, o actual presidente da Câmara do Porto voltou de Londres onde estudava, para tentar ajudar o pai. Um familiar “de extrema-esquerda” e amigo de Otelo levou-o ao líder do COPCON. Otelo disse-lhe que não podia fazer nada pelo pai, porque este estava entre os presos que pertenciam a Eurico Corvacho. “Como se cada um tivesse a sua coutada de animais”, comentou Rui Moreira. O presidente da Câmara do Porto também acusou Rosa Coutinho, parceiro de bridge do pai, a quem devia favores, de lhe ter dito na cara que não conhecia a pessoa por quem o então jovem de cabelo comprido tentava interceder.

Em sentido contrário, Rui Moreira destacou a coragem e persistência na defesa do pai assumida por Francisco Sousa Tavares e Mário Soares, de cujas candidaturas presidenciais o autarca foi mandatário no Porto.

Por nomear, ficaram os responsáveis da banca nacionalizada, que fecharam o crédito à Molaflex, em nome de ideais revolucionários, e acabaram ligados à SLN e ao BPN. Para Rui Moreira, ver ainda essas pessoas na ribalta, como neoliberais, foi o que terá custado mais ao pai, falecido em 2000, que “não era contra o 25 de Abril” antes de ver “a revolução sequestrada por alguns”.