Vítor Gaspar: Emissão de dívida a 10 anos foi "um enorme sucesso"

Procura excedeu três vezes a oferta e o preço foi favorável.

Investidores duvidam do regresso de Portugal em força aos mercados em 2013
Foto
Bolsas europeias iniciaram o dia em alta Foto: Patrícia de Melo Moreira/AFP

O ministro das finanças, Vítor Gaspar, considerou esta terça-feira que a emissão de dívida pública a 10 anos foi um "enorme sucesso" devido à elevada procura e à taxa de juro que ficou abaixo daquela que prevalecia em 2010 e 2011.

"A procura excedeu a oferta em mais do que três vezes, o que quer dizer que tivemos mais de 9 mil milhões de euros de procura dos nossos títulos a 10 anos", afirmou Gaspar à margem de uma conferência em Bruxelas.

Segundo o ministro, "o preço é também favorável" e deverá ter ficado "abaixo dos 5,70".

Mesmo reconhecendo que "abaixo de 5,70 é sem dúvida um valor elevado", Gaspar afirmou que "se justifica dado que estamos a gerir um processo de regresso a mercado" da dívida.

Apesar disso, salvaguardou, "quando comparamos estes valores com as últimas emissões que foram possíveis fazer no final de 2010 e no princípio de 2011, estamos cerca de 100 pontos de base, 1 ponto percentual, abaixo das condições de financiamento que foi possível obter na altura" (...) sendo que os montantes a que pudemos ter acesso são muito superiores e a liquidez do mercado não tem qualquer espécie de comparação com as condições que prevaleciam na altura".

"A principal razão por que este investimento vale a pena é porque é decisivo para melhorar as condições de financiamento da nossa economia e para acelerar a transmissão dessas melhores condições de financiamento para as empresas dependentes do crédito bancário, as nossas pequenas e médias empresas", vincou.

O IGCP vai apresentar, nas próximas semanas, uma estratégia com o objectivo de garantir o “acesso pleno” de Portugal aos mercados, disse ainda o ministro das Finanças.

Com a emissão de hoje "completámos a nossa curva de rendimentos", disse ainda Gaspar. "Nas próximas semanas, o IGCP vai publicar uma estratégia que incluirá objectivos trimestrais indicativos de forma a dar certeza aos mercados de forma a facilitar o aumento de liquidez na nossa curva de rendimentos e consequentemente garantir que nós temos pleno acesso aos mercados que é crucial para termos uma saída bem sucedida do nosso programa de ajustamento":

Mais pormenores sobre a operação de divida serão dados pela secretaria de Estado do Tesouro e IGCP às 18h30 de Lisboa, disse fonte do Ministério das Finanças.