Taxa de desemprego recuou em Junho para 17,4%

Número de desempregados baixou para 923 mil – menos nove mil do que em Maio, mas mais 62 mil do que um ano antes.

Foto
Em Junho, havia mais desemprego entre os homens do que entre as mulheres Paulo Pimenta

A taxa de desemprego em Portugal recuou pelo segundo mês consecutivo, baixando em Junho para 17,4% da população activa. O número de pessoas que estão fora do mercado de trabalho continua em níveis historicamente elevados, com a taxa de desemprego num valor idêntico ao do final do ano passado.

Nas contas do Eurostat, que nesta quarta-feira actualizou os seus dados mensais, havia em Junho 923 mil desempregados em Portugal, menos nove mil do que no mês anterior, mas mais 62 mil do que um ano antes.

O instituto estatístico europeu calcula a taxa de desemprego para Portugal tendo em conta as últimas estatísticas do Instituto Nacional de Estatística (que só publica dados trimestrais) e a evolução do desemprego registada pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). Nos três primeiros meses do ano, a taxa situou-se em 17,6% da população activa, avançou para 17,8% em Abril, recuou para valores de Março no mês seguinte, para agora descer para 17,4%.

Para a descida ligeira do desemprego, já observada em Maio, terão contribuído os efeitos do emprego sazonal de Verão, mas será preciso aguardar pela publicação das estatísticas trimestrais do INE para se fazer uma leitura mais completa dos dados.

Entre os jovens (a população até aos 25 anos) havia 41% de desempregados (164 mil pessoas, menos seis mil do que no mês anterior).

Ao contrário da tendência europeia, registava-se em Junho mais desemprego entre os homens do que entre as mulheres. Segundo o Eurostat, 17,5% da população masculina não encontrava lugar no mercado de trabalho, enquanto entre a população feminina a taxa se situava em 17,3%.

Tanto na zona euro como no conjunto dos 28 países da União Europeia, o nível de desemprego manteve-se inalterado entre Maio e Junho. No espaço da moeda única a taxa correspondia a 12,1% da população activa; já na UE havia 11% de desempregados.