Pizarro promete prioridade às pessoas, transparência e rigor na gestão dos recursos públicos

Candidatura do PS à Câmara do Porto apresentada neste sábado.

Foto
Manuel Pizarro e António José Seguro, no Porto Adriano Miranda

Manuel Pizarro, acompanhado do secretário-geral do PS, António José Seguro, subiu neste sábado ao palco, na Alfândega do Porto, para apresentar a sua candidatura à cidade e dizer que tem o apoio incondicional do PS. “Com honra e com responsabilidade apresento-me hoje como candidato do PS à Câmara Municipal do Porto”, começou assim o seu discurso.

“É com satisfação que tenho a meu lado todo o Partido Socialista, numa emocionante manifestação de unidade e de solidariedade e é com redobrada alegria que sinto o apoio de tantas personalidades da cidade que, mantendo a sua independência, quiseram integrar a minha Comissão de Honra”, declarou.

Na Alfândega do Porto, onde reuniu várias centenas de apoiantes e simpatizantes, Manuel Pizarro falou para os portuenses para lhes dizer que “esta é uma candidatura do PS mas é, ao mesmo tempo (...), uma candidatura do Porto e pelo Porto. Uma candidatura que faz apelo aos valores mais profundos da cidade”.

Afirmando conhecer bem aquela que é a sua cidade e de se orgulhar da sua história, o candidato socialista disse estar consciente dos problemas que o Porto enfrenta, nomeadamente o desemprego que, sublinhou, “atinge mais de 20 mil pessoas”. “A cidade perdeu 80 mil habitantes nos últimos 30 anos e este êxodo populacional foi acompanhado de uma progressiva degradação do edificado, que vai já muito para além do centro histórico. Apesar dos esforços em iniciar uma política de reabilitação, com alguns sinais visíveis, o centro histórico perdeu 40% dos seus moradores na última década”, afirmou.

“A minha candidatura norteia-se por três princípios de que não abdicaremos: absoluta prioridade às pessoas, rompendo com o velho paradigma da governação assente no betão e nas obras; aumentar a transparência, a democraticidade e a participação na gestão municipal e rigor e a probidade na gestão dos recursos públicos, de modo a que a Câmara possa sempre honrar com prontidão os seus compromissos”.

Perante uma plateia que o aplaudiu por diversas vezes, Manuel Pizarro reafirmou a seguir que a sua acção como presidente da câmara será “integralmente inspirada por três valores: prioridade às pessoas, transparência e participação na gestão e rigor nas contas”.

No plano das prioridades colocou o emprego, o estímulo à economia – “temos uma estratégia que visa recuperar para o Porto o título de Cidade do Trabalho” – em primeiro lugar. A aposta no “investimento no turismo, na recuperação do comércio tradicional e na reabilitação urbana” é também uma prioridade do candidato que, a médio prazo, pretende “reforçar a ligação com as universidades e os laboratórios de investigação”.

Reabilitação só com financiamento comunitário
A reabilitação urbana também não foi esquecida, porque, acentuou, “é toda a cidade que necessita de um enorme esforço de reabilitação” e enfatizou que “a reabilitação urbana da cidade do Porto, em função da dimensão dos seus problemas, não é possível sem financiamento comunitário”.

A coesão social é a segunda prioridade do candidato, que promete dar “uma grande atenção aos bairros sociais onde residem um quarto dos portuenses”.“A minha primeira iniciativa será a de promover o reagrupamento das famílias. Isto é, em todos os casos em que isso se justifique, a câmara autorizará o regresso a casa e a inscrição no agregado familiar dos filhos ou dos netos que entretanto tenham saído”, explicou.

A cultura surge em terceiro lugar. Observa Pizarro que a “cultura não pode ser encarada como um adorno na acção municipal. Ela é essencial para a afirmação da cidade e para a sua inserção nos circuitos internacionais”.

Apostado em desenvolver políticas que encorajem o transporte público, a mobilidade a pé e de bicicleta” o candidato do PS assume que vai fazer do Porto a “voz solidária e presente da área metropolitana e da região”. E em jeito de despedida, convoca os portuenses a partilharem o seu sonho. “O sonho de um Porto orgulhoso do seu património e da sua história, mas aberto ao mundo e à modernidade” e despede-se evocando versos de Sophia Mello Breyner.

A comissão de honra foi também apresentada e dela fazem parte nomes como Alberto Amaral, antigo-reitor da Universidade do Porto; José Rodrigues, escultor; Mário Cláudio, escritor; Carlos Melo Brito, pró-reitor da Universidade do Porto; Isabel Pedroto, directora do Serviço de Gastrenterologia do Hospital de Santo António; Henrique Botelho, médico de saúde pública e familiar; Henrique Barros, professor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e director do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto; Jorge Daniel, cirurgião e coordenador da equipa de transplantes hepáticos do Hospital de Santo António; o actor João Paulo Costa, da Academia Contemporânea do Espectáculos; José Pedro Moreira da Silva, ex-presidente da secção regional do Norte da Ordem dos Médicos; Maria de Belém Roseira, presidente do PS; Germano Couto, bastonário da Ordem dos Enfermeiros, entre muitos outros.