Governo aprovou processo de privatização de 100% dos CTT

Ofertas devem ser feitas até ao final deste ano. Serão garantidos até 5% para os trabalhadores.

Os CTT têm a concessão de caixas de correio electrónicas de adesão facultativa
Foto
Governo quer vender empresa de correios ainda durante este ano Foto: Miguel Madeira

O Governo aprovou esta quinta-feira o processo de privatização dos CTT que implica a venda total da empresa, das participadas e das suas participações indirectas noutras companhias. O processo de candidaturas deve estar concluído até ao final deste ano.

O secretário de Estado das Finanças, Manuel Rodrigues, escusou-se a falar em valores para o negócio ou mesmo sobre a avaliação da empresa feita pelo Governo. Mas disse que, ainda que a questão financeira seja importante, haverá “critérios exigentes” que o comprador terá de cumprir, como é o caso do “projecto estratégico tendo em vista o desenvolvimento da actividade”, assim como a “idoneidade do comprador”.

“O Governo vai garantir uma participação de até 5% para os trabalhadores”, garantiu ainda o secretário de Estado. Entre as empresas participadas que também serão alienadas estão, por exemplo, a CTT Expresso, Payshop e PostContact.

Segundo Manuel Rodrigues, o Governo optou por aprovar um “modelo flexível” que prevê diversas modalidades para o processo de venda. Assim, a privatização pode ser feita através da “venda directa, por negociação com investidores de referência que se comprometam com um projecto estável e de longo prazo” ou através de uma operação pública de venda, ou até mesmo por uma operação que permita a acumulação dos vários modelos.

A nomeação da comissão de acompanhamento da privatização será feita “muito em breve”. “Esperamos que seja um processo de privatização competitivo. Haverá duas fases: a primeira com ofertas não- vinculativas e depois a segunda já de ofertas vinculativas”, descreveu o secretário de Estado, que espera ter estas duas fases concluídas até ao final deste ano.