Testes de sangue podem prever casos de Alzheimer

Cientistas criaram método que detecta se uma pessoa desenvolverá demência no período de três anos.

Foto
Daniel Rocha

Um teste de sangue é capaz de prever se uma pessoa desenvolverá a doença de Alzheimer no período de três anos, dizem cientistas norte-americanos, que publicaram um estudo no jornal Nature Medicine.

O estudo identificou dez moléculas no sangue que podem ser usadas para prever, com 90% de certeza, se uma pessoa desenvolverá Alzheimer ou alguma degeneração cognitiva.

Os autores do estudo dizem que detectar a doença antecipadamente pode ajudar a prevenir outros sintomas.

Não há cura, ou tratamento efectivo, para a doença de Alzheimer, que afecta 35,6 milhões de pessoas no mundo inteiro. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o número de pacientes vai aumentar, estimando-se que em 2050 afecte 115,4 milhões de indivíduos.

Os investigadores do Georgetown University Medical Centre examinaram 525 pessoas saudáveis com 70 ou mais anos, monitorizando-os durante cinco anos.

“É preciso trabalhar mais para confirmar estas conclusões, mas um teste de sangue para identificar pessoas em risco de desenvolver Alzheimer seria um passo muito importante para a investigação”, diz Simon Ridley, chefe do Centro de Investigação de Alzheimer no Reino Unido, citado pelo Guardian.

Já Doug Brown, da Alzheimer Society do Reino Unido, diz que um teste deste tipo “pode levantar questões éticas”: “Se este teste for desenvolvido, as pessoas devem ter a opção de escolher entre saber ou não e perceber totalmente as implicações [do teste]".