Área ardida em Agosto é mais de três vezes superior à do resto do ano

Desde o início do ano, arderam 94 mil hectares, mais 25% do que em igual período de 2012.

Foto
Dato Daraselia

Só em Agosto, arderam 72.284 hectares de floresta e mato, uma área mais de três vezes superior à que ardeu nos restantes meses deste ano. E as últimas duas semanas foram as mais negras: de 16 a 31 de Agosto, arderam cerca de 63 mil hectares, mais do que o dobro da área ardida até 15 de Agosto.

Até à segunda quinzena de Agosto os incêndios florestais tinham consumido cerca de 31 mil hectares.

Segundo o mais recente relatório do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) sobre os incêndios, desde o início do ano até 31 de Agosto, arderam 94.155 hectares, mais 25% do que em igual período de 2012. Mais de três quartos desta área (77%) arderam em Agosto, mês em que se registaram 7283 ocorrências (cerca de 52% do total até à data), um valor bastante acima da média dos últimos dez anos para este mês: 5467.

No relatório, o ICNF realça que, no mês passado, as condições meteorológicas foram favoráveis ao aumento do risco de incêndio, com temperaturas máximas superiores a 30 graus em todo o território e vento fraco de leste – o que levou a Protecção Civil a decretar estados de alerta amarelos ou laranja desde 9 de Agosto, sem interrupção.

Ainda assim, o ICNF sublinha que os valores totais (de 1 de Janeiro a 31 de Agosto) estão abaixo da média da última década: registaram-se menos 15% de ocorrências e ardeu menos 20% do que o valor médio de área ardida nos últimos dez anos.

Este ano também houve menos reacendimentos: 588, cerca de 54% da média dos últimos dez anos.

O relatório indica que, até 31 de Agosto, registaram-se 106 incêndios com área ardida em espaço florestal maior ou igual a cem hectares. Estes grandes incêndios consumiram 84% do total de área ardida, ou seja, 79.187 hectares.

O maior incêndio do ano continua a ser o que deflagrou a 9 de Julho em Picões, na freguesia de Ferradosa, em Alfândega da Fé (Bragança). Este fogo consumiu 11.980 hectares de floresta.

Bragança, com 18.307 hectares de área ardida, está entre os distritos mais fustigados pelas chamas, mas é Viseu que encabeça a lista: até 31 de Agosto, arderam 27.655 hectares. Destes, cerca de 12 mil hectares dizem respeito à área queimada na serra do Caramulo – onde perderam a vida três bombeiros –, que engloba os concelhos de Tondela, Vouzela e Oliveira de Frades.

O Porto é o distrito com maior número de ocorrências (4339), seguido de Braga (1447) e Viseu (1385).

Acompanhe o trabalho especial do PÚBLICO sobre incêndios e florestas e consulte as previsões do site de meteorologia do PÚBLICO.