Com a ajuda da Noruega, Portugal recupera herança judaica

Rotas de Sefarad vai custar cinco milhões de euros e poderá atrair 300 mil turistas.

Foto
Belmonte será um dos pontos fundamentais da rota Paulo Pimenta

Estes são os valores estimados do potencial económico de um projecto que, como sublinham os seus promotores, é em primeiro lugar cultural.

“Há 14 milhões de judeus no mundo, 20 por cento dos quais são de origem sefardita [judeus da Península Ibérica]”, lembrou, em declarações ao PÚBLICO, Jorge Patrão, secretário-geral da Rede de Judiarias de Portugal, no final da cerimónia, na Biblioteca do Palácio da Ajuda, em Lisboa, em que foi anunciado o projecto. “A Espanha está a apostar muito nas ligações aéreas com Israel, que nós não temos. Estes mercados têm que ser tratados como emergentes e estratégicos. Mas isto não é um projecto turístico, é um projecto cultural. O principal para nós é recuperar esta vertente da história de Portugal que está esquecida”. 

O projecto nasceu há cerca de dois anos, e, segundo contou Patrão, foi apresentado inicialmente ao então secretário de Estado da Cultura Francisco José Viegas, que sugeriu a candidatura ao EEA Grants, um programa da Noruega, Islândia e Liechtenstein (no qual a Noruega contribui com 97% do fundos). “Encaixa muito bem naquilo que queremos apoiar, que são projectos ligados ao património mas que permitam também desenvolver o turismo e que esperamos que contribuam para a economia”, afirmou o embaixador norueguês, Ove Thorsheim, também presente na cerimónia. 

A Noruega contribui com quatro milhões de euros, enquanto o Estado português participa com cerca de 700 mil euros – um total de perto de cinco milhões que permitirá restaurar ou valorizar símbolos da presença judaica em Portugal. Estão previstos, entre outros, a revitalização da sinagoga de Tomar, a criação de um Memorial da Vida de Aristides Sousa Mendes, em Vilar Formoso, a recuperação das sinagogas de Almeida e de Vilar Maior (uma antiga sinagoga medieval recentemente descoberta), criar o Centro de Interpretação da Cultura Sefardita do Nordeste Transmontano, em Bragança (com projecto do arquitecto Eduardo Souto de Moura), ou a recriação da Casa da Inquisição em Reguengos de Monsaraz. A criação da rota envolve nove municípios e seis entidades regionais de turismo, para além da Comunidade Judaica de Belmonte. 

O secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, declarou ao PÚBLICO que a iniciativa vai traduzir-se num aumento “significativo” dos visitantes, atraídos pela história, mas escusou-se a avançar números. “O turismo é um resultado. Não há um turismo qualificado sem haver antes um trabalho de projecto cultural. O que nos distingue de outros países é a densidade do nosso património nas mais diversas vertentes e o que estamos a fazer aqui hoje é a investir numa dessas vertentes. Brevemente anunciaremos investimentos num conjunto de catedrais, o património cristão. Será interessante também trabalhar o património islâmico.”

Durante a cerimónia tinha deixado um recado aos responsáveis autárquicos envolvidos: “Não podemos pensar que vamos usar este dinheiro para ganhar mais uma eleição, arranjar uma parede ou fazer um site”. Este é um projecto no qual “não há hipótese de falhar [porque] nenhum de nós tem hoje tempo, disponibilidade ou dinheiro para poder falhar.”