Ex-Presidente alemão vai ser julgado por uma conta de hotel de 800 euros

Tribunal de Hanôver deixou cair as acusações mais pesadas, como corrupção passiva.

Foto
Christian Wulff no momento da demissão da Presidência, em 2012 ODD ANDERSEN/AFP

O mais jovem Presidente de sempre da Alemanha, e aquele que menos tempo esteve no cargo, vai ter de responder em tribunal por ter aceitado uma estadia de hotel paga por um empresário, a quem depois ajudou. Christian Wulff (CDU), 54 anos, enfrentava um inquérito por alegada corrupção, mas durante a investigação o tribunal deixou cair as acusações mais graves.

Wulff foi eleito em Junho de 2010 e demitiu-se a 17 de Fevereiro de 2012, depois de a Justiça ter confirmado o levantamento da imunidade presidencial. Estava sob suspeita de ter praticado diversos crimes de corrupção, incluindo corrupção passiva, na época em que tinha sido governador do estado-federado da Baixa-Saxónia (2003-2010).

Em causa estava o facto de ter aceitado em 2008 um empréstimo de 500 mil euros, financiado pela mulher de um empresário e com juros abaixo dos praticados no mercado bancário, para comprar casa. O caso foi revelado pelo jornal de maior circulação na Alemanha, o tablóide Bild, cujo director revelaria nessa altura ter sido pressionado por Wulff para abafar a história.

O comportamento deste político, considerado um conservador moderno, aguçou o apetite dos investigadores e dos media, que colocaram Wulff debaixo de lupa. E acabaram por revelar outros casos em que teria havido ligações pouco claras a empresários, aceitando dinheiro em troca de favores.

As acusações mais graves acabaram por cair durante o inquérito, mantendo-se a que diz respeito ao pagamento da estadia de Wulff num luxuoso hotel de Munique, durante a célebre Oktoberfest, em 2008. Quem pagou essa estadia, ou pelo menos uma parte, foi um produtor de cinema, David Groenewold, a quem depois Wulff teria ajudado a angariar apoios financeiros. Groenewold pagou, segundo a acusação validada pelo tribunal de Hanôver, que irá julgar o caso, menos de 800 euros pela estadia de Wulff.

A justiça alemã, conta a edição online da revista Spiegel, não poupou esforços na investigação: quatro procuradores, 24 investigadores da polícia, 20 mil páginas no processo e mais de 100 testemunhas foram ouvidas.

Uma vez que a quantia em causa, menos de 800 euros, era pequena, a acusação ainda propôs um acordo extrajudicial a Wulff e a Groenewold (que também será julgado): o caso seria arquivado em troca de uma multa de 65 mil euros. Porém, ambos rejeitaram.

O julgamento deve começar a 1 de Novembro deste ano, com duas sessões semanais.