Vimeca diz que passes sociais vão mesmo acabar a partir de 1 de Agosto

Transportadora rodoviária não chegou a acordo com o Estado sobre o pagamento das dívidas referentes a 2011, 2012 e 2013.

Foto
Empresa já está a aconselhar os utentes a escolher o passe combinado Pedro Cunha/Arquivo

A transportadora rodoviária Vimeca informou na quarta-feira que não chegou a acordo com a Secretaria de Estado dos Transportes e que, por isso, o fim dos passes intermodais vai mesmo acontecer a partir de 1 de Agosto.

Em resposta às questões colocadas pela agência Lusa, a Vimeca, que opera nos concelhos da Grande Lisboa, dá conta de que “não chegou a acordo com a Secretaria de Estado dos Transportes, porque não lhe foi apresentado qualquer acordo em concreto”.

“A verdade é que o Estado deve à Vimeca desde 2011 mais de sete milhões de euros, segundo as nossas contas, e não assume o compromisso de quando liquidará esta dívida há muito vencida”, refere.

Na mesma nota escrita, a empresa, que inclui ainda a Scotturb, esclarece que “fez de tudo” para chegar a acordo e lamenta as declarações proferidas na terça-feira pelo secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, sobre a existência de um acordo com outros operadores privados, para a divisão das receitas dos passes, nomeadamente com a Rodoviária de Lisboa (RL) e os Transportes Sul do Tejo (TST).

Em declarações ao Jornal de Negócios, Sérgio Monteiro disse que o Governo chegou a acordo com "a maioria dos operadores privados" e que estes aceitaram "o princípio de que o ajustamento tem de ser feito com a contribuição de todos". O acordo prevê o pagamento das dívidas aos operadores no valor total de 20 milhões de euros (referentes aos anos de 2011, 2012 e 2013).

Sobre a negociação com a Vimeca e com a Scotturb, o secretário de Estado disse que o Governo tudo fará para que o acordo seja possível até ao final deste mês. À RTP, disse que esperava conseguir um acordo até ao final desta semana para evitar que os utentes fiquem sem passes. "Não sendo possível, saberemos defender adequadamente o interesse dos utilizadores servidos por este operador", disse o governante ao Jornal de Negócios.

Segundo o mesmo jornal, o executivo poderá impor à empresa que aceite o acordo, tendo em conta que opera uma concessão pública. A transportadora já disse, no entanto, que vai mesmo abandonar o sistema de passes. Contactada pelo PÚBLICO nesta quinta-feira, a Autoridade Metropolitana de Transportes de Lisboa, que representa o Governo nas negociações, informa apenas que estas "ainda não estão fechadas". Aquele organismo espera conseguir chegar a acordo com a Vimeca "até 31 de Julho".

O PÚBLICO tentou contactar a Vimeca mas não obteve resposta.

Avanços e recuos
As conversações arrastam-se há meses e a empresa chegou mesmo a anunciar o fim dos passes sociais. No entanto, em Março recuou e disse estar disponível para negociar com o Governo até 30 de Junho.

A empresa, que serve os concelhos de Sintra, Amadora, Oeiras, Cascais e Lisboa, acusa o governante de, com as recentes declarações, “tentar colocar a Vimeca numa posição de braço de ferro com o Estado, o que não é verdade”.

“Havendo realmente um acordo, como afirma o doutor Sérgio Monteiro, seria de bom tom e a bem do esclarecimento público que os termos e a data desse suposto acordo fosse divulgado”, lê-se no comunicado da empresa.

Perante a ausência de acordo, a Vimeca adianta que a partir de 1 de Agosto não serão aceites as modalidades dos passes sociais, uma informação já disponível aos utentes na página da Internet da empresa, que sugere ainda que os utentes procurem os seus passes combinados.