Proposta de ensino da Constituição nas escolas deve ser rejeitada, diz Fernando Negrão

Os Verdes querem que os alunos do 3.º ciclo estudem a Constituição, mas o deputado do PSD rejeita a proposta devido à "carga ideológica muito forte" do documento.

Fernando Negrão (PSD) disse ainda não ter sido formalmente informado dos nomes indicados pelos partidos.
Foto
Fernando Negrão (PSD) disse ainda não ter sido formalmente informado dos nomes indicados pelos partidos. Daniel Rocha

A inclusão da Constituição da República Portuguesa no programa de ensino obrigatório do 3.º ciclo é debatida nesta quinta-feira no Parlamento, no seguimento de uma proposta do Partido Ecologista Os Verdes (PEV). O presidente da Comissão de Assuntos Constitucionais, Fernando Negrão, já veio defender que “os alunos não devem ter nenhum contacto com esta Constituição” e que, por isso, o projecto de resolução deverá ser rejeitado.

O deputado social-democrata sublinhou, em declarações ao jornal i, que faz mais sentido que os alunos estudem “conteúdos de direito constitucional” que não estejam vinculados a ideais “de direita ou de esquerda”. Até porque, conforme esclareceu à TSF, a Constituição da República Portuguesa é “datada” e, por isso, “tem uma carga ideológica muito forte”. Para Negrão, o Parlamento deverá rejeitar a proposta feita pelo PEV.

Fernando Negrão apelou a que Os Verdes proponham antes “um ensino em etapas relativamente ao direito constitucional”, já que considera ser “excessivo começar com a leitura e o estudo” do documento.

Heloísa Apolónia, líder parlamentar do PEV, afirmou não compreender o sentido destas afirmações e disse à mesma rádio que o que se pretende é “uma abordagem da Constituição em função da idade [dos alunos]”. A deputada já tinha explicado ao PÚBLICO que o projecto de resolução foi criado porque há um “desconhecimento”, por parte dos cidadãos portugueses, em relação à Constituição, “principalmente na camada mais jovem”.

Para além do estudo da Constituição, o PEV quer também que exista uma cópia deste documento em todas as escolas, para que seja facilmente consultável por professores e alunos.