Soares: “A única maneira de falar com os mercados é dizer-lhes: ‘Não, não pagamos’”

Em entrevista ao El País, o antigo Presidente da República acusa o Governo de destruir tudo o “que se construiu” com o 25 de Abril.

Foto
Mário Soares lamenta ver Portugal como um “protectorado da troika” Miguel Manso

Para o Governo de Pedro Passos Coelho, o que conta são os mercados, não as pessoas, diz Mário Soares, numa entrevista ao diário espanhol El País. Acusa o executivo PSD/CDS-PP de estar a destruir o Estado social e de só pensar em agradar aos mercados. O antigo Presidente da República considera que Portugal não tem condições de pagar a dívida pública (cerca de 130% do PIB) e que, por isso, deve assumi-lo perante os mercados.

Soares volta a apresentar o exemplo da Argentina, notando que o país se recusou a pagar a dívida em plena crise financeira. “A única maneira de falar com os mercados é dizer-lhes: ‘Não, não pagamos’. Foi o que disse a Argentina e não aconteceu nada. Sou um grande admirador de Obama e do Papa Francisco, duas figuras que me parecem das mais interessantes no mundo. E tanto um como o outro pensam que a austeridade não funciona, não serve para nada. Paul Krugman, que é prémio Nobel da Economia, diz o mesmo”.

“Há um tempo, esteve aqui um ministro chinês e disse-me que os prejudicava muito, na sua relação comercial com os Estados Unidos, o facto de Obama ter decidido emitir dólares. E eu pensei: se os europeus fizessem o mesmo, os nossos problemas resolviam-se. Bastaria dar à manivela de fabricar euros”, diz o histórico socialista, que acusa a chanceler alemã, Angela Merkel, de impedir uma resposta expansionista à crise por parte da Europa.

De volta ao executivo de Passos Coelho e aos quase três anos percorridos desde a entrada da troika: “Em Portugal nada está a mudar [na economia]. Foram anos terríveis. (…) Este Governo está amarrado à troika e aos mercados. São eles que contam, não as pessoas”.

Tudo o “que se construiu com um esforço brutal” desde a revolução do 25 de Abril — “um Estado social sério, sólido, com um serviço de saúde público, com uma educação fantástica e umas universidades equiparadas às de qualquer país europeu” — está a perder-se, diz Soares, acusando o Governo de “vender” o país. “Este Governo só está obcecado com os mercados. Os mercados têm de estar ao serviço das pessoas e não o contrário”.

Soares — o político que o El País descreve como o histórico socialista que, agora com 89 anos, se tem assumido nesta crise como a voz da “consciência da esquerda e da social-democracia” — revela angústia por ver Portugal como um “protectorado da troika”.

Na mesma entrevista, revisita os anos do exílio, os primeiros anos do Partido Socialista, a revolução. E, pelo meio, quando é questionado sobre o que sente mais orgulho enquanto esteve no poder, Soares responde: “De ter posto em marcha o Serviço Nacional de Saúde, a educação, o Estado social, de tudo o que agora estão a destruir. E, sobretudo, de ter sido alguém a impulsionar da cultura”. Acaba por confessar: “Sempre pensei que teria sido melhor escritor do que político”.