Governo não terá colaboração do PS para mais cortes, diz Seguro

Líder do PS volta a admitir votar contra o Orçamento do Estado.

Jorge Moreira da Silva considerou "irrealistas" as propostas do PSAntónio José Seguro quer união em torno de um "Governo credível"Pedro Mota Soares diz que PS é responsável por fim de negociações
Foto
PS não colaborará com o Governo, garante Seguro Nuno Ferreira Santos

O secretário-geral do PS, António José Seguro, disse nesta segunda-feira que o Governo “não terá a colaboração” dos socialistas para mais cortes, quer no que se refere ao próximo Orçamento quer nas futuras negociações com a troika.

Em Estremoz, Seguro foi questionado sobre o desafio lançado pelo porta-voz do PSD, Marco António Costa, para que o PS trabalhe com o Governo para o sucesso das oitava e nona avaliações do programa de resgate a Portugal.

“Já tive oportunidade de dizer ao primeiro-ministro, não é de agora, que é necessário que abandone a política de cortes. Persiste, naturalmente que não tem a colaboração do PS”, respondeu o líder socialista.

O secretário-geral do PS insistiu, por outro lado, que um Orçamento do Estado (OE) “com cortes nunca terá o voto” favorável dos socialistas e desafiou o primeiro-ministro a “ouvir” o “apelo” que lhe fazem os portugueses.

“O apelo que, neste momento, faz sentido é o apelo que os portugueses fazem para que o primeiro-ministro não faça cortes nas pensões, nas reformas, na educação pública e na saúde”, argumentou.

Esse é “o grande apelo que o país faz”, mas, “pelos vistos, o primeiro-ministro é insensível” ao mesmo, disse o líder socialista, deixando um desafio a Pedro Passos Coelho: “O primeiro-ministro tem que ouvir os portugueses e mudar de caminho”.

António José Seguro falava aos jornalistas em Estremoz, onde visitou e conversou com uma família que atravessa dificuldades, constituída por um casal desempregado e com dois filhos em idade escolar.

Depois de estar reunido com esta família, o líder socialista reagiu, em declarações aos jornalistas, ao apelo lançado hoje pelo porta-voz do PSD, Marco António Costa, ao PS.

O dirigente social-democrata apelou ao PS para que espere pelo "texto concreto" do OE para 2014 para definirem o seu sentido de voto, acusando os socialistas de irresponsabilidade e eleitoralismo.

As declarações de Marco António Costa surgiram depois de, em entrevista publicada na edição de domingo do Diário de Notícias, António José Seguro deixou implícito que o PS irá votar contra o OE.

Em Estremoz, o líder socialista insistiu neste “chumbo” socialista ao OE para 2014, sem necessidade de conhecer a proposta concreta do Governo.

“O primeiro-ministro já disse que vêm aí cortes superiores a quatro mil milhões de euros e todos nós sabemos que, todos os dias, se anunciam mais cortes”, disse.

Portanto, a posição do PS é “muito simples”, frisou Seguro: “O primeiro-ministro prepara um orçamento para depois das autárquicas com mais cortes. O PS é contra e votará contra esse OE, que é um orçamento de cortes”.

“O orçamento com cortes nunca terá o voto do PS”, pois, “mais cortes significam mais austeridade, mais recessão, mais falência e mais desemprego. Chega, basta desta política de cortes”, sublinhou, acrescentando ainda que “os portugueses não aguentam mais”.

E, caso o Governo não seja da mesma opinião, desafiou, “o primeiro-ministro que venha conhecer a realidade do país, as famílias, os empresários e os comerciantes que passam dificuldades”.