Candidatura de Ribau Esteves denuncia “campanha negra e anónima”

Cartas anónimas estão na origem da polémica em Aveiro.

Foto
Fernando Veludo/NFACTOS

Os últimos dias de campanha eleitoral em Aveiro estão a ser marcados pela circulação de cartas anónimas a atacar a candidatura da coligação PSD/CDS/PPM (Aliança com Aveiro). A primeira terá sido posta a circular no passado fim-de-semana e atacava, em concreto, o cabeça de lista à câmara, Ribau Esteves.

Agora, a Aliança com Aveiro vem falar na existência de uma nova carta anónima, desta vez visando o candidato a presidente da junta de união de freguesias de Requeixo, Nossa Senhora de Fátima e Nariz, Antero Santos.

Segundo denunciou a coligação, em comunicado, “além dessa carta de conteúdo falso e miserável, o Sr. Antero Santos recebeu ontem [anteontem], cerca das 18 horas, um telefonema anónimo com uma ameaça de morte, pelos mesmos motivos da carta anónima”.

Ainda que não divulgue o teor desta carta, a candidatura PSD/CDS/PPM diz que “repudia” esta situação, garantindo que será feita “participação-crime às autoridades policiais e à Comissão Nacional de Eleições”. E classifica estas atitudes como uma “campanha anónima e negra”.

“Vivemos e viveremos até ao final deste processo eleitoral uma candidatura sem medos e sem mentiras, com o sentido responsável, utilizando a verdade, assumindo a maior respeitabilidade pelos colegas adversários e honrando o bom espírito de luta democrática e tolerante de Aveiro”, asseguram os responsáveis pela candidatura PSD/CDS/PPM.

O PÚBLICO tentou contactar o cabeça de lista da Aliança com Aveiro, Ribau Esteves, para apurar mais pormenores sobre esta denúncia, mas tal revelou-se impossível até ao momento.

Além da candidatura da coligação PSD/CDS/PPM, a corrida à Câmara de Aveiro está ainda a ser disputada por um movimento de independentes liderado por Élio Maia, actual presidente da autarquia – e que congrega vários elementos das estruturas locais do PSD e do CDS/PP –, por Eduardo Feio, candidato do PS, Miguel Viegas (CDU), Nélson Peralta (BE), Vítor Ramalho (PNR) e Luís Rebocho (PCTP-MRPP).