Governo francês tenta travar humorista acusado de anti-semitismo

Inquérito aberto contra Dieudonné, o pai do quenelle, um gesto que não pára de dar polémica, por “incitação ao ódio racional”.

Posters de espectáculos de Dieudonné no Théâtre de la Main d’Or, em Paris
Foto
Posters de espectáculos de Dieudonné no Théâtre de la Main d’Or, em Paris Benoit Tessier/Reuters

Quenelle, ou glissant des quenelles, como diz o seu inventor, Dieudonné M’bala M’bala, é um gesto, anti-sistema, segundo o humorista, anti-semita, segundo o Governo francês e parte dos seus seguidores, onde se incluem, por exemplo, membros do partido de extrema-direita Frente Nacional. A procuradoria de Paris abriu esta segunda-feira um inquérito preliminar por “incitação ao ódio racial” contra Dieudonné – o motivo não é o quenelle, mas podia ser.

Dieudonné é conhecido há muitos anos – nos anos 1990, e durante sete anos, teve um duo com um artista judeu, Eli Semour –, o polémico quenelle é mais recente, assim como os seus problemas com a justiça. Enfim, ele já é um pária desde que, em 2003, surgiu com alguns adereços de judeu ultra-ortodoxo e um blusão militar num monólogo que acabava com a saudação nazi.

O quenelle popularizou-se depressa. O próprio Dieudonné estima que mais de 9000 pessoas se tenham fotografado a fazer o quenelle nos últimos meses (todas as fotos são naturalmente publicadas na Internet); algumas são personalidades públicas e algumas pediram desculpa depois de saberem da conotação anti-semita do gesto. O último foi o futebolista Nicolas Anelka, que no sábado festejou assim o segundo golo do West Bromwich contra o West Ham, “uma dedicatória especial ao meu amigo comediante Dieudonné”, explicou no Twitter.

O comediante diz que se trata de “um gesto de insubmissão ao sistema”. O presidente da Liga Internacional Contra o Racismo e o Anti-semitismo, Alain Jakubowicz, descreve-o como uma “saudação nazi invertida, o que significa a sodomização das vítimas” do Holocausto. Quenelles são uns bolinhos fritos, de peixe ou de carne. O gesto, na verdade, assemelha-se bastante ao tradicional manguito. Ouvido pelo Libération, o politólogo Jean-Yves Camus defende que Dieudonné une “um movimento transversal e anti-sistema, que tem no anti-semitismo a sua coluna vertebral” e que “recusa uma ordem mundial dominada pelo eixo Washington-Telavive”.

Em Setembro, já a polémica tinha estalado por causa de dois militares que decidiram fotografar-se a fazer o quenelle diante de uma sinagoga no centro de Paris. “Ofenderam o uniforme e os valores do Exército”, disse na altura o ministro da Defesa, Jean-Yves Le Drian. Dois meses depois, Dieudonné foi condenado a pagar 28 mil euros por difamação, injúria e provocação ao ódio e à descriminação racional por causa de uma canção.

Dieudonné tornou-se demasiado popular. E o Governo francês decidiu que não o pode tolerar e quer tentar proibir os seus espectáculos, o que não se avizinha tarefa fácil. Já em 2010, o Conselho de Estado confirmou o direito do humorista a actuar numa localidade – a autarquia tentou impedir a actuação.

O processo agora iniciado apoia-se num vídeo gravado por um espectador e transmitido depois na France 2 onde Dieudonné ataca um jornalista da rádio pública France Inter, Patrick Cohen. “Estás a ver, se o vento muda, não tenho a certeza se ele tem tempo para fazer a mala. Quando o oiço falar, Patrick Cohen, penso, estás a ver, as câmaras de gás… Que pena.”

Os ataques do humorista contra Cohen são frequentes desde que o jornalista perguntou ao apresentador de um programa de televisão se ele tencionava continuar a convidar “personalidades como Tariq Ramadan, Dieudonné, Alain Soral”. Ramadan é um académico muçulmano, suíço de origem egípcia, habituado a enfrentar suspeitas (é tratado como ocidental pelos árabes e muitos ocidentais acusam-no de ter uma agenda escondida de islamização da Europa). Soral, um ensaísta que diz estar na avant-garde política da sociedade francesa, é criticado pelo seu anti-semitismo e considerado ideólogo da extrema-direita. Também ele fez o quenelle, escolheu o Memorial do Holocausto em Berlim.

Dieudonné, filho de um camaronês e de uma francesa da Bretanha, defende-se sempre com a liberdade de expressão. Nos últimos anos aproximou-se do antigo líder da Frente Nacional, Jean-Marie Le Pen, padrinho do seu quarto filho, nascido em 2008. Em 2009, o humorista quis candidatar-se ao Parlamento Europeu à frente de uma lista assumidamente anti-sionista.

O processo agora iniciado tem grandes probabilidades de chocar com a Constituição Francesa ou com a Convenção Europeia dos Direitos Humanos. O ministro do Interior, Manuel Valls, diz-se decidido a “romper a mecânica do ódio” e quer “proibir reuniões públicas que já não pertencem à dimensão criativa”, querendo com isto dizer que vai defender o risco de provocação de distúrbios públicos dos espectáculos de Dieudonné.