E você? Está satisfeito com o seu emprego?

Em Portugal, 65% dos trabalhadores estão desmotivados e não se sentem envolvidos na actividade da empresa.

Fraco envolvimento dos trabalhadores nas empresas tem impactos económicos, diz estudo
Foto
Fraco envolvimento dos trabalhadores nas empresas tem impactos económicos, diz estudo Miguel Madeira

Para 65% dos portugueses, o trabalho não traz satisfação. Desmotivados e distantes dos objectivos da empresa, não sentem qualquer ligação emocional à actividade do negócio, nem estão centrados na criação de valor. Apenas 19% dos trabalhadores sentem o contrário.

O clima económico não ajuda a inverter os dados, divulgados esta semana pela consultora norte-americana Gallup, que entrevistou 230 mil trabalhadores de 142 países, em 2011 e 2012. Mas entre as 19 economias da Europa Ocidental, Portugal até não está mal posicionado. Em média, 66% dos trabalhadores europeus não se sentem ligados à empresa; 14% estão satisfeitos. Já a nível global, apenas 13% dos funcionários questionados se sentem comprometidos com os objectivos do seu empregador.

Os elevados níveis de desemprego na Europa ajudam a explicar os resultados do estudo, intitulado State of the Global Workplace: Employee Engagement Insights for Business Leaders Worldwide. “Os reduzidos níveis de confiança nos mercados de trabalho locais podem levar muitos trabalhadores a continuarem num emprego que não os motiva, em vez de procurarem outras oportunidades”, lê-se no documento.

Em apenas sete dos 19 países europeus o número de trabalhadores comprometidos com o seu emprego ultrapassa o dos que a consultora designa por "activamente distantes”, ou seja, pessoas com uma visão muito negativa e até hostil da empresa. Neste grupo, estão 16% dos inquiridos portugueses; a média entre as economias da Europa Ocidental é de 20%.

“A severidade da crise da dívida e as medidas de austeridade em muitos destes países ajudam a explicar a avaliação que os inquiridos fazem da sua vida”, continua o relatório. Quando questionados sobre a satisfação com a vida em geral – numa escala de zero a dez -, os que se sentem motivados no emprego escolhem pontuações mais elevadas. A nível global, estes trabalhadores têm 1,6 vezes mais possibilidade de sentir que estão a evoluir a nível profissional e pessoal do que os que são “activamente distantes”. Neste ponto, 25% dos portugueses indicam estar num momento de ascensão. Mas 61% sentem dificuldades e 14% dizem mesmo que estão a "sofrer".

Alemanha com um “sério problema de gestão”
A Gallup garante que a insatisfação laboral e o fraco envolvimento dos trabalhadores têm impactos económicos. Nos Estados Unidos, a ténue ligação à empresa custa entre 450 a 550 mil milhões de dólares por ano (entre 331 mil milhões e 405 mil milhões de euros). Na Alemanha, que merece um capítulo autónomo neste estudo, os números rondam os 112 mil milhões e os 138 mil milhões de euros. A consultora diz mesmo que o país de Angela Merkel tem um “sério problema de gestão”, com 61% dos trabalhadores a não se sentirem comprometidos com a empresa.

“As empresas [alemãs] não estão a conseguir criar uma cultura que vá ao encontro das expectativas e necessidades dos seus trabalhadores”, lê-se no relatório. Uma das causas são os critérios usados para promover funcionários e a forma como os gestores (não) motivam e inspiram. “As empresas têm de entender que conseguir o envolvimento dos trabalhadores implica talento e promover pessoas sem competência para gerir prejudica os trabalhadores, as empresas e os lucros”, escreve a Gallup, sedeada em Washington.