CTT com lucros de 45,2 milhões em vésperas de privatização

Receitas continuam a diminuir, com maior impacto no negócio tradicional dos correios

Foto
Maioria do capital da empresa vai ser disperso em bolsa em Dezembro PÚBLICO/Arquivo

Os CTT registaram lucros de 45,2 milhões de euros no terceiro trimestre de 2013, o que significou uma subida de 27,7% face ao mesmo período do ano passado. Este aumento foi anunciado a um mês da privatização da empresa na bolsa.

De acordo com um comunicado divulgado nesta terça-feira pelo grupo estatal, as receitas continuam a cair, embora a um ritmo menos acentuado. Os rendimentos operacionais desceram 1,8% entre Janeiro e Setembro, passando de 529,3 para 520 milhões de euros.

Em termos percentuais, o negócio das soluções empresariais foi o mais afectado, com uma queda de 9,4%. No entanto, é no segmento tradicional dos serviços postais que a redução de receitas é mais expressiva, já que a descida em termos absolutos foi de 11,5 milhões de euros. Já o negócio expresso e os serviços financeiros registaram acréscimos de 0,3 e 1,1%, respectivamente.

Já o número de trabalhadores da empresa caiu 5% até ao final do terceiro trimestre, passando de 12.428 para 11.804. Uma redução que, no comunicado, os CTT explicam com a "necessária política de ajustamento dos recursos humanos à evolução do mercado".

Em termos de dívida, houve um agravamento face a 2012, com o endividamento a crescer 12,2% entre Janeiro e Setembro deste para um total de 212,1 milhões de euros. 

O Governo aprovou, a 10 de Outubro, o modelo de privatização dos CTT – uma operação que integra o programa acordado com a troika. A venda será feita através da dispersão em bolsa da maioria do capital da empresa (até 70%), sendo que o ministro da Economia, António Pires de Lima, revelou recentemente que o negócio será concretizado até ao final da primeira semana de Dezembro. O objectivo, a médio prazo, é que o Estado se desfaça totalmente da posição que detém no grupo.  

No comunicado, a administração escreve que "os CTT estão activamente e em estreita coordenação com o seu accionista a trabalhar para assegurar a execução da operação, com grande dedicação e empenho de vastas equipas internas e do apoio dos assessores estratégicos, financeiros e jurídicos".

Tal como o PÚBLICO noticiou recentemente, a privatização vai ser antecedida da transferência dos reformados dos CTT para a ADSE. O sistema de saúde da função pública assumirá as responsabilidades financeiras da empresa, que em contrapartida pagará ao Estado cerca de 200 milhões de euros no próximo ano.