Polícia de Boston acredita que os dois irmãos agiram sozinhos

Dzhokhar Tsarnaev está internado sob forte protecção policial depois do cerco de quase três horas. O governador de Massachussets diz que o suspeito de 19 anos ainda não está em condições de ser interrogado.

Fotogaleria
Zona das explosões continua vedada e sob investigação de técnicos da polícia Jim Bourg/Reuters
Fotogaleria
O piso de uma rua de Boston perto da zona das explosões transformou-se num painel de homenagens REUTERS/Jim Bourg

O chefe da polícia de Watertown disse neste sábado que tudo leva a crer que os irmãos Tsarnaev, de 19 e 26 anos, agiram sozinhos. Ainda não se sabe de que crimes o irmão que sobreviveu será acusado.

A polícia encontrou seis bombas e armas depois do cerco que durou quase três horas. Dzhokhar Tsarnaev foi preso quatro dias depois do atentado que matou três pessoas e feriu mais de 170 na maratona de Boston. A morte do irmão mais velho e a prisão do irmão mais novo não respondem à pergunta central da investigação: o que motivou o ataque?

Neste sábado, a imprensa norte-americana noticiou que os serviços secretos russos contactaram as autoridades dos EUA, em 2011, para falar da possível simpatia que Tarmelan Tsarnaev, o irmão mais velho morto pela polícia ao tentar fugir, tinha com movimentos radicais islâmicos da república do Daguestão. Tarmelan passou seis meses na antiga república soviética, onde há forte presença de movimentos islâmicos radicais.

É justamente nesta viagem (que incluiu uma passagem pela Tchetchénia) que as investigações se estão a concentrar. Segundo o jornal The New York Times, o pai de Tarmelan disse que o filho teria viajado para renovar o passaporte. Mas o prolongamento da viagem – para o FBI – pode ser o primeiro passo para perceber o que levou Tarmelan a participar no atentado à maratona.

Há dois anos, os russos alertaram, ainda segundo o The New York Times, para os riscos que o jovem poderia representar e pediu ao FBI para que monitorasse os seus passos – o que foi ignorado pela polícia federal norte-americana.

Neste sábado, o Presidente Obama esteve reunido com os principais conselheiros de segurança para ter mais informações sobre as motivações e possível existência de cúmplices. 

A detenção de Tsarnaev e o iminente interrogatório sem que a polícia precise de ler os seus direitos – como obriga a lei chamada Miranda (o direito de se manter calado ou de pedir um advogado) – provocaram uma reacção da associação de defesa das liberdades civis nos Estados Unidos, que se mostrou "preocupada". Mas as autoridades alegaram motivos de "segurança pública" para poderem interrogar o suspeito sobre a existência de outras bombas, cúmplices ou de planos de outros atentados.

Um grupo de investigadores está no hospital à espera que o suspeito melhore, para que este seja imediatamente interrogado.

Ainda não se sabe de que os irmãos serão acusados. No estado de Massachussets não há pena de morte.